Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconAtualidade
line break icon

Relação entre Rússia e Otan ganha ares de Guerra Fria

<p>O presidente russo, Vladimir Putin</p>

AFP - publicado em 11/04/14

A crise ucraniana é considerada a mais grave nas relações Otan-Rússia desde o desmembramento da União Soviética

A crise ucraniana levou a Rússia e a Otan a desenterrarem os velhos métodos de propaganda e manipulação esquecidos desde o fim da Guerra Fria.

"A Otan e Moscou lembraram que já foram os maiores inimigos do mundo", resume um oficial baseado em Bruxelas, onde a Aliança Atlântica tem sua sede.

"Os militares mais antigos voltam a recorrer aos reflexos que haviam abandonado há vários anos", indica este militar que pediu o anonimato.

Nos escritórios da Otan, os mapas da Ucrânia já têm seu lugar nas paredes junto aos do Afeganistão, país que concentrava até pouco tempo toda a atenção. "Os especialistas da Rússia voltam a ser muito ouvidos", ressalta um diplomata.

Nos últimos dias o tom voltou a subir entre Moscou e a Otan, que se acusam mutuamente de ressuscitar o espírito da Guerra Fria.

"Ninguém quer uma nova Guerra Fria. A Rússia deve deixar de querer voltar atrás", exigiu na quinta-feira o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen.

É a Aliança que "cultiva a retórica da Guerra Fria", denunciou em resposta a diplomacia russa.

Moscou recebeu mal a decisão de março dos 28 países-membros da Otan de suspender "a cooperação prática" bilateral em reação à anexação da Crimeia, com a exceção dos programas de luta contra o terrorismo e o narcotráfico.

Esta decisão se traduziu nesta semana por uma limitação ao acesso à sede da Otan da delegação russa credenciada ali. Agora apenas quatro pessoas, entre elas o embaixador, podem entrar.

"A introdução destas restrições mostra mais uma vez que a Otan não consegue fugir da mentalidade da época da Guerra Fria, prefere a linguagem das sanções ao diálogo", reagiu o ministério russo das Relações Exteriores.

Na quinta-feira, ambas as partes travaram um novo confronto através da imprensa. A Otan publicou fotos de satélites de tanques e helicópteros, assegurando que se tratavam das tropas russas mobilizadas perto das fronteiras com a Ucrânia.

A Aliança buscou a maior repercussão possível a esta difusão de imagens feitas, segundo ela, no fim de março e início de abril, recorrendo ao Twitter e convidando a imprensa a Mons, sede do comando supremo das forças aliadas na Europa (SHAPE).

A Rússia reagiu sem demora afirmando que as fotos foram tiradas durante os exercícios militares realizados no verão de 2013.

Mas a Otan respondeu no mesmo dia publicando novas fotos para "demonstrar claramente que as afirmações das autoridades russas são totalmente falsas".

É impossível verificar tanto uma versão quanto a outra.

Estas disputas são observadas com prudência pelos especialistas. No entanto, eles afirmam que, apesar das tensões com a Ucrânia, a perspectiva de um confronto armado é atualmente mais que improvável.

"As alusões à GuerraFria são uma heresia tanto em nível político quanto militar", afirmou Philippe Migault, pesquisador do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas (IRIS).

"A Rússia de Vladimir Putin não tem as ambições globais que a União Soviética tinha" e "não ameaça diretamente nenhum país da Otan", explicou. Além disso, "o equilíbrio entre os dois blocos já não existe", já que o orçamento militar dos países da Otan é duas vezes superior ao da Rússia.

A crise ucraniana é considerada a mais grave nas relações Otan-Rússia desde o desmembramento da União Soviética. Mas não é a primeira, já que os pontos de discórdia foram muitos: a ampliação da Otan a Leste (países bálticos, Polônia, Romênia…), a crise do Kosovo ou o escudo antimísseis que Moscou encara como uma ameaça.

Apesar disso, as duas partes conseguiram lançar uma série de programas de cooperação, como no Afeganistão ou na luta contra a pirataria marítima.

"Não nos equivoquemos: as relações Otan-Rússia sempre foram caóticas e não há razão para que isso mude", afirma um diplomata sediado em Bruxelas.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia