Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
São Martinho, Eremita
home iconEstilo de vida
line break icon

Início do ano escolar: como torná-lo mais agradável

النهار

LaFamilia.info - publicado em 23/01/14

Confira algumas dicas para viver bem esta etapa, um verdadeiro desafio para os filhos e também para os pais

É comum ver cenas de choro e birras nos primeiros dias de aula das crianças. Mas algumas delas vivem esta mudança com grande naturalidade e se adaptam facilmente à ideia de passar várias horas ao dia longe do seu lar e daqueles que cuidam dela.

As birras dos primeiros dias de aula se devem ao trauma da separação e isso é normal. Essa primeira separação é uma experiência ingrata, especialmente porque gera grandes temores em pais e filhos.

“O medo do desconhecido é um medo natural que sempre produz angústia. Esta situação sempre vai acontecer e não é negativa nem censurável. O ruim é não saber como enfrentá-la”, afirma a psicóloga María del Rosario Concha.

A dor da separação pode ser menor se os pais preparam o filho e lhe falam sobre a conveniência de frequentar a escola. “Usando algum conto, uma mãe, por exemplo, pode mostrar ao filho que, indo à escola, ele encontrará amigos, brincadeiras, atividades novas e divertidas. Isso poderá tranquilizá-lo e diminuir a dor de sair de casa”, diz Rosario.

Da mesma forma, é muito importante levar a criança várias vezes para passear na instituição antes do início do ano escolar, para familiarizá-la com as instalações e professores. Assim, a criança verá como é o ambiente e o início das aulas será menos estranho.

O psiquiatra Felipe Quiroga adverte que, quando se dá uma angústia exagerada pela separação, é preciso ver se há algo que não está funcionando bem. “Por exemplo, algumas crianças imaginam que, se forem ao colégio, um dos seus pais as abandonará, ou pensam que sua presença é indispensável em casa para manter os pais unidos.”

“Outro problema tem a ver com a ansiedade que algumas crianças desenvolvem devido a que seus pais são muito inseguros e veem perigo em todos os lugares, ou porque são superprotetores”, explica.

Além disso, pode acontecer que, durante o trauma da separação, ressurjam sintomas regressivos, como fazer xixi ou cocô nas calças, chorar mais do que de costume, chupar mais o dedo etc. Alguns especialistas consideram que estas regressões são normais e desaparecem quando a criança recebe a ajuda necessária para vencer seus medos.

Para que a angústia da separação seja o menos traumática possível, os especialistas dão algumas dicas:

– Acompanhar a criança por um tempo durante os primeiros dias de aula. O professor orientará os pais para que comecem a deixar a criança sozinha aos poucos; mas este processo não pode se prolongar demais, para que a separação não seja tão angustiante para ambos.

– Despedir-se sempre da criança. É conveniente explicar-lhe que ela estará na escola e que voltarão para buscá-la, mostrando sempre tranquilidade no rosto e nas palavras.

– Procurar sempre ser pontual e, assim, evitar que a criança se sinta abandonada.

– Deixar a criança levar à escola algum objeto que tenha conotação afetiva para ela, para que sirva de transição entre a sua casa e a escola. Isso a ajudará a sentir-se mais segura e, ao abraçar o objeto, sentirá o calor do seu lar. À medida que se sentir mais segura e for conquistando mais autonomia, chegará o momento em que ela mesma decidirá deixar o objeto.

Tags:
EducaçãoFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
4
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia