Aleteia
Terça-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Estilo de vida

Geração sexting: o grande desafio das famílias e dos educadores

@DR

Emanuele D'Onofrio - publicado em 27/11/13

Na luta contra a difusão de mensagens, fotos e chats de conteúdo sexual entre adolescentes, a lei não é suficiente: é preciso educar

Adolescentes e pornografia: dois universos cada vez mais dramaticamente em contato.


Para conhecer melhor esta preocupante tendência e as armas usadas para combatê-la, a Aleteia entrevistou a psicóloga e sexóloga Elena Lenzi, e o secretário da União de Juristas Católicos Italianos, Fabio Macioce, professor de Filosofia do Direito e Biojurídica na Lumsa.

Diante do crescimento do sexting, que problemas este fenômeno pode causar na psiquê do adolescente: emocionais, de aceitação, de ausência de modelos e valores espirituais?


Lenzi: Certamente, a psicologia do adolescente está em formação. Por conseguinte, a prática da sedução ou do envio de imagens próprias do sexting (contração de "sex" e "texting") leva a que não se permitam viver uma série de emoções.


Há um dado preocupante com relação à negação das emoções: as imagens de genitais ou de relações sexuais deixam indiferentes uma porcentagem bastante alta de adolescentes: 16%. Isso mostra como há uma negação da emoção.


Também há uma questão de homologação: oferecemos formação nas escolas porque existe o grande problema de que os adolescentes de hoje querem ser como os outros. Chega-se inclusive à primeira experiência sexual só para comportar-se como os outros, e este é um problema enorme, que diz respeito à carência afetiva.


No referente à ausência de modelos e valores, precisamos recordar que os adolescentes são o que nós lhes ensinamos. Por isso, os adultos devem dar uma boa educação na sexualidade, na afetividade, no respeito de si mesmo e do outro; a ausência disso certamente os deixa solitários.


De fato, o que encontramos são adolescentes que vivem em grande solidão, e que se sentem menos sozinhos graças ao número de “curtidas” que recebem pelo envio de certas imagens. Como sabemos, o sexting também é praticado por meio do Facebook, com aplicativos específicos, e no Facebook aparecem as “curtidas”; logicamente, receber 100 “curtidas” faz a pessoa se sentir importante.

Como você explicaria a relação dos adolescentes com seu próprio corpo?


Lenzi: Efetivamente, com o uso desproporcionado da internet (e por isso é importante oferecer instruções corretas sobre como utilizar a rede), ocorre a privação sensorial. Por isso, inclusive mostrar o próprio corpo está vinculado ao fato de que não há outra pessoa na frente, nem outros olhares sobre o corpo: o adolescente está sozinho no seu quarto.


Portanto, há uma relação parcial também quanto à consciência do que se está mostrando do próprio corpo: mostram o corpo sem ser tão conscientes disso, precisamente porque é um corpo que está se desenvolvendo, e com o qual devem voltar a sentir confiança. Por outro lado, expô-lo por necessidade de autoafirmação ou pela sensação de solidão pode levar a fenômenos graves, como o cyberbullying.

O limite entre o legal e o ilegal coincide com o que é licito ou não do ponto de vista moral e educativo? Por exemplo, se dois menores de idade trocam imagens eróticas, de forma consensual, sem divulgá-las, os pais e educadores contam com instrumentos legais para impedir isso?


Macioce: Neste caso, depende da idade. Quando superam a idade de consentimento sexual, há pouco a fazer. Mas uma coisa é certa: não podemos pensar que estes problemas podem ser resolvidos pelo Direito.


Não se pode pedir ao legislador que faça o que as famílias não conseguem fazer, porque, se uma família é tão incapaz de lidar com a relação com seus filhos, a ponto de não impedir que uma filha se prostitua, por exemplo, certamente será difícil que a autoridade judicial ou a polícia resolvam isso, a não ser que se cometam graves delitos.


O Direito com certeza é muito mais fraco, partindo deste ponto de vista: não podemos pedir ao Direito que impeça que esses adolescentes de 13, 14 anos compartilhem mensagens eróticas, se os pais não conseguiram fazê-lo.


O Direito não pode resolver o que a consciência comum decidiu que não pode ser resolvido. O problema é educativo, mais do que jurídico.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
JuventudePaternidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Ellen Mady
Para Jesus não existe novena melhor do que es...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
ícone São Lucas Nossa Senhora Jesus médico
Reportagem local
Oração a São Lucas, evangelista e médico, pel...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia