Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 28 Janeiro |
São Tomás de Aquino
home iconEstilo de vida
line break icon

A ideologia sexualista proposta pela Organização Mundial da Saúde

© DR

Observatorio DSI Nguyen Van Thuan - publicado em 20/12/13

A Organização Mundial da Saúde pretende implementar a ideologia de gênero nas escolas e negociar a moral na educação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que os pais não são capazes de assumir a educação sexual dos seus filhos. Por isso, e para garantir níveis homogêneos de educação, a OMS elaborou o documento “Padrões para a educação sexual na Europa”, que institucionaliza a ideologia de gênero nas escolas e negocia a moral na educação.

Para compreender os pressupostos antropológicos desses padrões, é essencial ler as páginas introdutórias.

No começo do texto, usa-se uma terminologia enganosa. Fala-se de educação sexual “holística”, um termo belíssimo, porque (dado que “holístico” significa “unitário”) traz à mente a ideia de que tal educação se inserirá em uma visão unitária da pessoa humana, na qual a sexualidade é um aspecto fundamental, mas não independente.

Na verdade, a OMS utiliza o termo “holístico” de outra forma: “um enfoque holístico, baseado no conceito de sexualidade como um âmbito do potencial humano, ajuda crianças e adolescentes a desenvolver habilidades, a fim de capacitá-los a autodeterminar sua sexualidade e seus relacionamentos nos vários estágios de desenvolvimento. Um enfoque holístico permite que crianças e adolescentes possam viver a sexualidade e as relações íntimas de forma gratificante e responsável ao mesmo tempo”.

Encontramos, portanto, que na base da educação sexual da OMS há uma ideia de sexualidade entendida como “potencial”, ou seja, uma sexualidade que será determinada por cada sujeito.

Nós sempre acreditamos que Deus criou o ser humano como homem e mulher. Portanto, o homem não escolhe ser homem ou mulher, mas o é por natureza. Este fundamento da sexualidade faz parte da humanidade desde sempre, também independentemente das crenças religiosas, mas hoje já não é aceito como um dado real, mas negado pela visão sexual moderna.

Ser homem ou mulher não é mais o resultado de uma realidade que é dada, mas resultado de uma escolha. Os pressupostos deste documento, portanto, são os da ideologia de gênero.

O objetivo desta visão holística também é a criação de uma sociedade equitativa, que deve aprender a aceitar todos os tipos de sexualidade, inclusive, evidentemente, a homossexualidade. Este é o relativismo ético segundo o qual cada escolha é boa e deve ser respeitada, sempre que for uma escolha livre.

Em outra parte muito interessante do documento, afirma-se que, “nos países da Europa Ocidental, a introdução da educação sexual nas escolas coincidiu, em grande medida, com o desenvolvimento e a generalização do acesso aos anticoncepcionais modernos e fiáveis, em particular a ‘pílula’, assim como a legalização do aborto na maioria dos Estados nos anos 70 e 80. Estas inovações abriram novas oportunidades para separar a sexualidade da reprodução, dando passo, nos anos 70, à ‘revolução sexual’ e, junto a outros fatores, impulsionaram o processo de emancipação da mulher”.

Observa-se, portanto, um segundo ponto, que é a separação entre sexualidade e possibilidade de procriação. A mulher se emancipa quando consegue viver sua sexualidade sem o risco de ficar grávida.

Nós não podemos apoiar esta forma de pensar. De fato, a sexualidade, além de ser dada pela natureza, tem nela mesma, na relação sexual, a possibilidade de uma nova vida. Este fato está presente por “natureza”.

A visão moderna da sexualidade busca separar-se da natureza, isto é, da realidade original, já presente não só na diferenciação entre homens e mulheres, mas também na possibilidade da procriação.

Parece claro que, se os pressupostos são errôneos, também as consequências estarão equivocadas.

É interessante pensar em recuperar este aspecto da educação dos filhos, que provavelmente havíamos esquecido e que não podemos delegar a ninguém, nem à escola nem, muito menos, à OMS.

(Artigo de Paolo Pesce, publicado originalmente pelo Observatório Internacional Cardeal Van Thuan)

Tags:
Ideologia de GêneroSexualidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Robson de Oliveira
Reportagem local
Processo contra pe. Robson está arquivado definitivamente, notici...
2
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
3
ROSARY
Reportagem local
Exorcista alerta sobre os perigos de "falar" com os mortos
4
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
5
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia