Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

União Europeia condena violência na Ucrânia

AP Photo/Alexander Zemlianichenko

Agência Brasil - publicado em 22/01/14

A Ucrânia tem passado por uma onda de protestos e confrontos nos últimos dois meses

A Alta Representante para a Política Externa da União Europeia (UE), Catherine Ashton, e o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, condenaram hoje (22) a escalada de violência na capital da Ucrânia, Kiev. Novos confrontos entre manifestantes e autoridades deixaram pelo menos três pessoas mortas. Na manhã desta quarta-feira, manifestantantes lançaram coquetéis molotov contra forças de segurança, que responderam com tiros de bala de borracha e granadas de efeito moral.

“Condeno veementemente a escalada de violência esta noite em Kiev”, disse Ashton, em comunicado também endossado pelo representante da Otan: “A violência nunca pode ser a resposta a uma crise política”, disse Rasmussen.

Desde domingo (19), mais de 200 pessoas ficaram feridas. O presidente do país, Viktor Yanukovich, ordenou que as autoridades conduzam investigações sobre as mortes de hoje. Ontem (21), o presidente se negou a receber um dos líderes da oposição, Vitali Klitschko, que, em contrapartida, se recusou a participar de uma reunião de trabalho para tentar solucionar a atual crise. Apesar da violência, o governo ainda não considera a possibilidade de decretar estado de emegência, na capital Kiev.

Em resposta aos últimos acontecimentos, os representantes do bloco europeu e da Otan pediram que o governo e a oposição dialoguem em busca do fim da violência no país.  Os Estados Unidos recentemente revogaram vistos de vários ucranianos envolvidos em atos violentos na capital.

A Ucrânia tem passado por uma onda de protestos e confrontos nos últimos dois meses, depois de o governo do presidente Viktor Yanukovich ter anunciado recuo em relação à associação do país à União Europeia, que deveria ter ocorrido no final de 2013. Oposicionistas ao regime acusam o governo de ceder às pressões da Rússia, aliada histórica da Ucrânia na região. 

Tags:
MundoPolíticaViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia