Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Receita para preparar um bom padre

© kazoka/Africa Studio/SHUTTERSTOCK
Compartilhar

Conheça os ingredientes necessários para obter um excelente sacerdote, e uma receita digna dos melhores “restaurantes” do mundo

Ingredientes:
 
– Um jovem previamente selecionado. Não precisa ser o melhor de todos.
 
– Espaço suficiente para que ele possa "ficar de molho" durante todo o tempo necessário.
 
– Uma equipe de "chefs" de alta qualidade. Inteligentes e virtuosos. Mais virtuosos que inteligentes.
 
– Sal a gosto (do Senhor), para que possa dar sabor ao mundo.
 
– Uma dose generosa de estudos filosóficos e teológicos.
 
– Bíblia e oração em grande quantidade. Quanto mais, melhor.
 
– O toque final fica por conta do Espírito Santo.
 
Modo de preparo:
 
Em primeiro lugar, o Senhor pega o jovem previamente selecionado e o convida a tornar-se pescador de homens. Nesta etapa, é importante o acompanhamento espiritual do seu pároco ou de um padre amigo.
 
Não importa a quantidade de medo; é preciso ficar de molho durante oito anos ou mais. Este tempo se dá em um espaço suficientemente cômodo, mas sóbrio, no qual o jovem passa por um processo de discernimento, ajudado por uma equipe de chefs especializados: existem os nacionais e os internacionais.
 
Tais chefs se prepararam na gastronomia italiana ou no próprio país. Os nacionais conhecem perfeitamente o que brota da própria terra e sabem fazer maravilhas com as pessoas que o Senhor confia à sua tutela.
 
Na equipe de chefs, há sempre um encarregado da cozinha; vamos chamá-lo de "reitor"; ele foi colocado neste cargo por disposição do seu superior e sua tarefa é supervisionar se tudo está em conformidade com a vontade do Grande Chef; os ingredientes devem ser de ótima qualidade, para que o produto seja apreciado por todos.
 
Comece colocando o jovem de molho (no seminário). É importante colocar sal desde o começo e não esperar até o final da preparação; se for deixado para o final, corre-se o risco de que o jovem se torne um sacerdote com excelente apresentação, mas sem sabor.
 
O sal pode ser colocado segundo o gosto do Senhor; Ele sabe a quantidade de que cada um precisa. Se os chefs fizerem isso sozinhos, correm o risco de exagerar e deixar o jovem desagradável, causando inclusive hipertensão.
 
Depois, tire tudo aquilo que possa estragar a receita no principal ingrediente. Retire os nervos (que seja prudente, mas não covarde), elimine o excesso de gordura (que não seja um peso para os outros ou para a comunidade) e lembre-se de que, para ser um excelente sacerdote, é preciso ser um excelente ser humano.
 
Enquanto fica de molho, é fundamental que lhe seja acrescentada uma quantidade generosa de literatura e estudos de filosofia; pular esta etapa da receita pode dar como resultado um fundamentalista muito perigoso, desses que garantem conhecer o lugar em que se encontra o cordão umbilical de Adão.
 
Forre seus estudos com uma adequada formação espiritual. Nesta tarefa, o Senhor pode oferecer uma grande ajuda: quanto mais intimidade com Ele, melhor será o sabor e mais excelente o resultado final.
 
Terminado o tempo de molho na formação filosófica, é preciso trocá-lo de recipiente – com muito cuidado, pois corre o risco de se desmanchar. Coloca-se então o ingrediente principal em uma comunidade paroquial; aqui se faz a primeira degustação da receita; o cliente final pode opinar sobre como está ficando o produto e dar seu parecer sobre o processo de preparação. É preciso levar em consideração a opinião da comunidade.
 
Depois, o jovem volta a ficar de molho, para receber os toques finais, que são muito importantes, porque o produto deve ser digerível e não causar intoxicação.
 
A parte final da receita inclui uma boa dose de teologia e Sagrada Escritura: o jovem não deve apenas estar com a Bíblia, mas ter gosto de Bíblia, e sobretudo sabor a Deus. Quem o experimentar, deve encontrar nele o doce sabor de Jesus.
 
Acrescente uma dose de amor mariano e outra dose de amor eclesial. Pode ser muito nocivo ter um sacerdote que diz amar a Deus, mas que não respeita a sua Igreja, seus superiores e tudo aquilo em que dizia acreditar no início da preparação da receita.
 
Finalmente, apresente o produto ao superior, para que este, se considerar conveniente, acrescente a essência de todo processo: imporá as mãos sobre ele e pedirá a Deus que lhe conceda o dom do Espírito Santo, para que o consagre e o configure à imagem de Cristo.
 
Recomendo a todos os comensais que tomem cuidado para não estragar o produto final com muito manuseio: nunca lhe digam que é o melhor prato servido à sua mesa, porque ele pode acreditar nisso e perder seu sabor original.
 
Quando for preciso tirá-lo da mesa, não o comparem com o substituto, pois cada prato tem seu sabor peculiar. O toque particular do Grande Chef não deixa que nenhum produto tenha o mesmo sabor que outro, ainda que todos tenham o gostinho do Senhor.
 
Bom apetite!
Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.