Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

Vacinação transparente

© luchschen/SHUTTERSTOCK

Robson Oliveira - publicado em 17/02/14

Campanha de vacinação contra o HPV começa em março

O Ministério da Saúde pretende iniciar em março de 2014 a maior ação de vacinação contra o Papiloma Vírus Humano (HPV) do país. Pretende-se imunizar mais de 5 milhões de meninas até o final do ano com a vacina Gardasil, da fabricante multinacional Merck Sharp & Dohm. Para alcançar tal penetração, pretende-se estender os postos de vacinação até escolas privadas e públicas do país. O objetivo principal é atingir meninas entre 11 e 13 anos, diminuindo a faixa etária para meninas de 9 anos, em 2015. Contudo, apesar do elogio necessário à iniciativa do governo, algumas questões precisariam ser esclarecidas pelo ministério, antes do início da vacinação em março.

O maior problema é que não há resultados científicos suficientes para garantir a eficácia da vacina Gardasil no combate ao HPV. De acordo com pesquisas de diversos institutos no mundo, inclusive no INCA, “o câncer é um desfecho raro, mesmo na presença da infecção pelo HPV”, pois o vírus não é suficiente para produção do tumor. As informações divulgadas pelo INCA indicam que, quando há condições clínicas necessárias em conjunto com o vírus HPV, em apenas 5% dos casos desenvolve-se o câncer cervical; e nos casos em que as mulheres são infectadas mas possuem idade inferior a 30 anos (justamente a faixa etária atingida pela vacinação), a doença regride espontaneamente.

Além disso, a vacina produzida pela multinacional perde sua eficácia depois de 4 anos. Não, não se trata de questões metodológicas ou epidemiológicas intrincadas, não é uma questão disputada. É a própria bula do medicamento (que qualquer um pode achar com uma busca simples na internet) que adverte que, após a terceira dose da vacina, a paciente estará novamente vulnerável ao vírus HPV após esse período. Isso quer dizer que a menina que terminou a vacinação com 15 anos, aos 19 estará novamente vulnerável ao vírus; e aquela que começou a ser vacina aos 9, aos 15 poderá ser vítima do HPV. Por que impor uma campanha de vacinação tão agressiva se o produto raramente produz o que promete, e mesmo quando atinge seu objetivo, seus efeitos cessam ordinariamente 4 anos depois da última dose, deixando as pacientes desprotegidas?

O preço das vacinas também exige uma reflexão. Segundo as informações divulgadas pelo ministério nos meios de comunicação, cada dose da vacina custará R$ 31,02 aos cofres brasileiros e, nas clínicas particulares, cada uma não seria vendida por menos de R$ 330,00. Contudo, em 2013, o NY Times divulgou notícia em que a presidente da divisão de vacinas da Merck, Dra. Julie Gerberding, afirmou que o custo da vacina é de US$ 4,50 (cerca de R$ 10,80). Conhecendo esses dados, não parece que o governo fez um bom negócio, como tem alardeado. Pelo contrário, fez um negócio muito lucrativo para a multinacional, não é?

Também há rumores de que a vacina está relacionada com diversos malefícios, como paralisias, falência uterina, má formação congênita dentre outros. De fato, em 2008, nos EUA, houve 32 mortes de adolescentes relacionadas à vacinação. Em 2010, a CDC – Centers for Disease Control and Prevention (cuja presidente era a Dra. Gerberding) disse que não houve provas incontestáveis de que as mortes estariam ligadas à vacina Gardasil. Tudo isso fica ainda mais preocupante quando uma das cientistas responsáveis pelo estágio 2 e 3 da vacina Gardasil, a Dra. Diane Harper, declarou em reportagem à americana CBS que “os pais e mulheres devem saber que houve mortes” antes de submeterem-se e aos seus ao tratamento.

Em meio a tanta querela, outros fatos podem ajudar a entender o que está em jogo:

1. Em maio de 2013 um departamento da justiça americana – Department of Health and Human Services (HHS) – anunciou mais de 5 milhões de dólares como indenização para 49 vítimas de danos supostamente provocados pela vacina contra HPV. Por essa razão e pelos inúmeros casos obscuros com a administração da vacina, poucas pessoas se submetem ao produto naquele país.

2. Em 2011, alguns médicos franceses sugeriram que fosse suspensa a vacinação com Gardasil, em razão de suspeita de envenenamento por alumínio, componente da vacina.

3. Em 2010, a Índia suspendeu seu programa de vacinação contra HPV utilizando Gardasil. Há notícias de que a decisão, depois de muita controvérsia, ocorreu por causa da morte de 4 meninas decorrentes de complicações ocorridas após a exposição ao produto.

4. Em 2013 o Japão suspendeu a vacinação em suas crianças, alegando que são necessários maiores estudos acerca da eficácia da vacina contra o vírus HPV. Fala-se de efeitos adversos em algumas pacientes, como infertilidade e paralisia parcial.

Bem, a história da ciência recente registra não poucos problemas relacionados à indústria farmacêutica e a sociedade. Com efeito, se há uma característica na nova filosofia da ciência, inaugurada na década de 1960, é a inextrincável unidade entre a sociedade, mantenedora e termo final da ciência, e a prática científica e seus interesses.

A sociedade brasileira está descrente dos órgãos públicos e de seus representantes. A decisão do Ministério da Saúde de fazer uma campanha de vacinação tão agressiva, atingindo crianças e adolescentes, não minora essas suspeitas. O fato de o governo escolher para essa ação um produto tão cercado de controvérsias só aumenta a insatisfação. Pagar 300% do preço de custo da vacina também não ajuda nada. Seria muito bom que o Ministério da Saúde explicasse para as famílias brasileiras alguns desses pontos, antes de expor a população a esse produto farmacêutico. Não se trata de fazer campanha contra a vacinação. Antes, trata-se de agir em favor das famílias brasileiras, dando-lhes informações plurais para que decida o melhor para suas filhas.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
BrasilSaúde
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia