Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A doença do amor

CC Renaud Camus
Compartilhar

Hoje, movimentos que promovem o individualismo têm sido a grande esperança para a extinção da doença

O amor não tem cura! É uma doença grave que afeta boa parte da população mundial. Não é por acaso que cada vez mais pessoas estão preocupadas em evitar ao máximo qualquer possibilidade de contágio. Os sintomas do amor vão desde uma entrega de si mesmo para o outro até uma preocupação exagerada pela felicidade alheia. É muito comum que as pessoas afetadas pelo amor deixem de ser mesquinhas, egoístas e também invejosas.

Há relatos de pessoas que deixaram o alcoolismo e as drogas só porque amavam alguém. Relatos que geraram a preocupação de muitos setores da sociedade. Evitar ao máximo ouvir a voz do coração é uma das maneiras mais eficazes de manter-se longe deste grande mal que afeta principalmente crianças de todas as idades.

O amor faz com que as pessoas percam tempo no trabalho. Estudos indicam que pessoas que amam são mais propensas a cumprimentar alegremente os colegas de trabalho, enviar mensagens motivacionais e até deixar de fazer uma tarefa para consolar um colega que esteja sofrendo pela morte de um ente querido, uma doença ou um problema de relacionamento. Pessoas afetadas pelo amor tendem a ser mais solicitas e compreensíveis, os chefes que esperam uma atitude de pânico de seus colaboradores diante de discursos autoritários temem perder espaço nas grandes empresas.

Alguns setores tiveram mais sucesso para impedir o contágio do amor em seus membros. Na política, por exemplo, a pessoa que demonstrar qualquer tipo de preocupação com o bem comum relativizando sua preocupação pelos interesses próprios é imediatamente excluída e colocada em quarentena até que seu quadro se normalize e possa retornar às atividades.

Hoje, movimentos que promovem o individualismo têm sido a grande esperança para a extinção da doença. Há centenas de campanhas publicitárias, músicas e programas de TV que buscam ser o remédio para as pessoas que estão entorpecidas pelas consequências do amor. Embora a cura seja desconhecida, as tentativas são de ao menos minimizar os efeitos do amor até o ponto que ninguém se sinta na obrigação de fazer outra pessoa feliz. Se você quer ficar distante do amor, filie-se a estes movimentos, afinal de contas quem quer deixar de preocupar-se consigo mesmo para preocupar-se com a felicidade dos outros?

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.