Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Janeiro |
Santo Arsênio de Corfú
home iconAtualidade
line break icon

Quando ninguém tem culpa...

© DR

Dom Redovino Rizzardo - CNBB - publicado em 22/10/13

"A cultura do bem-estar nos leva a pensar somente em nós. Ela nos faz insensíveis aos gritos dos irmãos e a viver como bolas de sabão: bonitas, mas pura ilusão e futilidade"

No dia 8 de julho, o Papa Francisco visitou a ilha de Lampedusa, no sul da Itália. Foi a sua primeira saída de Roma, e a fez a um dos locais mais dramáticos, pelas centenas de migrantes que, todos os anos, em busca de melhores condições na Europa, deixam a África em barcaças superlotadas e acabam perecendo nas águas do Mediterrâneo. Diante de 20.000 pessoas, ele rezou a missa com paramentos roxos, em sinal de penitência. Sua homilia ganhou repercussão internacional. Transcrevo algumas de suas passagens que, pela força da denúncia, falam por si mesmas.

«Adão, onde estás?» (Gn 3,9) é a primeira pergunta que Deus faz ao homem depois do pecado. Adão está desorientado, perdeu o seu lugar na criação, porque pensou que ia se tornar poderoso, tudo dominar, ser Deus. O homem peca e a harmonia se quebra. O “outro” não é mais um irmão para amar, mas simplesmente alguém que perturba o meu bem-estar e me faz sofrer. Mais tarde, Deus dirige ao homem uma segunda pergunta: «Caim, onde está o teu irmão Abel?» (Gn 4,9). O sonho de ser poderoso, ser grande como Deus, ou melhor, ser Deus, termina numa sucessão de erros que levam à morte, a derramar o sangue do irmão. Estas duas perguntas ressoam também hoje, com toda a força. Muitos de nós – e, neste
número, me incluo também eu – estamos desorientados e desatentos ante o mundo que nos cerca. Não guardamos o que Deus criou para todos, não nos cuidamos uns dos outros. E quando esta desorientação atinge as dimensões do mundo, chega-se a tragédias como as que aqui ocorrem.

«Onde está teu irmão?» não é uma pergunta para outrem; ela é feita a mim, a você, a cada um de nós! Estes nossos irmãos e irmãs africanos queriam sair de situações difíceis e conseguir um pouco de serenidade e de paz; procuravam um lugar melhor para si e para suas famílias, mas se depararam com a morte. Quantas outras pessoas, com aspirações semelhantes, não encontram a compreensão, a acolhida e a solidariedade que esperam! «A voz do seu sangue clama até mim» (Gn 4,10). Quem é responsável por esse sangue? Na literatura espanhola, há uma comédia de Félix Lopes de Vega. Ela refere que os habitantes da cidade de Fuente Ovejuna matam o governador, mas o fazem de modo que não se saiba quem o executou. Quando o juiz lhes pergunta: «Quem matou o governador?», eles respondem em coro: «Fuente Ovejuna, senhor!». Ou seja, todos e ninguém…

A mesma pergunta ressoa ainda hoje: «Quem é responsável pelo sangue destes irmãos e irmãs?» Somos todos tentados a responder: «Ninguém! Eu não tenho nada a ver com isso! São os outros!». Deus, porém, continua em sua pergunta: «Onde está o sangue do teu irmão?». Perdemos o sentido da responsabilidade fraterna. Caímos na atitude hipócrita do sacerdote e do levita de que fala Jesus na parábola do Bom Samaritano: ao vermos o irmão semimorto à beira da estrada, talvez digamos: “Coitadinho!”, e continuamos o caminho. Não é culpa nem obrigação nossa! Ficamos tranquilos, com a consciência em paz. Mas, se a culpa não é de ninguém, é porque é de todos!

A cultura do bem-estar nos leva a pensar somente em nós. Ela nos faz insensíveis aos gritos dos irmãos e a viver como bolas de sabão: bonitas, mas pura ilusão e futilidade. A cultura do bem-estar nos torna indiferentes. No mundo da globalização, caímos na globalização da indiferença! Habituamo-nos ao sofrimento dos outros: ele não nos diz respeito, não nos interessa, não é responsabilidade nossa!

«Adão, onde estás?» e «Onde está o teu irmão?» são as perguntas que Deus coloca no início da história da humanidade e continua dirigindo a todos os homens do nosso tempo, a começar de nós mesmos. Mas eu queria que nos propuséssemos uma terceira pergunta: quem de nós chora por essa situação e por outras semelhantes? Quem chora pela morte de tantos irmãos e irmãs? Somos uma sociedade que esqueceu a experiência de se comover. A globalização da indiferença nos tirou a capacidade de chorar! Que Deus nos conceda a graça de chorar pela nossa indiferença, pela crueldade que há no mundo e por aqueles que, com suas decisões em nível mundial, criam situações que geram esses dramas!

Tags:
EuropaMigrantesSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segu...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Aleteia Brasil
Foi com esta oração que um brasileiro obteve ...
BLESSED CHILD
Philip Kosloski
Cubra seus filhos com a proteção de Deus atra...
Reportagem local
Médica perde pai para covid: "Tomei a mais di...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia