Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 24 Março |
Bem-aventurada Maria Karłowska
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

De Reagan a Ratzinger: um diagnóstico das raízes do sub-humanismo

The Worst Subhumanist Ideology: Utopian Collectivism – pt

Michael Salisbury

Aleteia Vaticano - publicado em 12/12/13

O ex-presidente norte-americano e o papa emérito sabiam que a liberdade mal entendida leva os homens ao ódio contra si mesmos e à cultura da morte.

Precisando de uma ideia para a esmola quaresmal?

Ajude-nos a difundir a fé na internet! Você poderia fazer uma doação para que possamos continuar criando conteúdos gratuitos e edificantes?

Faça aqui uma doação de Quaresma

Por Jason Jones e John Zmirak

Apenas dois anos após assumir o cargo, um presidente norte-americano, polêmico em seu tempo e hoje bem avaliado, falou abertamente sobre o inexorável rastejar do sub-humanismo, embora não tenha usado esse termo. Poucos fiéis seguidores do seu partido político, que ainda venera a sua imagem, se lembram do que Ronald Reagan escreveu em 1983:

"O aborto não afeta apenas a criança que ainda não nasceu. Ele afeta cada um de nós. O poeta inglês John Donne escreveu: ‘…a morte de qualquer homem me diminui, porque eu faço parte da humanidade; nunca, pois, procures saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti’.

Não podemos diminuir o valor de uma categoria da vida humana, a dos ainda não nascidos, sem com isso diminuir o valor de toda a vida humana. Já vimos uma prova trágica desse truísmo no ano passado, quando os tribunais do Estado de Indiana permitiram a morte por inanição do bebê Jane Doe, em Bloomington, porque a criança tinha síndrome de Down.

A verdadeira questão não é a de quando começa a vida humana, mas a de qual é o valor da vida humana. O abortista que reagrupa os braços e pernas de um bebê para ter certeza de que todos os seus pedaços foram retirados de dentro do corpo da mãe dificilmente duvida de que aquele era um ser humano. A verdadeira questão, para ele e para todos nós, é saber se aquela pequena vida humana tem ou não tem o direito, recebido de Deus, de ser protegido pela lei; o mesmo direito que nós temos”.

Como é que um direito tão fundamental poderia ser simplesmente deixado de lado? Sendo “brutalmente cândidos”, podemos afirmar que um “esquecimento” desse tipo foi intencional e consciente, um exemplo de empatia que desaba diante de desejos egoístas embrulhados em slogans utópicos: com o aumento da contracepção e a aparente derrota das doenças venéreas pelos antibióticos, o homem moderno (escolhemos o termo deliberadamente) teve o vislumbre daquela terra prometida de liberdade sexual, que vinha seduzindo a imaginação dos libertinos ao longo de toda a história humana: o sexo poderia finalmente se livrar das amarras biológicas e ser usado como pura fonte de prazer. Divorciado de quaisquer compromissos mais duradouros que o desejo fugaz, aliviado do peso da reprodução, sem o lastro da culpa e da vergonha, o assim rotulado "amor livre" poderia servir à causa do progresso, dissolvendo os laços sociais indesejados e a herança estrutural social que a Nova Esquerda enxergava como repressiva: o núcleo familiar, a Igreja e os códigos “burgueses” de comportamento.

Na década de 1960, havia, de fato, relativamente poucos estudantes ativistas que fossem versados de verdade em Marx e Engels, ou interessados não apenas superficialmente em melhorar a sorte dos "proletários". A Nova Esquerda canalizou a rebelião juvenil contra as barreiras impostas ao prazer. A paz e a prosperidade, conquistadas a duras penas pela geração da Segunda Guerra Mundial, que teve de raspá-las dos escombros e dos túmulos de mais de 60 milhões de mortos, pareciam, para a próspera juventude ocidental, coisa banal, inerente à normalidade da vida. Pouca gente, além dos reacionários e dos eclesiásticos, pensou em lançar o alerta de que a ordem social se revelaria muito frágil na hora em que os ácidos do desejo adolescente carcomessem os seus alicerces.

Como quer que fosse, haveria uma pedra no meio do caminho: o fato inconveniente de que os seres humanos são mamíferos e perpetuam a espécie através da relação sexual. E o sistema reprodutivo humano é astuto: com o passar do tempo, ele vai derrotando a maioria dos métodos de contracepção (se a margem de falha é de "apenas" 10 por cento e você brincar com ela durante dez anos… bom, até mesmo um americano é capaz de completar esse tipo de cálculo). O resultado é que o aumento do controle de natalidade veio acompanhado de uma explosão de casos de gravidez não desejada: o aumento da promiscuidade ultrapassou até mesmo os progressos das técnicas de contracepção. Em meados da década de 1960, a barreira para a liberação sexual não eram mais os padres e os puritanos, nem o medo da desgraça social, mas uma safra constante de clamorosos bebês indesejados. O movimento progressivo para livrar o homem de qualquer obstáculo para os seus desejos se viu então confrontado de repente com um obstáculo puramente humano: a reverência que as mulheres grávidas sentiam pelos próprios filhos ainda não nascidos.

O movimento feminista, que no seu início tinha visto uma Susan B. Anthony chamar o aborto de “crime monstruoso que os homens impunham às mulheres”, passou a adotar a “ética” que Simone de Beauvoir plagiara do amante, Jean-Paul Sartre: a busca da autolibertação de qualquer vínculo social ou de qualquer influência externa, coisa que levaria as mulheres a reengenhar a sua sexualidade para torná-la igual à dos "playboys". O aborto, que antes era uma conveniência ilegal apoiada principalmente por homens solteiros e promíscuos, acabou virando um “direito humano fundamental” exigido pelas ativistas feministas, favorecido pela silenciosa filantropia dos controladores da população, tais como a Fundação Rockefeller, cujos relatórios alarmistas, com intensos matizes de eugenia, influenciariam o juiz Harry Blackmun no caso Roe versus Wade.

Assim como os proprietários de escravos encontravam “justificativas científicas” durante o Iluminismo para a prática imoral em que a sua própria “liberdade” se baseava, também os libertários sexuais procuram embasamento nos princípios do sub-humanismo moderno. O então cardeal Joseph Ratzinger explicou essa dinâmica no seu famoso ensaio "O Problema das Ameaças à Vida Humana", que traça o papel da liberdade mal interpretada na criação da nossa cultura da morte:

"Se olharmos rapidamente para a época moderna, veremos uma dialética que permanece vigente até hoje. Por um lado, a modernidade se orgulha de ter descoberto a ideia dos direitos humanos como inerentes a todo ser humano e com antecedência a qualquer lei positiva, além de ter proclamado esses direitos em solenes declarações. Por outro lado, esses mesmos direitos, reconhecidos como tais na teoria, nunca foram tão profunda e radicalmente negados na prática.

O dogma fundamental do Iluminismo afirma que o homem deve superar os preconceitos herdados da tradição: ele deve ter a ousadia de se libertar de todas as autoridades, a fim de pensar por conta própria usando nada além da própria razão.

A ideia do bem em si mesmo é retirada do alcance do homem. O único ponto de referência para cada pessoa é o que ela pode conceber por conta própria como sendo bom. Por conseguinte, a liberdade não é mais vista positivamente como um esforço pelo bem que a razão descobre com a ajuda da comunidade e da tradição; ela passa a ser definida como uma emancipação de todas as condições que impedem cada um de seguir a própria razão. Isso é chamado de ‘liberdade de indiferença’.

Um tipo individualista de antropologia, como vimos, nos leva a considerar a verdade objetiva como inacessível, a liberdade como arbitrária, a consciência como um tribunal fechado em si mesmo. Tal antropologia leva a mulher não somente a odiar o homem, mas também a odiar a si mesma e a sua feminilidade; acima de tudo, porém, a leva a odiar a própria maternidade.

Em termos mais gerais, esse tipo de antropologia leva os seres humanos a odiarem a si mesmos. O ser humano despreza o ser humano. Ele não é mais um ser conforme Deus, que olhou para a sua criação humana e achou-a "muito boa" (Gn 1,31). Pelo contrário, o homem de hoje se vê como o destruidor do mundo, como um produto infeliz da evolução. O homem que não tem mais acesso ao infinito, a Deus, é um ser contraditório, um produto que falhou. Vemos nisto a lógica do pecado: querendo ser como Deus, o homem procura a independência absoluta. Para ser autossuficiente, ele precisa se tornar independente, emancipar-se até mesmo do amor, que é sempre um dom da graça e não algo que pode ser produzido ou fabricado. Ao se proclamar independente do amor, no entanto, o homem se separa da verdadeira riqueza do seu ser e se torna vazio. A oposição ao seu próprio ser é inevitável. ‘Não é bom ser um ser humano’: a lógica da morte faz parte da lógica do pecado. O caminho para o aborto, para a eutanásia e para a exploração dos mais fracos passa então a ficar aberto".

Essa qualidade solipsista da moralidade do sub-humanismo, que consiste no “crie-seu-próprio-mundo-ex-nihilo", teria uma clara manifestação, um ano depois de Ratzinger escrever essas palavras, na lógica utilizada pela Suprema Corte dos Estados Unidos para ditar a sua decisão no caso Planned Parenthood versus Casey (1992), cuja passagem-chave diz: "No coração da liberdade encontra-se o direito de definir o próprio conceito de existência, de significação, de universo e do mistério da vida humana".

Vamos pensar durante um instante nesta afirmação. Será que esse "coração da liberdade" incluiria também o meu "direito" de definir "o meu próprio conceito" de liberdade? E se o meu conceito não corresponder ao seu? Qual deles merece prevalecer? E se cada um de nós definir o próprio conceito de significação, como é que vamos saber o que a decisão da Suprema Corte significa na hora em que a lermos? Se o meu conceito de "universo" é diferente do seu, conforme é “meu direito”, isso quer dizer que eu posso negar a existência da lei da gravidade e jogar você janela abaixo? De acordo com a Suprema Corte dos Estados Unidos, sim; desde que você ainda não tenha nascido.

O que a Suprema Corte apresenta como a nobre lógica da liberdade americana é, na verdade, pura tagarelice incoerente, revestida com a linguagem dos “direitos”: se fosse levada a sério, tornaria impossível não apenas governar, mas também comunicar-se e até mesmo pensar. É um engano plantado no voluntarismo. É a loucura que deriva da birra. É o que acontece quando o seu único axioma é "Não servirei".

Tags:
AbortoVidaVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia