Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 22 Setembro |
São Lauto ou Laudo
home iconReligião
line break icon

Jesuítas: 200 anos da restauração

Jeffrey Bruno

IHU - publicado em 06/03/14

A Companhia se ocupava massivamente de educação, escolas e universidades. A presença dos jesuítas nesses campos tinha se espalhado de um lado a outro da Europa

Reportagem de Francesco Peloso, publicada no blog Vatican Tabloid, 01-03-2014. Tradução é de Moisés Sbardelotto, na IHU On Line

Duzentos anos atrás, em 1814, a Companhia de Jesus era reconstituída depois de ter sido suprimida e dispersa ao longo de algumas décadas. Foi Pio VII que restituiu aos jesuítas o seu papel e liberdade. Às suas costas, estava talvez o período mais duro da história da Ordem, o posterior à supressãoproclamada por Clemente XIV com a bulaDominus ac Redemptor em 1773.

A data está no centro de estudos e de celebrações, até porque se trata de uma passagem histórica que diz respeito a toda a Igreja, aprofundado somente em parte por pesquisadores e estudiosos. Mas, sem dúvida, o fato de que a 200 anos desse renascimento tenha sido eleito o primeiro papa jesuíta da história, além do mais proveniente da América do Sul, não é um elemento secundário nessa renovada atenção com relação às vicissitudes da Ordem fundada por Santo Inácio de Loyola.

Segundo o Pe. Gianpaolo Salvini, ex-diretor da revista La Civiltà Cattolica, a secular revista dos jesuítas italianos, "o período da supressão da Companhia de Jesus é um período histórico relativamente pouco estudado pelos próprios historiadores jesuítas. Provavelmente, um certo pudor influenciou ao lidar com uma página dolorosa da vida da Ordem, e também a dificuldade de decifrar plenamente as complexas causas que levaram à sua dissolução em 1773".

"A Ordem, de fato – acrescenta Salvini –, no momento da sua supressão, contava com cerca de 5.000 jesuítas a mais (mais de 22 mil) do que conta hoje, depois da diminuição das últimas décadas, e parecia bem sólida".

Portanto, é "também por isso que os jesuítas da época foram pegos de surpresa e não se deram conta do que estava acontecendo às suas custas". "Atingindo-os – afirma o jesuíta – certamente se queria enfraquecer a Igreja e um órgão universal, como era também a Companhia, na época do nascimento dos Estados nacionais". "Os jesuítas, ou muitos deles – destaca o religioso – também eram homens de fronteira e estavam envolvidos em polêmicas de todos os tipos".

Daí a oportunidade de "retomar e aprofundar os estudos históricos a respeito, até para que a história não passe em vão. Essa época já está fechada e, por isso, deveria ser possível compreender, com a calma necessária, os seus episódios, motivações e lições certamente interessantes também para um mundo tão diverso como o nosso".

Companhia de Jesus representava, sem dúvida, na segunda metade do século XVIII, uma das expressões mais fortes e difundidas no mundo da universalidade da Igreja e, portanto, também direta ou indiretamente, do seu poder. Nas décadas que vão de 1750 até cerca do fim do século, o Iluminismo conheceu a sua fase de floração mais ampla, entrou nas cortes reais europeias, acendeu debates, espalhou-se entre as camadas burguesas.

A França passaria pela fase revolucionária e, depois, a napoleônica, abrir-se-ia um ciclo de mudanças que abrirá as portas para a modernidade. É neste contexto que os jesuítas começaram a ser contestados, juntamente com outras instituições eclesiais como a Inquisição, só que a Companhia se ocupava massivamente de educação, escolas e universidades. A presença dos jesuítas nesses campos se espalhou de um lado a outro da Europa e era muitas vezes julgada como de grande qualidade, mas o impulso para libertar a educação da sua presença foi uma das razões fundamentais que induziram os Estados para expulsá-los.

Mas a Ordem, com os seus homens, os seus capelães, também estava dentro das cortes onde os jesuítas eram reputados como intrigantes e manipuladores, e tornaram-se o símbolo de um poder eclesial tão refinado quanto insidioso, e capaz de construir conspirações e complôs.

  • 1
  • 2
Tags:
HistóriaReligiosos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
2
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
3
HOLY COMMUNION
Reportagem local
A Santa Missa não pode ser trocada por orações pessoais: sem ela,...
4
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
5
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
6
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Reportagem local
Milagre do sangue de São Januário volta a ser registrado em Nápol...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia