Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As 3 lições do especulador vomitado pelas finanças

MEHDI-FEDOUACH/AFP
Compartilhar

Ele se prepara para enfrentar o seu último julgamento, que pode lhe custar 5 anos de cadeia e uma multa de mais de 15 bilhões de Reais

O francês Jérôme Kerviel (37 anos) se define como “o monstro criado e vomitado pelas finanças”. De celebridade entre os jovens traders (corretores da Bolsa de Valores) da década passada, passou a ser pivô de um rombo de 5 bilhões de Euros, uma cifra superior ao Produto Interno Bruto de países como o Zimbábue ou o Togo.

No momento em que ele se prepara para enfrentar o seu último julgamento, que pode lhe custar 5 anos de cadeia e uma multa no mesmo valor de 5 bilhões de Euros, a Aleteia o entrevistou para que ele compartilhasse algumas lições que o mundo precisa compreender com urgência.

Primeira lição: a ética não é sinônimo de lucro

Enquanto os investimentos de Jérôme Kerviel davam lucros, ninguém lhe perguntava se era ético especular contra empresas (e o emprego de seus trabalhadores) ou contra moedas (e os habitantes de seus países).

Mas quando os investimentos de Kerviel provocaram perdas astronômicas, então o juízo ético do sistema foi tão forte quanto a catástrofe registrada.

Segunda lição: todos criticam, mas ninguém age

Como explica o próprio Kerviel, após o estouro da crise financeira mundial, a reação do mundo político e econômico reduziu-se a críticas e advertências. O corretor explica que acontece algo parecido com a crise ecológica: “todo o mundo compreende que corremos para a catástrofe, mas não mobiliza a energia suficiente para uma mudança coletiva e reformas profundas”.

Kerviel reconhece suas faltas e responsabilidades, mas seria ilusão pensar que com a prisão do “bode expiatório” teríamos resolvido o problema.

Terceira lição: o Papa Francisco apresenta o caminho

Kerviel escolheu um meio católico para oferecer sua entrevista, pois considera que atualmente o Papa é a única autoridade moral que, com palavras e ações, é coerente para tirar as lições da crise ética que foi a causa da crise financeira mundial.

O corretor faz um exame de consciência e reconhece também que sua fé vacila diante da chegada da prisão. Mas, para ele, Francisco “é a imagem de um farol que mostra o caminho, a única forma de moralizar o sistema e de acabar com a insuportável relegação da pessoa ao segundo lugar”.