Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pode sair algo bom do fracasso?

© DR
Compartilhar

Haja o que houver, o importante é jamais soltar a mão de Jesus

Sucesso e fracasso fazem parte da nossa vida. O primeiro mês do ano está terminando e sabemos que o ano todo estará cheio de vitórias e derrotas. Muitas pessoas, no início do ano, nos desejam sucesso, mas talvez isso não seja o mais importante. O fracasso também faz parte da nossa vida e costumamos crescer mais nas derrotas que nas vitórias.
 
Esta é a vida que temos diante de nós. Do nosso presente e do nosso futuro. Às vezes nos assustamos com o futuro justamente porque temos medo de fracassar e não conseguir o que desejamos. Sonhamos com o sucesso e achamos que ele é um direito. Achamos que merecemos que as coisas saiam bem e que tudo dê certo. Mas não é bem assim. Cada sucesso, cada vitória, é um dom de Deus, uma graça. E cada derrota é uma oportunidade para crescer, para superar nossos limites.
 
Mas às vezes nos esquecemos do essencial: tudo é graça. E cada queda é uma oportunidade para subir mais alto, um degrau a mais, um trampolim. O Pe. Kentenich nos recorda isso: “O triunfo cristão é sempre uma cruz que ao mesmo tempo é bandeira de vitória. Contemplem a vida dos santos”.
 
E é verdade: os santos viveram o sucesso e o fracasso em suas vidas. Ao vivenciar a derrota, a injustiça, a solidão e o desprezo, eles souberam ver a vitória de Cristo por trás da escuridão. Souberam levantar-se e continuar lutando quando as forças diminuíam. Souberam agarrar a mão de Cristo, que os sustentava quando já estavam a ponto de cair. Confiaram, contra toda esperança, em que Jesus sempre vence no final e por isso não desanimaram.
 
Hoje, vemos os santos e confiamos. Eles aprenderam no sucesso e no fracasso, porque o importante, haja o que houver, é jamais soltar a mão de Jesus.
 
Muitas vezes, nós nos centramos somente no que está mal, no que não funciona, nas feridas da alma. E isso é normal, porque somos perfeccionistas, nos incomodamos com as manchas. Então, nossa luta ascética se centra em evitar o pecado, em lutar contra ele, em impedir que ele surja novamente em nossa vida.
 
Mas quem só quiser evitar o pecado, cairá nele. O tom essencial deve ser a magnanimidade. A magnanimidade nos convida a cultivar uma alma grande, a sonhar alto, a não nos conformarmos apenas com não pecar. Sem obsessões com eliminar o pecado, e sim visando os ideais que incendeiam o coração.
 
O Pe. Kentenich acrescenta: “A pedagogia dos ideais me impulsiona ao alto, a fazer as coisas não porque ‘tenho de fazer’, mas porque ‘posso fazer’. Acendamos uma grande luz, para expulsar e superar as coisas negativas. O homem não suporta por muito tempo fazer tudo por obrigação. Por natureza, o ser humano precisa de amor”.
 
Precisamos de amor para voar alto, para confiar, para acreditar que podemos esperar sempre mais, sem prestar tanta atenção nas quedas, e sim visando os cumes que nos fazem crescer.
Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.