Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconReligião
line break icon

Fé: abandonar-se nas mãos de um amor que tem sua origem em Deus

© DR

Franciscanos - publicado em 12/11/13

A fé é compreendida como a resposta que o homem dá com responsabilidade a uma proposta, decifrada como sendo a revelação do próprio Deus na vida concreta

Por Frei Marcos Antonio de Andrade, em Franciscanos.org.br

A evidência da fé…

O Novo Testamento fala tanto da dúvida como da fé. Os apóstolos não estavam muito surpreendidos pela dificuldade em acreditar, pois sabiam que ela estava predita pelos profetas. Paulo e João citam a palavra de Isaías: «Senhor, quem acreditou na nossa mensagem?» (Jo 12,38 e Rm 10,16). João acrescenta: «era o que Isaías tinha dito ainda: ‘Cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração, para que seus olhos não vejam, seu coração não compreenda’» (Jo 12, 39-40). Os quatro Evangelhos fazem referência a esta passagem do capítulo 6 de Isaías. O que podemos notar é que a fé não é evidente!

O Evangelho de João mostra a fé no pano de fundo do seu oposto. Desde o início Cristo é ignorado: «Veio para o que era seu e os seus não o receberam» (Jo 1,10-11). É verdade que a certa altura muitos seguiram Jesus. Mas, rapidamente, a maioria deixa de acreditar nele: «Muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele» (Jo 6,66). Jesus não tenta agarrá-los. Constata: «Por isso é que vos disse: ‘Ninguém pode vir a mim se não lhe for concedido por meu Pai’» (Jo 6,65). Cristo não procurou suscitar a adesão através da persuasão, pois a fé tem uma profundidade que ultrapassa a inteligência e as emoções. Enraíza-se nessas profundidades onde «o abismo chama outro abismo» (Sl 42,8), onde o abismo da nossa condição humana toca no abismo de Deus. «Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, o não atrair» (Jo 6,44). A fé nasce inseparavelmente da atuação de Deus e da vontade humana. Ninguém acredita se não quiser. Também ninguém acredita sem que Deus o permita.

Se a fé é um dom de Deus e se nem todos acreditam, será que Deus afasta alguns? Na passagem onde João cita Isaías sobre a impossibilidade de crer, também transmite uma palavra de esperança de Jesus: «E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim» (Jo 12,32). Elevado sobre a cruz e elevado na glória de Deus, Cristo «atrai» como o Pai «atrai». Como é que ele faz para atingir todos os seres humanos? É impossível dizê-lo. Mas por que não havemos de confiar nele no que diz respeito àquilo que nos ultrapassa?

Até à última página, o Evangelho de João mostra a fragilidade da . A dúvida de Tomé tornou-se proverbial. Mas o que é decisivo é que, sem acreditar, permanece na comunidade dos crentes – e evidentemente, estes não o expulsam! Tomé espera, o Ressuscitado mostra-se a ele, e ele acredita. Depois Jesus diz: «Porque viste, creste. Felizes os que não viram e creram!» (Jo 20,29). A fé não é um feito. Vem inesperadamente, ninguém sabe como. É uma confiança que se espanta com ela própria.

A fé enquanto abertura radical ao Mistério

Diz Leonardo Boff num de seus livros: “A fé consiste fundamentalmente numa atitude radical de abertura para o Mistério de nossa existência e de sua acolhida amorosa, modificando o caminhar humano. Crer em Deus é um modo de viver a vida como confiada, entregue, colocada em Suas mãos; é uma maneira de totalizar todas as nossas experiências e interpretar o mundo, vendo-o a partir do desígnio de Deus e ligado umbilicalmente à Sua divina realidade.”

Este é o sentido originário de crer, como um existir em confiança e abertura, mas uma abertura iluminada por um Tu absoluto, uma “Luz na qual vemos a luz” (Sl 36,10). Esse tu comungado e amado deixou sua obscuridade misteriosa e se fez nosso irmão em Jesus Cristo, Deus encarnado. Crer, significa abrir-se, deixar-se orientar, acolher a santa humanidade de Jesus de Nazaré na qual encontramos o Absoluto Mistério, sentido de nosso viver e morrer.

Crer é mais que um confiar-se radical e ontológico ao Tu divino; é também abrir-se e acolher o que Ele nos tem a dizer, seu projeto histórico sobre o homem, sua revelação sobre o destino do mundo. O que Ele nos tem a dizer o auscultamos em nossa consciência; com sentidos afiados por Sua luz o descobrimos nos sinais dos tempos e na história que Ele fez com um povo. Isso é testemunhado pelas Sagradas Escrituras,  interpretadas à luz da história da fé cristã, história que culminou no caminho concreto de Jesus de Nazaré vivo, morto e ressuscitado.

Essa atitude de abertura e acolhida, por um lado universal e por outro concreta, constitui uma manifestação do que seja graça em cada homem. Porém, esta graça não se restringe a uma dimensão pessoal, ela se desdobra numa dimensão eclesial e social. Em última análise, é por causa da fé que nós somos responsáveis pelo tipo de sociedade, de fraternidade, de Província, de Ordem, de Igreja e da qualidade de vida criadas ao nosso redor. Se elas dão margem à emergência de Deus ou O abafam com sua prepotência. A emergência, a transparência e a epifania da fé se dá nas obras (Tg 2, 14-18).

A fé enquanto resposta do ser-humano   

A fé é compreendida como a resposta que o homem dá com responsabilidade a uma proposta, decifrada como sendo a revelação do próprio Deus na vida concreta. Ela deve exprimir a nossa assunção de forma livre para uma realidade que é fundamento e destinação. O homem exprime essa sua experiência por várias formas: pelo culto, por símbolos, por fórmulas doutrinais e por organizações religiosas. A religião é a fé institucionalizada, e a fé é o núcleo e a substância da religião.

Embora geralmente a fé seja vista como uma religião, porque trata da relação com esse Absoluto a que se chama Deus, esta noção não se revela muito útil para a captar no seu carácter único. Será ela então uma espiritualidade? Sim, no sentido em que oferece um caminho pessoal e vivido de aprofundamento do sentido da existência. É uma peregrinação nas pisadas de Cristo, e coloca forçosamente o peregrino em relação com todos aqueles que estão no mesmo caminho. Sabemos que não pode haver fé sem religião, mas pode contudo haver religião sem fé! Basta observarmos o legalismo, o ritualismo, o dogmatismo, o sacramentalismo, etc.

Mas a fé é quase nada, mal se discerne – pequena como um grão de mostarda, diz Jesus (Lc 17,6). Ao mesmo tempo, é «mais preciosa que o ouro» (1Pd 1,7), «santíssima» (Jd 20). A fé pertence às virtudes teologais, nos diz o Catecismo: «são infundidas no homem com a graça santificante, tornam-nos capazes de viver em relação com a Trindade e fundamentam e animam o agir do cristão, vivificando as virtudes humanas. Elas são o penhor da presença e da ação do Espírito Santo nas faculdades do ser humano» (CIC 384). Segundo S. Paulo «A fé, a esperança e a caridade permanecem para sempre. Porém, a maior delas é a caridade» (1Cor 13,13), pois «a Fé atua pelo amor» (Gl 5,6). No séc. VII, Máximo, o Confessor, identifica a fé com o reino de Deus: «A fé é o reino de Deus sem forma visível, o reino é a fé que tomou forma segundo Deus». E acrescenta que a fé realiza «a união imediata e perfeita do crente com Deus em quem crê».

O fundamento da fé

“Ressuscitou!” Este é o fundamento da nossa fé, a razão da nossa esperança e o motivo da nossa caridade: «Se Cristo não ressuscitou, vazia é a nossa pregação, vazia também é a nossa fé» (1Cor 15,14). Sem esta experiência, a cruz de Jesus e as nossas seriam uma tragédia e a vida cristã um absurdo. A partir dela, ao contrário, podemos cantar com a liturgia: “O Crux, ave, spes unica” (Salve, ó cruz, nossa única esperança). O Crucificado «ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras» (1Cor 15,4). Eis aqui o núcleo central da nossa fé e do kerigma primitivo: «Tanto eu como eles, eis o que proclamamos» (1Cor 15,11). A ressurreição é o grande “sim” de Deus Pai a seu Filho e, nele, a nós, por isso é também o tema do anúncio e o fundamento da nossa fé.

(Franciscanos.org.br)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DeusJesusRessurreição
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia