Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

O perigoso jogo do casamento ioiô

@DR

Juan Ávila Estrada - publicado em 16/10/13

No relacionamento a dois, o "nós" é uma prioridade, e quem não consegue assimilar isso, continuará falando como um solteiro que não aprendeu a amar

Eu, tu, ele, nós, vós, eles: esta é a ordem dos pronomes que aprendemos na escola. Sempre ficou claro que o "eu" encabeça a lista de todos, e a ele podemos unir os respectivos "meu" e "me". Para a filosofia, de fato, o "eu" é chave em toda relação humana.


Mas o que acontece quando esse "eu" se encontra com um "tu" e, juntos, estabelecem uma relação de amor? É possível que os pronomes continuem conservando essa ordem ensinada pelo idioma? Não, não é possível.


Pelo contrário: seria um atentado ao amor pensar que o "eu" continua antecedendo os demais pronomes. Mas então, no relacionamento a dois, poderíamos pensar que o mais importante é o "tu". Tampouco.


O perigo de um "tu" incondicional e irrevocável entre esposos é de que o "eu" se dilua um pouco, até chegar ao aniquilamento da identidade e do princípio de individualidade e unicidade que há em cada ser humano. Não existe um "eu" sem um "tu", nem um "tu" sem um "eu".


Então vamos esclarecer: na relação a dois, o pronome que encabeça a lista de todos é o "nós", pois nele se encontram o "eu" e o "tu", sem que se misturem, sem anulá-los, sem desconhecê-los, simplesmente unindo-os em uma relação de doação e entrega mútua, na qual ambos começam a viver com dois cérebros, mas um só pensamento.


Não é possível construir uma sólida relação entre o casal, se cada um considera que o "eu" é o mais importante de tudo. O "nós" vem para enriquecer a relação e conferir-lhe uma nova dimensão. Já não se trata do "meu" dinheiro, meus problemas, meu tempo, minha vida; esta não é a linguagem do amor, mas de egoístas casados que, em algum momento, conceberam erroneamente o casamento.


Somos esposos, somos uma nova família, somos uma só carne, somos um projeto de Deus; estamos unidos não somente pelo amor humano, mas pela graça do Senhor, que abençoa esse amor e o torna sobrenatural.


Aqui, não se trata de morrer para nada (como equivocadamente interpretam muitos), mas de um novo viver, de um novo nascimento, de um novo vocabulário, pois tudo é novo entre os esposos. Quem não consegue assimilar isso adequadamente, continuará falando como um solteiro que não aprendeu a amar.


Porque, para casar-se, é preciso revisar até o idioma, reestruturá-lo, recompô-lo.


O casamento não pode ser construído entre dois "eus", pois suas vidas ficariam unidas como naquele brinquedo infantil, o ioiô, por uma corda curta que os faria viver em forma de sobe e desce ou pêndulo.


Por mais especialistas que sejam muitos no uso do ioiô, por mais malabarismos que saibam fazer com ele, sempre continuarão no mesmo lugar e a corda se enrolará em si mesma, em um eterno retorno sobre o nada.


O "nós" tem capacidade de extensão, abre-se à vida, revisa sempre suas metas, avalia suas estratégias, é criativo, sabe se renovar e fazer da rotina um trampolim para amadurecer, pois leva o casal a criar raízes.


O "nós" não tem medo dos filhos, porque conhece perfeitamente que eles são consequência natural da escolha deste novo pronome. O "eu" só busca o benefício pessoal e a comodidade. Somente o "nós" permite um "ele" que se diz "nosso". Só o "nós" concebe a vida como um dom de Deus e como uma materialização desse amor que foi consagrado pelo Criador.


Quando você sentir que o "nós" começa a se enfraquecer, lute pelo "tu" para que o "ele" seja preservado. Em uma crise matrimonial, os filhos precisam ver como seus pais lutam pelo seu casamento. É preciso cuidar do cônjuge sem descuidar dos filhos. Quando duas pessoas sabem cuidar uma da outra como um "nós", elas têm todo o poder para cuidar do "ele" na sua relação.


Por isso, faço uma nova proposta para os esposos cristãos, de ter uma nova ordem entre os pronomes pessoais: nós, tu, eu, ele, vós, eles.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Casamento
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia