Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

Catástrofes naturais: qual é a responsabilidade do homem?

© NOEL CELIS / AFP

Mundo Negro Digital - publicado em 25/11/13

Os países ricos continuam sem cumprir seus compromissos com relação às mudanças climáticas

Após o tufão devastador que destruiu parte das Filipinas, varrendo casas, vidas, sonhos e esperanças de milhares de pessoas, a que seria mais uma das muitas reuniões internacionais sobre as mudanças climáticas se tornou um fórum que desencadeou todo tipo de emoções e no qual os países em desenvolvimento uniram suas vozes para pedir compensações aos países que mais contaminam o mundo, pelos danos e prejuízos que estão vivenciando.


Este é o cenário com o qual se abriu a 19ª Conferência da ONU sobre as Mudanças Climáticas em Varsóvia, na qual se manifestou, mais uma vez, o pouco interesse dos países que mais contaminam por chegar a uma acordo que substitua o Protocolo de Quioto, de 1997.


De fato, fracassaram novamente as propostas de redução de emissões de carbono na atmosfera, o que está levando muitos países a perder a paciência depois de décadas de diálogo infrutífero sobre as mudanças climáticas.


Os países mais pobres, que são os que mais sofrem os efeitos das mudanças climáticas, exercem uma pressão maior para que se aumentem os esforços, e que estes não se limitem à redução das emissões de carbono e à adaptação às mudanças.


Estão pedindo que tais "esforços" levem em consideração as perdas e danos que a maioria das nações mais pobres vai sofrer devido à fragilidade dos seus meios ambientes e estruturas, e sobretudo pelos poucos recursos que possuem para responder de forma adequada aos prejuízos que as mudanças climáticas causam.


A ideia de buscar justiça por este tipo de catástrofes, que têm uma dimensão global e afetam praticamente todos os países do planeta, causando grandes perdas econômicas, parece uma missão impossível, sobretudo pela sua dimensão mais política.


Isso exige que as nações mais poderosas assumam sua culpa, incluindo os Estados Unidos, os países da Europa e a China, entre outros. Além disso, teriam de ser conscientes de sua responsabilidade moral e arcar com as consequências.


Os países mais poderosos brincam com a dificuldade dos cientistas de determinar e demonstrar que as mudanças climáticas são as responsáveis diretas por fenômenos como o tufão que devastou as Filipinas e se tornou a maior tempestade registrada até agora.


São muitos os que estão pressionando para criar um novo mecanismo que aceite, de forma efetiva, a ideia de que as consequências das mudanças climáticas são irreversíveis e que os países que mais sofrem por isso devem ser compensados.


Justamente no dia 19 de novembro, a sessão da cúpula se centrou na África, uma das primeiras vítimas das mudanças climáticas. Esta é uma das conclusões extraídas do relatório "A geografia da pobreza, desastres e extremos climáticos em 2030".


Nos países mais pobres, os desastres naturais podem se tornar verdadeiras catástrofes humanas quando aumentam a pobreza existente ou levam à pobreza devido ao desaparecimento de bens e fontes de renda de forma massiva, segundo o relatório.


O risco de pobreza, associado a estas adversidades do clima, está relacionado à falta de acesso a redes de segurança, terras e trabalho, bem como ao fato de viver em zonas rurais atingidas.


Deveria ficar claro que o que chamamos de "fenômenos naturais" já não são tão naturais, mas sim uma consequência direta da ação do ser humano.


Mas os países que mais contaminam o mundo não querem reconhecer isso, para não ter de compensar os que mais sofrem seus efeitos. Preferem investir o dinheiro em ajuda depois das catástrofes, ao invés de investir em sua prevenção.


Tudo isso é mais visível, dá mais publicidade e é mais fácil de virar notícia, ao mesmo tempo em que lhes permite manter seu ritmo de crescimento, ainda que este seja a causa da morte de milhares de homens e mulheres em muitos países.


(Artigo de Chema Caballero, publicado originalmente em Mundo Negro Digital)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
CHILE
Reportagem local
Duas igrejas são incendiadas durante protesto...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia