Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Kim Ki-chang, um pintor cristão ao estilo coreano

@DR

Aleteia Vaticano - publicado em 12/01/14

Pela primeira vez no Museu Nacional de Seul, o artista que "traduziu" visualmente as cenas do Evangelho para o povo da Coreia

Para comemorar o centenário do nascimento de Kim Ki-chang, artista cristão falecido em 2001, o Ministério da Cultura sul-coreano dedicou a ele uma retrospectiva no Museu Nacional, em Seul, intitulada “Cristo e o cordeiro surdo”. É um fato inédito: o pintor é conhecido e respeitado no país, mas o caráter religioso da sua obra o tinha mantido longe dos edifícios estatais até agora.

A vida de Kim Ki-chang foi marcada, durante longo tempo, pela solidão e pela marginalização por causa da surdez, resultado da febre tifoide que ele contraiu aos oito anos de idade. Mas a arte e a fé cristã, legado de uma família devotíssima, o ajudaram a se expressar e a se afirmar numa das sociedades menos receptivas às pessoas com deficiência.

De acordo com Yi Joo-heon, diretor do Museu Nacional, o pintor quis “ler a vida de Cristo sem a lente ocidental, adicionando elementos da tradição coreana para transmitir a sua universalidade”.

Kim começou a pintar as principais cenas da vida de Cristo na década de 1950, quando a península estava sendo devastada pela Guerra da Coreia (1950-1953) e presenciava a morte de cerca de três milhões de pessoas; metade delas, civis. Também terrível era a perseguição contra a Igreja na parte do país que viria a se tornar a Coreia do Norte depois do armistício de 1953. Milhares de fiéis foram massacrados. Bispos, padres e freiras foram condenados à execução ou aos “lager”. As igrejas foram destruídas ou profanadas. Kim falava, em seu diário, de “uma nova paixão, um novo calvário para todos nós”.

O artista começou a tentar explicar aos coreanos o papel social, histórico e religioso de Cristo. Por isso, continua Yi Joo-heon, “ele representa Cristo com os paramentos dos estudiosos do período imperial Joseon, que vai de 1392 a 1910. Foi uma das formas de dar a Cristo a imagem do líder, reconhecível por todos. Da mesma forma, os soldados romanos que o prenderam durante a paixão têm as armaduras dos servos do império”.

http://lh6.ggpht.com/7emM-t4TcvoNP46jypegapsnIkrENqi5gelbALGEic0rzen3faJyir8mkaHAK9fSnI2bujQ9OhnWkqPOUKFzmGhhcglVaw=s720

A evangelização na Coreia começou graças a alguns filósofos e diplomatas que se converteram ao cristianismo em Pequim. De volta à terra natal, eles espalharam a fé e batizaram os primeiros catecúmenos.

De 1779 a 1836, quando os missionários franceses chegaram à península, o cristianismo chegou até a família imperial coreana: foi essa penetração que desencadeou a perseguição, mas a abertura para colaborar com a Igreja permaneceu. Nas perseguições, morreram mais de 10 mil mártires: deles, 103 foram beatificados em dois grupos diversos, em 1925 e em 1968. Todos foram canonizados juntos em 6 de maio de 1984, em Seul, pelo papa João Paulo II. Agora, a Igreja coreana espera a canonização de Paulo Yun Ji-chung e dos seus 123 companheiros assassinados por ódio à fé durante a perseguição Byeongin, na primeira e na segunda metade do século XIX. Eles foram proclamados Servos de Deus por João Paulo II em 2003.

No último meio século, a Igreja da Coreia do Sul, definida pelo padre missionário Piero Gheddo como o “verdadeiro tigre asiático”, tem experimentado um forte crescimento, relacionado também com o crescimento populacional. De 1960 a 2010, os cristãos passaram de 2% para 30% dos coreanos. Os católicos, nos últimos dez anos, passaram de 3 milhões para 5 milhões de fiéis. Cada paróquia tem de 200 a 400 batismos de conversos do budismo por ano. Na Coreia de hoje, quem se converte sabe que terá que se envolver em um dos grupos, associações ou movimentos paroquiais. O “católico passivo”, termo usado pelo papa Francisco em uma das suas homilias na Casa Santa Marta, não tem vez na Coreia do Sul.

http://lh6.ggpht.com/pCFZxSaFraXlDA_3SpxSMFzLelCZmrrZ1oU2Da1MtX0Wq3PXm0IRY_nHQiFJVu6Iy84B7V6B0FlieXcnLGbXUth2Y8EI=s720

Tags:
Arte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia