Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 09 Fevereiro |
Bem-aventurado Luís Magaña Servin
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Papa Francisco e a luta contra a escravidão

Pope Francis and the Fight Against Slavery – pt

Albert González Farran/UNAMID

Aleteia Vaticano - publicado em 05/11/13

Sim, a escravidão ainda existe no mundo de hoje, e o Papa Francisco quer ter certeza de que a Igreja Católica está na linha de frente para eliminá-la

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

O Papa Francisco acolheu uma conferência reunindo acadêmicos, médicos e clérigos para discutir o problema crescente do tráfico de seres humanos. Com o aumento da mobilidade mundial, tem havido um aumento no comércio da prostituição, tráfico de órgãos, bem como a utilização de crianças e adolescentes para o comércio sexual e tráfico de drogas.

Os pobres dos países em desenvolvimento são especialmente vulneráveis​​, aceitando ofertas de empregos e uma vida melhor de criminosos sem escrúpulos, e acabando em um pesadelo de escravidão sexual, drogas e crime. Os pais são conhecidos por vender filhos para a escravidão e, quando as vítimas reclamam, seus familiares em casa são ameaçados com violência.

Marcelo Sánchez Soronodo, chanceler da Pontifícia Academia das Ciências, afirmou: "Alguns especialistas acreditam que o tráfico de pessoas vai ultrapassar tráfico de drogas e armas em uma década, tornando-se a atividade criminosa mais lucrativa do mundo".

Os críticos, às vezes, usam o tema da escravidão para atacar os católicos. Buscam referências na Bíblia para apoiar suas críticas. No Antigo Testamento, a escravidão é concebida como uma realidade social e econômica, e no Novo Testamento, São Paulo e São Pedro aconselham que os escravos obedeçam seus amos.

No entanto, não é tão simples assim. Apesar de o Antigo Testamento aceitar a escravidão, ele também estabelece regras rigorosas e detalhadas para o tratamento humano dos escravos. Eles deveriam ser tratados como membros da família. A escravidão temporária foi permitida como uma forma de as pessoas pagarem suas dívidas, e os escravos eram libertados depois de sete anos, com uma ampla quantidade de alimentos e pecuária, para que pudessem se estabelecer em liberdade.

Os escritores do Novo Testamento também reconheciam a legitimidade da escravidão, mas há outra evidência de um entendimento revolucionário da escravidão dentro do Novo Testamento, que se torna a base para a eventual abolição da escravatura.

Em Gálatas 3, 28, Paulo ensina que, em Cristo, não há "nenhum homem ou mulher, escravo ou livre". E em I Coríntios 7, 21, ele aconselha aos escravos que busquem a liberdade sempre que possível. São Paulo também aconselha o amigo Filêmon a receber de volta um escravo fugitivo, Onésimo. Ele deveria ser recebido como um irmão no Senhor, e São Paulo sugere que ele seja libertado. A tradição da Igreja diz que Filêmon libertou Onésimo, e que eles se reconciliaram como irmãos.

A Igreja primitiva continuou aceitando a realidade da escravidão, enquanto insistia em um tratamento humano; mas, no início do período medieval, a escravização de outros cristãos já havia sido abolida. Por volta do ano 1400, a atitude foi mudando, até chegar a ser contra todas as formas de escravidão. Foi o Papa Paulo III quem, no início de 1500, se pronunciou contra a escravização dos povos nativos americanos pelos colonizadores espanhóis e portugueses. Houve, finalmente, uma condenação contundente de toda forma de escravidão, pelo Papa Gregório XVI, em sua bula de 1839, "Supremo Apostolatus".

Críticos da tolerância cristã da escravidão deveriam saber que foi São Paulo, na carta aos Gálatas, quem sugeriu pela primeira vez que a ideia da escravidão era intolerável, afirmando que ia contra o ideal de fraternidade cristã, fundamentada na igualdade em Cristo.

Foram santos cristãos, como Patrício, Wulfstan e Anselmo que falaram profeticamente contra a escravidão, bem como o Papa Paulo III e Gregório XVI. Que os católicos individuais tenham desconsiderado o ensinamento papal e continuado apoiando a escravidão só mostra que muitos católicos são maus católicos.


O problema com a escravidão hoje é que nós pensamos que a aboliram no mundo moderno. Pelo menos quando a escravidão era legalizada, ela era controlada, e as condições humanas eram exigidas. Agora, já que vivemos sob a ilusão de que a escravidão não existe, as condições são mais terríveis do que nunca. Porque achamos que a escravidão e o tráfico de seres humanos são coisas do passado, os escravos de hoje sofrem mais tortura e crueldade do que podemos imaginar.

Todas as instituições de caridade, os governos e as igrejas devem continuar cientes do problema. E todos os católicos, respondendo à liderança do Papa Francisco, devem chamar a atenção não só para essas formas de escravidão, mas também para o que poderia ser chamado de "semi-escravidão" – aquelas pessoas que não são formalmente escravizadas, mas que trabalham em fábricas recebendo baixos salários e em condições degradantes.

Jesus Cristo disse: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres. Enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para libertar os oprimidos". Precisamos de uma visão restaurada sobre a escravidão, tal como existe hoje, e precisamos do poder do Espírito para trazer a liberdade para aqueles que são escravizados.

Tags:
IgrejaMundoPapa FranciscoPecadoSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia