Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
Atualidade

Ter e dar: a capacidade de presentear

© DR

Higinio Marín - publicado em 09/12/13

O que os reis magos ainda podem ensinar aos homens e mulheres da nossa época

A pobreza mais essencial não consiste na impossibilidade de ter, mas na incapacidade de dar.


Certamente, quem não tem nada não poderá dar nada, mas isso não significa que quem possui em abundância tenha o poder de dar. É preciso perceber que só existe uma maneira de dar: gratuitamente. Tudo o que não é gratuito não é propriamente um “dar”, mas um trocar, investir, fiar, emprestar.


Damos ou não damos. Para dar, é preciso exceder-se, ou não se está dando. Daí que a forma emblemática – e única possível – do dar seja o presente. Mas para dar, presentear, é preciso ter um poder grande, muito mais difícil de adquirir que os objetos que podem ser presenteados, e consiste em ser capaz de dar desinteressadamente.


Alguns acham impossível dar desinteressadamente. De certa forma, é verdade, porque quem dá tem uma expectativa irrenunciável: que o outro receba sem tornar a pessoa como parte de uma transação, ou seja, excluí-lo da rede de interesses mútuos e deixar então de acolher o apelo que o desinteresse expressa: dar é dar de si mesmo.


Todo presente, quando autêntico, aspira a trazer à luz a realidade do outro, e mais ainda, mostrar a luz da realidade, assim em geral. Portanto, todo presente é epifania, manifestação, consumação. Este era certamente o sentido antigo do “ornatus”: não um sobrante formal prescindível, mas o sobrante imprescindível no qual acontece a manifestação visível do oculto, a transfiguração que permite reconhecê-lo e proclamá-lo.


É tão difícil alcançar o poder necessário para dar, que o Ocidente se deu alguns modelos, aos quais chamou de reis e magos ao mesmo tempo. Se os enfeitamos ungidos e com coroas, capaz, metais e pedras preciosas, é para refletir e deixar ver sua luz, a luz que é a intensidade da realidade: o resplendor do que é, mais intensa e verdadeiramente.


E se os chamamos de “magos”, certamente é porque uma mesma ascendência etimológica compartilha o latim “magis” e a palavra “magistério”: o mago é mestre, aquele capaz de ensinar, de iluminar a realidade, compartilhando-a. A magia do magistério consiste em mostrar a luz da realidade, cujo esplendor a torna reconhecível consumando-a, pelo menos em sua aparição.


Quem dá um presente aspira a fazer o outro presente, presenciá-lo em toda a sua magnitude e profundidade visíveis. Entre o elogio, o presente e a homenagem há um parentesco com a tradição no poder dar até culminar. É preciso ter poderes de reis e de magos para saber dar.


Mas estes modelos ainda trazem outro enigma. Toda a sua façanha consistiu em seguir uma estrela em terras alheias e desérticas, carregando pequenos tesouros. A dificuldade está em acreditar que os tesouros já eram tesouros antes de seguirem a estrela no deserto. Porque, na verdade, não existe nenhum tesouro antes de ter sobrevivido a um deserto.


Não é por acaso que a tradição literária situa os tesouros em ilhas desconhecidas ou desertos inexploráveis. O mar e o deserto são a geografia do tempo: neles, nada perdura e nada que se faz deixa pegadas; o que reina é o esquecimento todo-poderoso. E, precisamente por isso, desertos e mares são os lugares em que é possível encontrar tesouros cuja natureza própria é uma perdurável inalterabilidade: isso é simbolizado pelo ouro e pelos diamantes, pelas pedras preciosas cujo brilho não se apaga.


As promessas mostram essa inalterabilidade do ser humano. As promessas feitas e as preservadas são a forma mais humana do tesouro e, portanto, do presente. O poder de presentear se esconde no adorável, que nos arrebata em promessas para sempre, enquanto este tempo durar. Se o ser humano é um animal que promete, é porque é o único capaz de atesourar e presentear, de dar, dar de si mesmo.


Mas entre nós, e precisamente nesta nossa época, às vezes parece ter se desvanecido o poder de presentear.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
HumildadePecado
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia