Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 22 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconAtualidade
line break icon

Prostituição: profissão ou estupro remunerado?

DR

<div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Num&eacute;ro de document</h3> <p> 13669</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Acc&egrave;s</h3> <p> Restreint</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Original Filename</h3> <p> 1078060-lucciola.jpg</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Language</h3> <p> English</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Age restriction</h3> <p> All ages may watch</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Keywords</h3> <p> <span class="highlight">PROSTITUTION</span>, WOMAN,<br /> EXPLOITATION</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Creation Date</h3> <p> 25 ao&ucirc;t 13</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Credits</h3> <p> &copy; DR</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Iconographer</h3> <p> Sabrina Fusco</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Agency contact</h3> <p> Pictures taken on<br /> internet</p> </div> <div class="itemNarrow"> <h3 style="padding:0;margin:0;vertical-align:top;font-size:1em;font-weight:normal;"> Upload date</h3> <p> 29 ao&ucirc;t 13</p> </div> <br />

Alvaro Real - publicado em 25/03/14

Mulheres resgatadas da prostituição criticam a ONU e a Anistia Internacional por tentarem legalizar esta prática

“Quando alguém da ONU for trabalhar em um prostíbulo, então eu darei ouvidos aos seus argumentos”, disse uma mulher que foi prostituta, referindo-se à nova entidade criada pelas Nações Unidas cujo nome é ONU Mulheres.

Mulheres resgatadas da prostituição criticam os organismos da ONU e a Anistia Internacional por tentarem descriminalizar esta prática, e insistem em que sua legalização levaria ao aumento do tráfico de meninas e transformaria os cafetões em legítimos empresários.

Rachel Moran, mulher que foi vítima da prostituição na Irlanda e autora do livro “Fui paga: minha experiência da prostituição”, questionou: “O que a Anistia Internacional está pensando?”. As declarações são consequência do vazamento do rascunho da ONU e da Anistia Internacional, no qual defendem a legalização do “trabalhosexual”.

As mulheres resgatadas criticam a criação de um “direito dos homens de comprar sexo”, e explicam que o termo “trabalhosexual” foi criado por cafetões radicados nos EUA, com o fim de normalizar a prostituição.

“A prostituição não é uma profissão, é um estupro remunerado, e usar este termo prejudica os esforços para que ela acabe”, argumentaram.

No congresso “Prostituição ou trabalhosexual”, denunciaram que os últimos relatórios da ONU “dão a entender que as mulheres prostitutas trabalham por iniciativa própria”, e explicaram que “mais de 95% delas querem deixar esta vida, mas precisam de ajuda”.

Também criticaram a insinuação da ONU segundo a qual a legalização ofereceria proteção às mulheres que se prostituem. “Os homens que pagam por sexo são viciados que usam o corpo das mulheres como droga”, disse uma vítima da prostituição, acrescentando: “Os homens acham que o tempo que compram para estar com uma mulher os coloca absolutamente no comando. Não se pode impor o cumprimento das leis que exigem o uso de preservativo”.

Durante a conferência, foi divulgado um e-mail que revelava o apoio da ONU Mulheres à descriminalização da prostituição, e as assistentes pediram a esta organização que se retrate pelo apoio à descriminalização da prostituição, e que esta seja considerada como violência de gênero.

Tags:
MundoPecadoTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segundo o Papa Francisco
7
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia