Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
São Martinho, Eremita
home iconAtualidade
line break icon

Incomodar-se com as coisas erradas nos filmes da Disney: uma tradição cristã

Disney

Brian Brown - Aleteia Vaticano - publicado em 01/04/14

O que os ultramoralistas não notaram em "Frozen"

Eu não ia escrever nada sobre o filme “Frozen”.

Não ia nem vê-lo no cinema, porque o atroz marketing americano me fez achar que fosse uma patética animação sobre um boneco de neve falante. Mas uma resenha positiva me fez perceber que havia muito mais do que isso. Minha esposa e eu acabamos indo ver. Dizer que nós “adoramos” seria insuficiente, já que as pessoas usam essa palavra muito gratuitamente hoje em dia. O fato é que talvez tenha sido a mais bela animação que já vimos em toda a nossa vida, incluindo as imagens e o som, da arquitetura do castelo de gelo até a música coral medieval.

Só então eu comecei a ver as coisas que as pessoas religiosas estavam escrevendo sobre o filme. Tem desde a teoria da conspiração gay até, num lado mais sóbrio, os que criticaram a música "Let It Go" por causa do seu individualismo egoísta. Mas depois da sexta crítica a "Let It Go", eu comecei a pensar que ninguém tinha captado o filme de verdade. Eu tinha que escrever alguma coisa, porque pelo menos duas coisas precisam ser ditas.

Antes, porém, quero recomendar a resenha de Greg Forster sobre o filme. Foi essa resenha que me levou a vê-lo. As animações da Disney, como se sabe, estão gradualmente deixando de existir: o pessoal da Pixar está acabando com a tradição questionável delas. John Lasseter, da Pixar, está hoje à frente da Disney Imagineering: é ele o produtor executivo de “Frozen”. Portanto, não cometa o erro de automaticamente vincular este filme à tradição de “filmes subversivos” da Disney.

"Tradição de filmes subversivos da Disney": vamos falar disso.

A primeira coisa que tem que ser dita é que os cristãos (em particular, mas não exclusivamente, os de uma certa facção fundamentalista) estão incomodados com os filmes da Disney já faz um bom tempo. A Pequena Sereia não usava roupas suficientes. O Corcunda de Notre Dame fazia as pessoas religiosas parecerem ruins. Pocohantas era panteísta. Muitos dos filmes tinham pessoas boas fazendo magia. E a lista segue… É claro que isso faz parte de outra tradição, ainda mais longa e mais ampla, de desejar muito mais a total ausência de coisas ruins em um filme do que a presença de coisas boas, o que é, em parte, a razão de os filmes cristãos serem quase todos puros, seguros e… péssimos.

A Disney fez os melhores filmes de animação de todos os tempos, praticamente eternos (dentro do que cabe na indústria cinematográfica) e estampou na mente das crianças uma grande gama de valores e boas lembranças. Mas há queixas legítimas dos pais, considerando-se que são filmes infantis que exercem a sua influência sobre jovens impressionáveis​​. De qualquer forma, como representante da Geração do Milênio, que cresceu vendo esses filmes, eu acho que os nossos pais ficaram incomodados com a maioria das coisas erradas e perderam totalmente de vista o modo como a Disney foi moldando os filhos deles. Enquanto mamãe e papai se preocupavam com coisas evidentes (Ariel se vestindo como uma sereia, um nativo americano reverenciando a natureza) ou que são próprias dos contos de fadas (a magia), a Disney foi instalando um sistema de valores dentro de nós que, aparentemente, era sutil demais para eles perceberem.

Quase todos os filmes de animação da Disney nos ensinaram durante décadas o mesmo princípio moral central: na maioria dos contextos, eles faziam parecer que "o amor é um sentimento que deve ser realizado a qualquer custo". Ou, em um nível mais fundamental: "seguir o seu coração é sempre a coisa certa a fazer". A Disney não transformou a maioria de nós em bruxos, panteístas ou nudistas, mas nos ensinou a não colocar nada acima dos nossos próprios desejos (e, para ser honestos, muitos dos nossos pais reforçaram essa lição).

  • 1
  • 2
Tags:
CinemaEntretenimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia