Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 03 Março |
Santa Cunegundes
home iconAtualidade
line break icon

Queremos ser uma Coreia do Norte com crucifixos?

Thaths

John Zmirak - publicado em 28/02/14

Um país drogado e as tentações de desdrogá-lo à força

Vamos imaginar que a grande maioria dos nossos cidadãos sejam fumantes habituais de maconha. Imagine que alguns deles conseguem se segurar no emprego e parecem ir levando a vida sem maiores problemas. Outros já estão grosseiramente debilitados pelos efeitos entorpecentes e soporíferos da droga fumada todo dia. A produtividade no trabalho cai, é claro, e muitos aspectos da nossa cultura acabam prejudicados: afinal, é muita gente, em seus melhores e mais criativos anos de trabalho, vivendo uma "meia-idade relax", regada a erva e fumaça. O uso da maconha penetrou tanto na sociedade que qualquer ideia de proibi-la faria todo um salão rir da sua cara (e todo um escritório propor que você fosse mandado embora). No entanto, 5% da população desse país imaginário sabe a verdade sobre a maconha. Essa minoria se absteve de fumá-la. Alguns até sussurraram que a maconha deveria ser declarada ilegal, mas ninguém os levou a sério.

Esse país imaginário, mesmo assim, enfrentaria problemas muito maiores do que a maconha. Imagine que, além da maioria absoluta de fumantes habituais da maconha legalizada, houvesse ainda uma grande quantidade de viciados em heroína, igualmente legalizada. Esses usuários abusariam da heroína a tal ponto que um milhão de cidadãos morreriam de overdose todo ano. Os efeitos da heroína seriam tão abertamente devastadores que a metade dos cidadãos se oporia ao seu uso. A opinião pública estaria propensa a proibir a droga. Metade dos próprios fumantes de maconha concordaria em proibir a heroína. Imagine que alguns dos fumantes de maconha até se juntassem a um movimento organizado para tornar a heroína ilegal. Esse movimento seria liderado por pessoas que não usam nem mesmo a maconha, porque consideram que ela também é destrutiva.

Agora imagine as tensões existentes dentro desse movimento. Os abstêmios totais estremeceriam toda vez que os seus aliados fumantes de maconha saíssem de alguma reunião para fumar um pouco lá fora. E, muito provavelmente, tentariam dizer a esses aliados: “Veja só, todos nós concordamos que a heroína é ruim. Mas a maconha também é um problema, e um problema maior do que vocês pensam. Fumar maconha pode ser a porta de entrada para a heroína”. Os fumantes ficariam quietos e continuariam trabalhando lado a lado com os abstêmios para resolver o problema da heroína, que é mais urgente e mais mortal, e deixariam a conversa sobre a maconha para outros momentos, mais privados, com pessoas em quem eles tivessem mais confiança e mais familiaridade. Essas pessoas de confiança é que poderiam convencer alguns dos aliados adeptos da maconha a optarem de uma vez por todas pela sobriedade completa.

A única coisa que os membros sóbrios do movimento de combate à heroína sabem que não podem fazer em quase nenhum contexto é afirmar que a sua agenda acabará levando também à proibição da maconha. Enquanto trabalham com seus aliados “ligeiramente chapados” a fim de (tentar) salvar um milhão de vidas por ano, eles podem, de vez em quando, soltar um panfleto aqui, outro panfleto ali, sobre o lado negativo da maconha. Mas, se no mais profundo do seu coração eles sonham com o dia em que todos os traficantes de maconha vão estar atrás das grades, esse sonho fica por lá mesmo: dentro do seu coração. Eles sabem que proibir uma droga mortal é muito mais importante do que ficar apresentando argumentos intelectualmente consistentes para livrar o país de todas as drogas mediante as armas e as cadeias do Estado. Eles sabem que, neste país viciado, falar em proibição total soaria utópico na melhor das hipóteses e ditatorial na pior delas.

  • 1
  • 2
Tags:
DrogasPecadoVícios
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
3
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
4
Kathleen N. Hattrup
O homem que beijou a testa do Papa diz que se curou em Lourdes
5
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
6
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
7
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia