Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

“É uma armadilha”: bilhete salva casamento de adultério a 10.000 metros de altitude

Marisa Pereira
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Às vezes, só precisamos de um simples ato de coragem

Viajei de Atlanta para Bentonville, várias semanas atrás, a negócios. No portão de embarque, praticando o meu habitual passatempo de observar as pessoas, notei uma mulher muito animada que parecia estar fazendo tudo o que havia de possível para chamar a atenção de um homem. Notei que os dois usavam aliança (e a dela com um diamante enorme). Mas não pareciam casados um com o outro.

Quando embarquei, quis o destino que eles estivessem sentados nos assentos 7A e 7B. O meu era o 7C, do outro lado do corredor. Uma senhora se aproximou deles, dizendo que o assento 7B era o dela. O homem que ocupava a poltrona ofereceu a ela o seu bilhete de primeira classe. “Você se importa? Nós gostaríamos de tratar de alguns negócios“. Ela aceitou a troca e o “show” começou.

Eu estava em choque com a sensualidade explícita que a mulher do 7A usava para “capturar” a atenção do homem do 7B. Ela não falou muita coisa que valesse a pena: sua linguagem era corporal. Ela jogava os longos cabelos de maneira a ter certeza de que eles caíssem em cima do homem. Ela levantou o apoio de braço do assento para que não ficasse nada no meio deles. Ela usava um vestido de praia solto, com uma pequena jaqueta por cima: o toque de “visual de negócios”, suponho. Ela se remexia com frequência para garantir que o decote se abrisse. Ela puxava o vestido para cima, também com frequência, chegando, uma vez, a apontar marcas de nascença nas coxas.

Notei que o homem do 7B estava desconfortável e hesitante no início, mexendo com os dedos na aliança de casamento. Comecei a rezar para que ele se mantivesse forte. Querendo muito fazer alguma coisa, eu rasguei um pedaço de papel e escrevi nele o seguinte bilhete:

“Não destrua o seu casamento por causa de alguém que não respeita você. Ontem ela estava com outro, hoje com você, amanhã com mais outro. Sua esposa e seus filhos merecem mais de você!”

Depois, por causa da determinação com que a mulher agia, escrevi um título no bilhete:

“É uma armadilha”.

À medida que o voo ia avançando, o homem ia perdendo o controle. Não demorou muito para eu ver a mão dele sobre a coxa dela. Ela disse: “Eu já sei o que nós temos que fazer hoje à noite: vamos sair para dançar“.

As minhas orações corriam agora em alta velocidade… Passamos então por uma providencial turbulência que deixou a todos em estado de alerta. Aproveitei para olhar diretamente para ele e fiz apenas um comentário sobre a turbulência: “Nossa!”. Poucos minutos depois desse primeiro contato, puxei uma conversa:

– Reparei que a sua aliança é incomum. É prata ou platina?

– Platina. Mas faz algum tempo que não limpo…

– Ainda está linda! Você está indo para Bentonville a negócios? (Ele fez que sim com a cabeça). Você vai sempre?

– Vou, vou toda semana.

– Então você deve conhecer bem a cidade. Você sabe me dizer onde é isso?

Foi aí que passei para ele o bilhete que eu tinha escrito.

Eu achei que ele ia ler o título, virar a cara ou me dizer que não era da minha conta. Mas ele pegou o bilhete, leu tudo com atenção e, ao levantar a cabeça, me disse: “Obrigado“.

A mulher do 7A notou que ele tinha recuado. Se os olhares pudessem matar, eu estaria sepultada!

Quando estávamos saindo do avião, ele me disse novamente: “Obrigado. Mesmo“. Respondi: “De nada! Boa sorte para você“. E seguimos cada um o seu caminho.

Esta situação que eu descrevi é fruto não só da luxúria e da carne, mas também do desejo de poder e de controle. As mulheres não ficam paradas num cantinho do ringue dos predadores. E os homens também são formidáveis nas suas caçadas. O sexo virou um esporte de rua. Se todo mundo faz, então deve estar tudo certo. E não bastou achar que tudo isso é “normal”: o sexo foi transformado em “competição”, para aumentar a diversão. Mas os custos dessa “diversão” estão sendo completamente desconsiderados.

Continua na página 2

Páginas: 1 2

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições