Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sem propriedade privada pode haver dignidade humana?

John Perivolaris
Compartilhar

Nós afirmamos que não. Mas por quê?

A propriedade privada é uma implicação natural e necessária da dignidade da pessoa humana, porque a riqueza é resultado do trabalho humano combinado de forma inteligente com a generosidade da natureza.
 
Esta definição de riqueza, que parece ser senso comum para a maioria das pessoas, foi mais memoravelmente afirmada pelo filósofo político John Locke e posteriormente endossada pelo papa Leão XIII. Mas é uma descrição resultante de milhares de anos de reflexão e debate.
 
No mundo antigo, filósofos e teólogos concebiam a riqueza de forma bastante diferente disso: eles viam os frutos da terra e os recursos naturais, em grande parte, como uma fonte permanente de satisfação das necessidades da vida, que o homem essencialmente coletaria sem aumentá-las nem melhorá-las. Assim, a tarefa de sábios e santos foi a de nos encorajar a distribuir com sabedoria e justiça essa quantidade finita de riquezas, doada por Deus, levando em conta as necessidades do Estado e dos pobres.
 
No jogo de soma zero que aqueles pensadores acreditavam que a humanidade estivesse condenada a jogar, o acúmulo de bens por um único homem só poderia ocorrer em detrimento do vizinho. De fato, a economia antiga se baseava amplamente na produção agrícola, que, por sua vez, era feita em grande medida pelos escravos. O valor agregado por comerciantes e banqueiros, que realizam o trabalho vital de distribuição de bens e capitais a partir de lugares onde eles não são necessários para levá-los a lugares onde possam ser usados mais produtivamente, foi mal compreendido e muitas vezes rejeitado: os comerciantes e banqueiros, assim, foram condenados como parasitas econômicos. De Aristóteles a São João Crisóstomo, você procuraria em vão por pensadores influentes que reconhecessem o quanto as trocas econômicas poderiam render benefícios mútuos e aumentar os níveis gerais de riqueza, através da sua alocação mais eficiente e do seu uso focado em atender as necessidades humanas com mais eficácia.
 
Escolásticos medievais tardios, em especial um grupo de frades dominicanos da Espanha, avançariam na compreensão da riqueza ao estudarem empiricamente a natureza das trocas econômicas e os benefícios mútuos que elas conferem a ambas as partes, em qualquer comércio honesto. Aqueles frades, com seus votos de pobreza, fizeram esse esforço em meio à explosão de riqueza que marcou a Alta Idade Média, impulsionada tanto por avanços tecnológicos na agricultura (como arados mais eficazes e rotação de culturas) quanto pela explosão do comércio com o Oriente Médio, na esteira das Cruzadas.
 
As guildas medievais, compostas por produtores e comerciantes que tinham se organizado em linhas religiosas sob santos padroeiros, formaram grupos de interesses que defendiam a legitimidade moral de empreendimentos com fins lucrativos e a utilidade social do comércio, apesar de usarem as suas alianças privilegiadas para sufocar a concorrência.
 
O poder econômico das elites urbanas começou a ameaçar o domínio da aristocracia, permitindo que os burgueses comprassem isenções e que as cidades se estabelecessem como santuários livres de servidão: ali as pessoas comuns poderiam obter sucesso ou fracasso de acordo com os seus méritos, em vez de permanecerem imobilizadas na casta em que tinham nascido.
 
A expansão da liberdade econômica ajudou a criar uma base de apoio para a liberdade política. Cresceram as demandas por representação dos cidadãos no governo, como no caso, por exemplo, da Casa dos Comuns, na Inglaterra. Esse impulso em direção a um governo representativo colidiria com os esforços de príncipes, em sua busca pela monarquia "absoluta", para subjugar os nobres e os plebeus. Conflitos como a Guerra Civil Inglesa e a "Revolução Gloriosa", além das guerras suíças de independência contra as absolutistas França e Áustria, asseguraram a sobrevivência do princípio do governo representativo e a expansão do tipo de liberdade econômica e política que os líderes cívicos norte-americanos se uniriam para defender em 1776.
Boletim
Receba Aleteia todo dia