Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 22 Setembro |
home iconEstilo de vida
line break icon

Quando nem sequer o aborto puder mais ser criticado…

AFP PHOTO ALAIN JOCARD

FRANCE, Paris : French president Francois Hollande gives a press conference to present his 2014 policy plans, on January 14, 2014 at the Elysee presidential palace in Paris. This high-profile press conference was initially expected to culminate with a key announcement on reforms to spur economic growth and create jobs but it is yet mostly seen as his first public appearance since news of his alleged affair with a French actress became public. AFP PHOTO ALAIN JOCARD

Massimo Introvigne - publicado em 28/01/14

Temos também o “mau exemplo” da Espanha, que está se preparando para introduzir algumas restrições ao aborto. Outra ministra francesa, a da Saúde, Marisol Touraine, filha do famoso sociólogo Alain Touraine, convocou os franceses à “mobilização” contra o projeto de lei espanhol. Tempos atrás, mobilizar um país contra uma lei de um país vizinho era causa de ruptura de relações diplomáticas, ou coisa até pior. Mas os tempos mudaram e, de qualquer forma, a ministra não está se importando com isso.

Para evitar qualquer tipo de “contágio espanhol”, foi introduzida na França uma segunda alteração na lei do aborto. Já era proibido “obstaculizar o aborto” fisicamente. Agora, também é proibido “obstaculizá-lo psicologicamente” e interferir “no direito da mulher a obter informações sobre o aborto”. Entenda-se, no caso, informações que a levem a abortar. Essa lei visa impedir, justamente, que ela receba informações contrárias ao aborto. Lendo os trabalhos preparatórios, entende-se que a intenção do legislador é proibir que os hospitais apresentem às mulheres alternativas ao aborto; proibir, nos hospitais, a circulação de voluntários dos centros de apoio à vida; e proibir que, mesmo fora e nas proximidades dos hospitais, se realizem protestos ou se forneçam às mulheres informações favoráveis à vida. Sobre isso, a ministra Vallaud-Belkacem foi clara: os ativistas pró-vida que se manifestarem nos arredores dos hospitais, ou, pior ainda, dentro deles, devem ir para a cadeia. Por outro lado, ela afirmou que as marchas pela vida e outras manifestações genéricas contra o aborto, desde que não se apresentem como informações oferecidas às mulheres grávidas, ainda poderão ocorrer.

Mas resta uma área de sombra. Hoje, a maioria das pessoas tem smartphones, quando não um computador tablet, incluindo as mulheres que vão ao hospital para abortar. Elas poderiam, com esses aparelhos, receber informações que as convencessem a renunciar ao aborto, não por “visita direta” de algum ativista, mas via internet. Só que, antes mesmo de aprovar a nova lei, o governo francês fez uma campanha maciça para "saturar" a internet e os sites de busca com propaganda pró-aborto, marginalizando os sites pró-vida. E agora, pelo menos na interpretação menos reconfortante da lei, quem administra esses sites pró-vida corre o perigo de pegar dois anos de cadeia, que é a pena prevista para quem "obstaculiza psicologicamente" o aborto.

As duas alterações na lei francesa estão conectadas. Se o aborto não é um drama e não deriva de uma dificuldade, mas é uma das duas opções normais de uma mulher grávida e um direito fundamental de todas as mulheres, então “é claro” que atacar tal “direito” deve ser proibido. Assim como deverá ser proibida a objeção de consciência por parte dos médicos: esta será a próxima etapa, já anunciada pelas organizações abortistas francesas.

A lei foi aprovada em primeira votação, mas aguarda a segunda. Em 19 de maio passado, quarenta mil pessoas marcharam em Paris em defesa da vida, protestando principalmente contra essa lei, apoiadas por uma mensagem do papa Francisco que "assegurou a sua proximidade espiritual" a todos os participantes.

O laicismo italiano, desde os tempos do Iluminismo e da Revolução Francesa, costuma imitar as piores ideias francesas com alguns anos de atraso. Temos que começar a nos preocupar também. Se for aprovada aqui na Itália a lei contra a homofobia, o próximo passo será proibir os italianos de criticar o aborto.

  • 1
  • 2
Tags:
AbortoMundoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
2
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
3
HOLY COMMUNION
Reportagem local
A Santa Missa não pode ser trocada por orações pessoais: sem ela,...
4
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
5
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
6
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Reportagem local
Milagre do sangue de São Januário volta a ser registrado em Nápol...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia