Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 27 Julho |
São Galactório
home iconAtualidade
line break icon

É certo trabalhar para um agiota?

© Ljupco Smokovski / Shutterstock

Julio De la Vega Hazas - publicado em 10/02/14

Se eu não faço nada de errado, mas coopero com o mal que outros fazem, o que devo fazer?

Uma pergunta de um leitor chileno: “Alguém poderia me dizer o que acontece quando um católico trabalha para um prestamista (agiota)? Está pecando ou não, já que é somente um funcionário?”.

Esta questão pode se estender a qualquer emprego que suponha uma colaboração com algo imoral. Não se trata de que a empresa cometa irregularidades ou um setor da sua atividade seja imoral (o que exigiria uma análise à parte), mas que sua própria atividade, ou sua atividade principal, seja imoral. Este é, evidentemente, o caso de um agiota.

Quando o trabalho desempenhado não é em si mesmo imoral (por exemplo, a função de contador), estamos em uma situação de cooperação com o mal. Não se realiza propriamente um mal, mas o que se faz coopera com o mal que ali se exerce.

O princípio geral é que não se deve cooperar com o mal. Quando há bens em jogo ao fazê-lo, e sempre que as próprias ações não constituam uma imoralidade, é preciso estudar o tipo de cooperação, a necessidade dela e os bens em jogo.

Como não se trata aqui de fazer um estudo aprofundado sobre a cooperação com o mal, mas somente responder a uma pergunta concreta, eu me limitarei ao caso em questão.

Suponhamos que o propósito que motiva quem trabalha seja, como costuma ser habitual, o próprio sustento e o da sua família, e que se depende do salário para viver. O que é necessário, aqui, é procurar outro emprego (não se pode permanecer ao serviço de um negócio assim), ainda que a necessidade de proporcionar o sustento familiar motive a que, enquanto isso, se permaneça com esse trabalho.

Mas entenda bem: isso não significa uma licença para continuar enquanto não aparece outra coisa, mas o dever de buscar, o quanto antes, um lugar mais digno para se trabalhar. Um cristão não pode ser cúmplice de um agiota.

Tags:
Trabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia