Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 02 Dezembro |
Bem-aventurada Liduína Meneguzzi
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Escravidão de Montfort e a liberdade do “Eis-me aqui…”

WEB Mary Mother of God – pt

Public Domain

Fr. Thiago Pereira, SCJ - Reparatoris - publicado em 10/04/14

Esse conceito cristão de adequar sua vontade à vontade de Deus foi compreendido profundamente por Maria

“Minha vida é toda Tua, os meus planos e os meus sonhos. De nada vale o existir se não for pra te ofertar…”. Assim fala a belíssima letra desta música, interpretada por Suely Façanha, da Comunidade Shalom. De fato, nossa vida só passa a ter sentido quando a ofertamos por amor. Isto me faz lembrar Madre Teresa de Calcutá, Padre Léon Dehon e João Paulo II que, unanimemente, diziam: “só é amor se doer”. Toda oferta, toda renúncia e sacrifício exigem dor, porque tiramos algo de nós e entregamos ao outro. Mas, quando essa oferta é feita por amor, tem um valor redentor, seja pra minha história de salvação pessoal, ou para a salvação da humanidade (como foi o caso de Jesus, no alto da cruz).

A oferta que Maria fez a Deus

A oferta de Maria a Deus foi nessa direção. “Minha vida é toda tua… eis a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua Palavra” (cf. Lc 1,38). A Virgem Maria não mais se pertencia, mas apenas a Deus; realizava a mais perfeita obediência na fé (cf. CEC 148); “entregou-se ela mesma totalmente à pessoa e à obra de seu Filho, para servir, na dependência dele e com Ele” (LG 56). Ora, o que é isso senão uma consagração total de si mesmo ao Senhor? Não estaria ela sob uma condição de escravidão? Onde está a vontade de Maria? Foi anulada? Sua vontade em momento algum foi anulada, mas livremente ofertada a Deus, por amor.

Alguns acham estranho que alguém encontre liberdade dentro de uma condição escrava. E, de fato, seria algo impossível, se a pessoa estivesse sujeita a uma escravidão indesejada por ela ou direcionada a um outro ser humano (que tende ao egoísmo da dominação). Mas a escravidão de Maria se direcionava ao Senhor. Portanto, não poderia haver uma relação dominador-dominado, já que, sendo Pai, Deus não oprime. E, além disso, a própria Virgem consentiu e buscou ser a “serva de Deus”. Isso nos leva a concluir que Maria tomou uma decisão livre.

Ser escravo e livre ao mesmo tempo

É possível, então, ser escravo e livre ao mesmo tempo, desde que eu escolha, por amor, me fazer escravo. Vejamos o que diz Emmir Nogueira, psicóloga e cofundadora da Comunidade Shalom: “O cristão não é livre para fazer o que quiser quando quiser e como bem quiser. Sua liberdade é ordenada para o amor, isto é, para a responsabilidade com relação à consequência de seus atos. É ordenada para a união de sua vontade com a vontade de Deus” e, continua: “quanto mais a pessoa se identifica com a vontade de Deus para ela e pauta sua vida segundo esta vontade, tanto mais ela será livre e feliz, mais será ela mesma” (Tecendo o Fio de Ouro, 2009, p.298).

Esse conceito cristão de adequar sua vontade à vontade de Deus foi compreendido profundamente por Maria. E é nesse sentido que São Luís Maria Grignion de Montfort fundamenta seu conceito de escravidão a Jesus: uma oferta livre e amorosa dos bens interiores e exteriores que seriam meu por direito. Com isso, digo não a mim e sim a Jesus, Sabedoria Encarnada. Obtenho a liberdade interior, assumida através da escravidão (oferta) por amor.

Seguimos, assim, os passos de Jesus, que “aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo” (Fl 2,7). Um escravo por amor, capaz de dizer: “ninguém tira a minha vida, eu a dou por mim mesmo” (Jo 10,18). São Luís de Montfort, sabendo que só se chega ao amor a partir da doação total de si e sendo profundo conhecedor das Sagradas Escrituras, assume uma das imagens comuns à época de Cristo, que é do serviço.

Conceito simbólico de escravidão

Havia duas formas de servir a um senhor na Palestina do início da era cristã: de maneira direta ou indireta. Mas como assim? Imaginemos que o imperador quisesse comer peixe. Quem pescaria seria um homem livre que, em virtude do serviço prestado, receberia um salário, nem sempre justo. Mas quem prepararia o almoço do imperador seria aquele que constantemente o servia, isto é, o escravo.

São Luís Maria supôs que quiséssemos estar junto do Senhor, na casa Dele. E, a única forma de fazer isso seria pela escravidão e não pelo trabalho “terceirizado”. Mas lembremos que esta história de “escravidão” é apenas uma imagem, adotada para representar uma realidade interior, profundamente espiritual e oblativa.

A escravidão na época de Jesus

A escravidão era um meio comum de servidão na época de Jesus e de Montfort. Não tem, portanto, toda a conotação negativa que se encontra hoje, após anos de proclamação dos Direitos Humanos – em nível internacional – e com a Lei Áurea – no Brasil.

Havia algo na sociedade judaica chamado “Código da Aliança” (cf. Ex 21,1-11 e Dt 15,12-18), que regulamentava a escravatura entre israelitas, mesmo apesar do número destes ser bem mais reduzido no período de Jesus – quando se optava mais pelos escravos pagãos (cf. J. JEREMIAS. Jerusalem zur Zeit Jesu. Kulturgeschichtliche Untersuchung zur neutestamentlichen Zeitgeschichte. II Teil: Die sozialen Verhàltnisse, Gõttingen 31962, A. Reich und Arm, pp. 25-26; B. Hochund Niedrig, p. 184.).

O escravo judeu, graças ao Código, não era tratado com tanta aspereza, isto porque tinha uma série de direitos que deveriam ser respeitados. Mas a situação já era inversa para o escravo pagão. Por esse motivo a escravatura hebraica entrou em decadência no período neotestamentário. Como fundamento para tal mudança, muitos resgataram antigos escritos como o que dizia: “O escravo ou a escrava que pretendais adquirir, devem sair dos povos que vos rodeiam” (Lv 25,44).

Escravo: símbolo daquele que espera no Senhor

O escravo era aquele que dependia totalmente do seu senhor. Nada podia adquirir por si só, tudo esperava do seu superior. É assim, confiando na Providência do bom Deus, que queremos trilhar o caminho da santidade. “Pela escravidão, um homem depende inteiramente de outro durante toda a vida, e deve servir a seu senhor, sem esperar salário nem recompensa alguma” (Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, 2010, Vozes, p. 74). É dessa forma que somos convidados a agir diante de Deus.

“É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1). Este é o lema da Campanha da Fraternidade deste ano, que trabalha a temática do Tráfico Humano. Dizer-se “escravo de Jesus” (“de Jesus por Maria” ou “de Maria”), em momento algum contrapõe essa afirmação de São Paulo, já que o grau mais alto de liberdade é aquela que se realiza no interior, através da graça divina. Ora, é a graça da liberdade interior, gerada pelo amor, que a consagração à Virgem Maria, segundo o método de Montfort, objetiva.

Servos pelo Batismo

O próprio Cristo “nos associou a Ele pelo batismo”, isto é, “o batismo nos transformou em escravos de Jesus Cristo” (TVD, 2010, p. 73). Portanto, “devemos pertencer a Jesus Cristo e servi-lo, não só como servos mercenários, mas como escravos amorosos” (TVD, 2010, p.78).

Trilhar o caminho da escravidão por amor é viver a vontade de Deus; é fazer o percurso que nos torna livres e santos. “[A vontade de Deus] não é para nós um peso exterior que nos oprime e nos priva da liberdade. Conhecer o que Deus quer, conhecer qual é o caminho da vida, eis a alegria de Israel, eis seu grande privilégio. Esta é também a nossa alegria: a vontade de Deus não nos desvia, mas purifica-nos talvez de maneira até dolorosa e assim conduz-nos a nós mesmos. Desta forma, não servimos só a Ele, mas à salvação de todo o mundo, de toda a história” (BENTO XVI na homilia por ocasião da Eucaristia inaugural do seu pontificado).

(Reparatoris)

Tags:
liberdadeMariaPecadoteologiaVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia