Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Sálvio
home iconEstilo de vida
line break icon

Você já deixou de sentir sede?

wavebreakmedia

Carlos Padilla Esteban - publicado em 24/03/14

Às vezes é mais cômodo viver a escravidão sem amor do que amar na liberdade

Quando desconhecemos o que é preciso mudar, não avançamos. Pensamos que tudo está bem assim como está. Mas, na verdade, não sabemos em que direção caminhamos. Nós nos cansamos, temos sede, buscamos, sonhamos.


Pode ser que vejamos muitas coisas a serem mudadas e não saibamos por onde começar. E nunca começamos. Sonhamos com o céu sem levantar voo. O esforço nos custa. Como dizia Gabriel García Márquez: “Aprendi que todo mundo quer viver no topo da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na maneira de subi-la”.


Queremos já estar no topo, sem luta, sem ter de sofrer a dureza e a sede do caminho. Não é assim. É preciso aprender a desfrutar também o caminho e a sede. Mas nos assusta a ideia do esforço e da necessidade de mudança. Por isso, nós nos acostumamos com a vida, e mudar nos parece uma quimera, um esforço absurdo. A escravidão é mais cômoda que a liberdade.


A mulher samaritana que tirava água do poço era uma mulher ferida e escrava: teve cinco maridos. Estava ferida no amor, no mais profundo. Buscava água para acalmar sua sede. Vivia escrava de si mesma. Cinco maridos e um amante.


Ela talvez vivesse a vida que não havia sonhado, que não havia querido. Apenas sobrevivia. Muitos fracassos e sensabores. Talvez sua dor fosse tão profunda, que nenhuma água era capaz de aliviar. Uma mulher desprezada, rejeitada, à margem do caminho.


Jesus olha para ela de um jeito novo; reconhece-a sem jamais tê-la visto antes. Vê sua beleza interior, sua alma pura, sua verdade.


O povo de Israel também havia sido um povo escravo. Deus o libertou, acreditou nele, viu sua verdade. Caminhando pelo deserto, os israelitas sentiram sede e clamaram a Deus: “Tu nos fizeste sair do Egito para fazer-nos morrer de sede, nós, nossos filhos e nosso gado?”. Na escravidão, não tinham liberdade, mas não padeciam necessidades, não sentiam sede nem fome. Na liberdade do deserto, sofreram, padeceram.


A mulher samaritana, em sua ferida de amor, tem uma sede eterna. É escrava e tem seu poço para aliviar temporariamente sua sede. Mas a sede mais profunda continua. Às vezes, é mais cômodo viver a escravidão sem amor, que amar na liberdade.


Ser escravos limita as possibilidades de optar na vida, mas dá tranquilidade, alivia a sede por um tempo. Não queremos ser escravos, mas muitas vezes o somos, porque a liberdade tem seus riscos e dói. Não nos atrevemos a sofrer a sede do deserto.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
liberdadePecadoVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia