Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Será que o Santo Graal está na cidade espanhola de León?

© Museo San Isidoro de León
Compartilhar

Extensa pesquisa sugere que o cálice usado por Cristo na Última Ceia já está exposto há séculos na basílica de San Isidoro

O cálice usado por Jesus na Última Ceia, relíquia conhecida como Santo Graal, seria a parte interior do chamado “Cáliz de Doña Urraca” [Cálice da rainha Urraca], uma peça conservada na basílica de San Isidoro de León, na Espanha, desde o século XI. Esta nova hipótese é fruto das longas pesquisas da historiadora Margarita Torres-Sevilla, apresentada esta semana em entrevista coletiva.
 
“A Igreja depende dos estudos da história. Não confirmamos nem desmentimos. Não delegamos o caso a nenhuma autoridade ainda”, declarou Luis Garcia Gutiérrez, diretor do Museu San Isidoro, onde a relíquia estava exposta há séculos como peça doada pela rainha Urraca, de Zamora, à basílica de San Isidoro.
 
A historiadora Torres-Sevilla, que vem investigando o cálice há muitos anos, encontrou documentos na biblioteca da Universidade de Al-Azhar, do Cairo, que permitem recompor o percurso histórico da relíquia.
 
A surpresa foi grande. O valioso cálice que sempre esteve à vista de todos se tornou de repente o centro de todas as atenções de curiosos, jornalistas e cristãos que agora o contemplam com outros olhos.
 
“Talvez seja a relíquia mais procurada de todos os tempos na Igreja”, comenta o diretor do museu. “Estar diante de uma peça que talvez seja a relíquia mais próxima de Cristo em sua vida terrena é uma experiência que eu acredito que pode ajudar a instigar a fé de muitos”.
 
“Temos que apresentá-lo também de outra maneira: não só como uma peça artística, mas como uma peça de devoção”, completou, desmentindo que o museu tenha aumentado o preço dos ingressos.
 
Mas… Jesus Cristo com um cálice de ouro?
 
O cálice chama a atenção pela cor dourada, pelas pedras preciosas e pelo camafeu romano de marfim. Será possível que uma comunidade pobre fosse usar um cálice desses?
 
A historiadora procura demonstrar, com sua exaustiva investigação, que o cálice de Jesus é apenas a parte interna do até agora chamado “Cáliz de Doña Urraca”. O restante foi acrescentado como decoração medieval do século XI. A parte original, o suposto Santo Graal, é um vaso de pedra escura com ônix, que, conforme a datação feita pelos peritos em pedras e em história da arte, é mesmo do século I: a época de Jesus.
 
Existem relíquias semelhantes em outros lugares do mundo, igualmente identificados com o cálice usado por Jesus na Última Ceia. Um deles está em Valencia, também na Espanha. O papa Bento XVI o usou em sua visita ao país, durante a celebração do Encontro Mundial das Famílias, em 2006.
 
Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.