Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 01 Março |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

A última moda na Disney: tornar os malvados simpáticos

Disney’s Latest Trend: The Sympathetic Villain – pt

Disney

Kim Scharfenberger - publicado em 21/11/13

Reflexões sobre o filme "Maléfica", a superprodução e grande aposta da Disney para 2014

A Disney divulgou recentemente o trailer do filme "Maléfica", com Angelina Jolie no papel de vilã e Elle Fanning na pele da pobre princesa Aurora. A estreia está prevista para maio de 2014. Mas há uma mudança interessante que "Maléfica" está fazendo com relação ao conto da "Bela Adormecida", e que é evidente já no título: desta vez, a história tem como centro a vilã, enquanto a heroína se torna um personagem em segundo plano.

A sinopse promete a história jamais contada da vilã mais representativa da Disney. Maléfica é descrita como "uma esplêndida jovem mulher de coração puro que leva uma vida idílica, até que um exército invasor ameaça a harmonia da região. Maléfica se distingue por ser a mais orgulhosa protetora da região, mas no final sofre uma cruel traição, que começa a transformar seu coração puro em pedra".

Esta traição é supostamente o que a leva a lançar uma maldição sobre Aurora, a filha recém-nascida do sucessor do rei invasor. Desde a sinopse, Maléfica é pintada como uma heroína trágica, que estava apenas defendendo seu reino antes da chegada de uma série de desgraças. Inclusive sua maldição sobre a pequena princesa Aurora é somente uma forma de proteger sua terra. Se ela estava agindo para defender os seus, como poderia ser má?

Várias entrevistas a Angelina Jolie parecem prometer que o público terá uma perspectiva totalmente diferente de Maléfica: "Espero que, no final vocês possam ver uma mulher capaz de ser muitas coisas; o simples fato de defender-se e ser agressiva não significa que ela não possua outras qualidades".

Interpelada sobre a hipótese de que Maléfica tenha capacidade de redenção, Jolie respondeu que "parece verdadeiramente absurdo dizer que as meninas podem encontrar algo bom nela. Mas Maléfica é realmente uma grande pessoa". Este é um retrato interessante de uma das bruxas mais malvadas e famosas da história cinematográfica. E não é o primeiro filme da Disney que adota este ponto de vista com relação aos "maus".

Em suas últimas produções, a Disney tem seguido esta tendência de "modernizar" a história do vilão, muitas vezes com uma luz agradável projetada sobre o passado do personagem em questão. Por meio de novos relatos, o público acaba inevitavelmente se solidarizando com os vilões e sentindo simpatia por eles, chegando talvez a pensar que suas decisões maldosas são inevitáveis nas infelizes circunstâncias em que se encontram.

Uma destas revisões foi apresentada em "Oz: mágico e poderoso", em que a Bruxa Má do Oeste é apresentada como vítima de uma cruel manipulação – o que justificaria seus atos. Também em "Detona Ralph", toda a base é a luta do malvado de um videogame para chegar ao heroísmo. Poderíamos pensar que esta é uma grande oportunidade de mostrar um personagem que vence suas próprias inclinações e cresce até se tornar um verdadeiro herói.

Ralph consegue demonstrar seu valor de herói mediante seus atos altruístas com relação aos outros personagens, mas esta não é a mensagem final. O mantra de Ralph, inclusive no final do filme, é "Eu sou mau, e isso é bom; eu nunca serei bom, e isso não é mau". No final, Ralph continua detonando as coisas, mas agora Félix e os demais personagens do jogo o aceitam pelo que ele é. No verdade, Ralph não é realmente mau, pois tem um bom coração, mas é interessante que a mensagem repetida por ele seja a de que nunca será bom "e isso não é mau".

Não há nada de errado em tentar compreender o funcionamento interno da mente de alguém ruim. Sobretudo nas histórias populares amplamente conhecidas, uma revisão com diferente e inesperada perspectiva pode ser agradável, porque oferece informação nova. Mas, no final, produções como "Maléfica" e "Oz: mágico e poderoso" glorificam os vilões tradicionalmente aceitos e tentam justificar seus atos reprováveis escavando um passado incompreendido. No caso de "Detona Ralph", chegam inclusive a dizer que "não é mau ser mau".

Os filmes e contos do passado, como "A bela adormecida" e "O mágico de Oz" expressavam interpretações concretas das categorias certo/errado, refletidas em personagens absolutamente bons ou absolutamente maus.

Não haveria um meio termo para a Bruxa Má do Oeste que cuspia fogo, ou para Maléfica, que mudava de forma em suas histórias originais; mas a sociedade moderna criou muitas variações de cinza para interpretar as ações das pessoas, e estas histórias apresentadas do ponto de vista do vilão, parecem ser o resultado deste mentalidade.

Poderia parecer inócuo, mas, se gastamos tanto tempo obcecados com a origem ou as motivações dos maus, poderíamos começar a nos perguntar onde foram parar os verdadeiros heróis.

Tags:
Entretenimento
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia