Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

“Você tem que fazer isso”

© Pascal DELOCHE / GODONG
Compartilhar

Reflexões sobre o acompanhamento espiritual

Às vezes, encontro pessoas que parecem ter muito claro o que é preciso fazer. Emanam segurança e é como se me dissessem em cada comento: “O que você tem que fazer é isso”. Tanta segurança assim realmente é um presente para eles. Mas o que me maravilha é que saibam inclusive o que me convém. Talvez isso seja um dom dado por Deus, sei lá.
 
Pessoalmente, acho difícil ver a vida assim. Tenho minhas certezas e também minhas dúvidas. Aconselho sem pretender que façam exatamente o que eu digo; às vezes vejo as coisas com clareza, mas outras vezes, não. Mas eu jamais diria a uma pessoa: “O que você tem que fazer é isso”. Não sei, são formas de ser, manias, e eu respeito. Mas não é meu estilo.
 
Talvez eu esteja exagerando, porque há pessoas que esperam que lhes digam isso, para ficar tranquilas e fazer o que precisam fazer sem titubear a cada passo, sem deixar-se levar pelos medos. Talvez assim já não temam equivocar-se, porque, neste caso, quem se equivoca é quem manda, não quem obedece. Alguns inclusive chegam a pensar que o que eu lhes sugiro fazer vem de mim, quando, na verdade, estou apenas assentindo ao que eles querem. Talvez seja sua defesa, sua segurança.
 
Na verdade, eu não acho que a vida se resolve assim tão facilmente. Normalmente caminhamos entre as luzes e as sombras dos bosques, atravessamos portas que só nos permitem ver uma fresta, lidamos com os perigos da vida e, sobretudo, confiamos.
 
Sim, confiamos em um Deus que permanece oculto e finge um encontro casual; em um Deus que nos ama e não desce nunca da nossa cruz. É por isso que a cruz chega a ser uma bênção. Porque nela Cristo nos abençoa, porque seu amor se derrama a partir das suas chagas abertas.
 
Enquanto isso, avançamos lentamente, com perguntas e respostas, decifrando enigmas. Buscamos as pegadas de Deus, um pouco ocultas na vida. Entre sombras. Com medos e dúvidas. Com raios de luz que iluminam a senda, que dão esperança, que mostram o caminho. É a luz da fé, da esperança, do amor, a única luz que nos ajuda a caminhar e esperar.
 
A vida é assim. Uma luz que irrompe no meio de uma noite de dúvidas. E nossas perguntas nos fazem parar para buscar respostas. A vida é simples. E, ao mesmo tempo, complexa.
 
A felicidade consiste em saborear a paz que dá saber que percorremos o caminho que Deus quer para nós. Passo a passo, seguindo suas pegadas, fazendo nossos os seus sentimentos, comportando-nos como Ele se comportou, amando como Ele o fez, até a cruz, até a morte. Fazendo que a luz se imponha na noite. Resolvendo dúvidas na luz do amor. Simples assim, complexo assim.

Tags:
cruzVida
Aleteia Top 10
  1. Lidos