Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconEstilo de vida
line break icon

Um decálogo para reconhecer e respeitar os direitos do nascituro

Jaime Septién - publicado em 11/12/13

Os 10 princípios buscam favorecer a cultura da vida e ser a voz dos que não têm voz, defendendo os seres humanos mais desprotegidos e vulneráveis

O dia 8 de dezembro foi escolhido pela Associação Civil mexicana como “Dia dos Direitos do Concebido”, como reconhecimento e respeito “oficiais” aos direitos dos concebidos que ainda estão por nascer.

A associação, dirigida pelo Pe. Pedro Agustín Rivera Díaz, elaborou uma Declaração dos Direitos humanos do Concebido, que busca “favorecer a cultura da vida e ser a voz dos que não têm voz, defendendo os seres humanos mais desprotegidos e vulneráveis, sobretudo aqueles de quem se pretende tirar o direito fundamental à vida”.

Em sua declaração, a associação recorda que, “frente aos que se julgam no direito de decidir sobre a vida dos outros, o respeito à vida e à liberdade nos convida a refletir e nos obriga a nos manifestarmos, para insistir na necessidade de reconhecer os direitos e garantias fundamentais de todo ser humano, especialmente o direito à vida, do qual derivam todos os outros”.

Sobre o tema dos direitos humanos, o organismo mexicano reconhece que a humanidade realizou muitos progressos: hoje, vemos o reconhecimento dos direitos humanos universais, dos direitos da criança, da mulher, dos jovens, dos idosos, das pessoas com deficiência etc. Todos eles “buscam a proteção da pessoa humana a partir do reconhecimento da sua dignidade, em suas múltiplas projeções e circunstâncias concretas”.

Um decálogo de vida e amor ao nascituro

1. Todo concebido, homem ou mulher, com deficiência ou não, gozará dos direitos enunciados nesta declaração.

2. Todo concebido tem direito de ser reconhecido como um indivíduo da espécie humana e, portanto, conta com todos os direitos humanos reconhecidos pela ONU, pelos organismos internacionais e pelas constituições dos Estados.

3. Todo concebido tem direito de ser reconhecido em sua individualidade, já que seu código genético próprio é único e singular e, portanto, diferente daquele dos seus progenitores.

4. Todo concebido tem direito de que se reconheça e respeite nele o valor supremo da vida, do momento da concepção até a sua morte natural e, por isso, este direito deverá ser respeitado e cuidado e respeitado ao longo de todo o seu processo de vida no ventre materno e, uma vez nascido, fora dele.

5. O valor supremo da vida do concebido deve ser a diretriz a nortear os que têm a responsabilidade de velar pelo seu desenvolvimento integral. Tal responsabilidade cabe, em primeiro lugar, aos seus pais e, de maneira subsidiária, aos demais familiares, à sociedade e ao Estado.

6. Todo concebido deverá ser protegido de qualquer tipo de discriminação por razões de etnia, condição genética, sexo, origem social, situação econômica, dele ou dos seus progenitores.

7. O concebido é um indivíduo em desenvolvimento, com seus direitos específicos, que não podem ser exigidos por ele nesta etapa da sua vida e, por isso, cabe aos seus pais, à sociedade e ao Estado a obrigação irrenunciável de velar pelo seu respeito.

8. Todo concebido, para o pleno e harmônico desenvolvimento da sua individualidade, deverá fazê-lo sob o amparo e responsabilidade dos seus pais, em um ambiente de carinho e segurança. A mulher grávida deverá contar com os cuidados próprios e atenções especiais desta etapa.

9. Todo concebido disporá das oportunidades e serviços dispensados pela lei e por outros meios, em condições de liberdade e dignidade, para que possa se desenvolver física, mental, espiritual e socialmente, de maneira integral; com este fim, deverão ser proporcionados, tanto a ele como à sua mãe, cuidados especiais.

10. Todo concebido tem direito a uma nacionalidade, e o Estado deverá reconhecer e proteger todos os seus direitos.

Tags:
PolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia