Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Coreia do Norte acusada por crimes contra a humanidade

The three dictators – pt

© Public Domain

Aleteia Brasil - publicado em 19/02/14

ONU compara crimes coreanos aos cometidos durante a Segunda Guerra

Na última segunda-feira (17), a ONU acusou a Coreia do Norte de ter realizado crimes contra a humanidade por meio de “violações sistemáticas, difusas e graves dos direitos humanos”.

O documento, de 372 páginas, recolhe testemunhos de cerca de 320 pessoas, entre ex-detentos dos campos de concentração e prisioneiros políticos cuja existência é negada pelo regime de Pyongyang, mas as imagens de satélites comprovam os fatos. Segundo investigadores, cerca de 80 a 120 mil pessoas são atualmente prisioneiras em quatro grandes campos.

O documento informa que centenas de pessoas morrem em condições atrozes: “privação deliberada de alimento, trabalho forçado, execuções, torturas, privação do direito de reprodução, abortos forçados e infanticídios”. Esses crimes são comparados aos cometidos pelos nazistas no período da Segunda Guerra Mundial.

O presidente da comissão, o australiano Michael Kirky, pretende apresentar a situação à Corte Penal Internacional, afirmando que “a gravidade, amplitude e natureza destas violações mostram um país sem nenhum equilíbrio no mundo atual”.

A condenação é unânime da parte dos países da ONU, exceto pela China, que mantem a aliança com a Coreia do Norte e a defende, fato que pode impedir a chegada do apelo à Corte Penal Internacional. Várias associações a favor dos direitos humanos exortaram a China a não opor o veto e os investigadores advertiram Pequim sobre a possibilidade de acusação de “cumplicidade de crimes contra a humanidade”, caso reenvie os exilados à Coreia do Norte.

Giorgio Cuscito, estudioso de geopolítica chinesa e colaborador da revista italiana Limes, disse, em entrevista à Aleteia, que Pequim pode ajudar a Coreia do Norte a melhorar sua situação em relação ao tema de direitos humanos, evitando assim processos internacionais. Pequim pode convencer a Coreia do Norte a melhorar a condição dos detentos e também de seus próprios cidadãos.

Desde que Kim Jong-un assumiu o poder na Coreia do Norte, notícias sobre prisões, torturas e mortes têm se tornado cada vez mais frequentes. Entre elas, a execução do seu próprio tio, Jang Song Thaek, e toda a sua família, sob as ordens do líder coreano. 

Neste vídeo, ex-prisioneiros expõem o horror da vida dentro dos campos de prisão na Coreia do Norte.

Tags:
História da IgrejaPolítica
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia