Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

Você não consegue viver sem o celular?

© Esther Vargas / Flickr / CC

Carlos Padilla Esteban - publicado em 08/04/14

Nossa sociedade está cada vez mais doente: já não suportamos ficar incomunicáveis

Às vezes, é bom parar um pouco e ver nossa vida com outra perspectiva. Por isso, é útil desconectar-nos e fazer silêncio, ainda que seja somente durante um final de semana. Estamos vivendo a Quaresma, um período de deserto no qual Deus se adentra e espera o ser humano. Cabe a nós silenciar, aguardar, buscar, esperar.


É verdade, o deserto assusta. Deixar as coisas que nos atam. E uma dessas ataduras pode ser precisamente a nomofobia, a adição ao celular, a estar comunicável o tempo todo. Segundo os especialistas, o medo de ficar sem o telefone pode ser diagnosticado como um transtorno que atinge grande parte da população, sem que os afetados sejam conscientes disso.


Quem é capaz de deixar o celular em casa e não sentir um desejo incontrolável de voltar para pegá-lo? Quem já ficou sem bateria durante uma tarde e não teve a sensação de estar inacessível?


Quem saiu sem o celular e depois ficou achando que precisamente naquelas horas poderia receber uma ligação importante? Quem saiu do cinema ou do teatro e imediatamente já começou a revisar os torpedos e ligações perdidas?


Sim, ainda que seja difícil reconhecer, estamos um pouco doentes em relação ao celular, às redes sociais, os torpedos, as ligações. Não suportamos estar incomunicáveis.


É verdade, nem todos estão tão enfermos, mas também é certo que poderíamos viver com mais liberdade. A dependência do celular pode nos escravizar.


Conheço um restaurante que expõe um aviso na parede: “Aqui não há wi-fi. Aproveitem para conversar”. É realmente impressionante ver um grupo de pessoas sentadas à mesa, mas cada uma mexendo no próprio celular. É a comunicação que nos incomunica da realidade presente.


Não aguentamos ficar sem estar em relação com os outros, mas depois temos muita dificuldade para entrar em relação com as pessoas que temos ao nosso redor, para falar de temas profundos, para abrir o coração e contar sobre nós.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Comunicaçãotecnologia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia