Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O Papa Francisco e o uso das redes sociais

Mazur/UK Catholic
Compartilhar

Antes de ser eleito Papa, Francisco não usava nem celular, mas agora já aderiu às mídias sociais, para poder ter mais contato com as pessoas

Bento XVI foi o primeiro papa da história a usar o Twitter. E o Papa Francisco tem aproveitado o universo digital para se aproximar das pessoas e evangelizar. Os "culpados" por esta revolução digital no Vaticano são Gustavo Entrala e Carlos García-Hoz, da agência de publicidade "101", responsáveis pelo site News.va, pelo aplicativo "The Pope" e pela conta do Papa no Twitter, @Pontifex.
 
Nesta entrevista a Catalunya Cristiana, Gustavo Entrala explica que "estamos em um processo de trabalho com a Santa Sé, para que se possa interpretar o que as pessoas estão dizendo ao Papa no Twitter. Gostaríamos de ter uma visão sobre que mensagens do Papa têm mais eco, que críticas ele recebe, que críticas a Igreja recebe. Se não nos comunicamos em um âmbito de diálogo, não seremos eficazes".
 
O Papa Francisco não tinha sequer um celular quando era arcebispo de Buenos Aires. Foi difícil convencê-lo a entrar no mundo digital?
 
Quando Bento XVI renunciou, ninguém sabia se o novo papa continuaria usando o Twitter. A ideia era conversar com ele, dois ou três dias depois da sua eleição, para dizer-lhe que havia 3 milhões de pessoas esperando por ele no Twitter e que, se quisesse, poderia usar esse canal.
 
O Papa Francisco aceitou continuar postando mensagem no Twitter; ele começou escrevendo uma mensagem às quartas-feiras e outra aos domingos, coincidindo com as audiências e os Ângelus.
 
Pouco a pouco, ele foi entendendo melhor o fenômeno e suas enormes possibilidades. E gostou muito do fato de poder dirigir-se a mais de 10 milhões de pessoas com uma frase muito concisa.
 
Por isso, agora ele escreve praticamente todos os dias. Metade das mensagens são suas, escritas de próprio punho, e metade são frases extraídas das homilias em Santa Marta, do Ângelus ou da audiência das quartas-feiras.
 
A ideia é que seus seguidores, todos os dias, recebam uma mensagem inspiradora.
 
Uma mensagem de apenas 140 caracteres…
 
As pessoas, hoje em dia, não têm muito tempo para consumir o que a mídia oferece. Por isso, a comunicação, para ser efetiva, precisa ser muito sintética, quase em forma de manchetes apenas.
 
A comunicação da Igreja tem de se adaptar a esta nova situação. A maioria das pessoas não tem tempo para ler uma encíclica do Papa. Por isso, é preciso fazer de cada mensagem uma visão muito sintética, para que as pessoas captem. O Santo Padre entendeu muito bem isso.
 
Mensagens tão curtas podem ser profundas?
 
Síntese e concisão não significam necessariamente que a mensagem seja fraca ou superficial. O que o Papa diz no Twitter é sempre profundo, algo que interpela, que faz pensar.
 
Eu, como publicitário, reconheço que não há nada como uma mensagem breve, concisa e clara, para que a memória a retenha e haja uma influência real na vida. Por isso, a comunicação baseada em frases curtas é tão efetiva, porque condensamos muita coisa em um pequeno espaço.
 
Que outras características fazem de Francisco um bom comunicador no mundo digital?
 
O Papa Francisco é também muito gestual, muito próximo das pessoas, e suas imagens se espalham com muita facilidade por meio das redes sociais. Atualmente, toda a comunicação está orientada a gestos e momentos concretos.
 
Fora o número espetacular de seguidores, como o Papa interage nas redes sociais?
 
Estamos em um processo de trabalho com a Santa Sé, para que se possa interpretar o que as pessoas estão dizendo ao Papa no Twitter. Gostaríamos de ter uma visão sobre que mensagens do Papa têm mais eco, que críticas ele recebe, que críticas a Igreja recebe. Se não nos comunicamos em um âmbito de diálogo, não seremos eficazes.
 
Mas é possível dialogar nas redes sociais?
 
Os profissionais da comunicação digital dedicaram muito tempo a difundir a ideia do diálogo por meio das redes sociais, mas é verdade que isso ainda não está tão claro.
 
O Twitter, por exemplo, é um grande mercado de ideias e conteúdos, mas a virtualidade e brevidade das mensagens torna muito difícil um verdadeiro diálogo humano.
 
Ao mesmo tempo, a própria natureza do meio convida à controversa. Como você não vê a outra pessoa, não a escuta e não está por dentro das suas circunstâncias, a comunicação pode parecer uma partida de ping-pong, sem muito sentido.
 
Não concebo as redes sociais como lugar para gerar relações reais. Mas o que é possível, sim, é conhecer pessoas nas redes sociais, pessoas com as quais depois começamos uma relação pessoal.
 
(A entrevista completa foi publicada pelo jornal Catalunya Cristiana)
Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.