Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

“É uma armadilha”: bilhete salva casamento de adultério a 10.000 metros de altitude

Marisa Pereira
Compartilhar

Às vezes, só precisamos de um simples ato de coragem

Viajei de Atlanta para Bentonville, várias semanas atrás, a negócios. No portão de embarque, praticando o meu habitual passatempo de observar as pessoas, notei uma mulher muito animada que parecia estar fazendo tudo o que havia de possível para chamar a atenção de um homem. Notei que os dois usavam aliança (e a dela com um diamante enorme). Mas não pareciam casados um com o outro.

Quando embarquei, quis o destino que eles estivessem sentados nos assentos 7A e 7B. O meu era o 7C, do outro lado do corredor. Uma senhora se aproximou deles, dizendo que o assento 7B era o dela. O homem que ocupava a poltrona ofereceu a ela o seu bilhete de primeira classe. “Você se importa? Nós gostaríamos de tratar de alguns negócios“. Ela aceitou a troca e o “show” começou.

Eu estava em choque com a sensualidade explícita que a mulher do 7A usava para “capturar” a atenção do homem do 7B. Ela não falou muita coisa que valesse a pena: sua linguagem era corporal. Ela jogava os longos cabelos de maneira a ter certeza de que eles caíssem em cima do homem. Ela levantou o apoio de braço do assento para que não ficasse nada no meio deles. Ela usava um vestido de praia solto, com uma pequena jaqueta por cima: o toque de “visual de negócios”, suponho. Ela se remexia com frequência para garantir que o decote se abrisse. Ela puxava o vestido para cima, também com frequência, chegando, uma vez, a apontar marcas de nascença nas coxas.

Notei que o homem do 7B estava desconfortável e hesitante no início, mexendo com os dedos na aliança de casamento. Comecei a rezar para que ele se mantivesse forte. Querendo muito fazer alguma coisa, eu rasguei um pedaço de papel e escrevi nele o seguinte bilhete:

“Não destrua o seu casamento por causa de alguém que não respeita você. Ontem ela estava com outro, hoje com você, amanhã com mais outro. Sua esposa e seus filhos merecem mais de você!”

Depois, por causa da determinação com que a mulher agia, escrevi um título no bilhete:

“É uma armadilha”.

À medida que o voo ia avançando, o homem ia perdendo o controle. Não demorou muito para eu ver a mão dele sobre a coxa dela. Ela disse: “Eu já sei o que nós temos que fazer hoje à noite: vamos sair para dançar“.

As minhas orações corriam agora em alta velocidade… Passamos então por uma providencial turbulência que deixou a todos em estado de alerta. Aproveitei para olhar diretamente para ele e fiz apenas um comentário sobre a turbulência: “Nossa!”. Poucos minutos depois desse primeiro contato, puxei uma conversa:

– Reparei que a sua aliança é incomum. É prata ou platina?

– Platina. Mas faz algum tempo que não limpo…

– Ainda está linda! Você está indo para Bentonville a negócios? (Ele fez que sim com a cabeça). Você vai sempre?

– Vou, vou toda semana.

– Então você deve conhecer bem a cidade. Você sabe me dizer onde é isso?

Foi aí que passei para ele o bilhete que eu tinha escrito.

Eu achei que ele ia ler o título, virar a cara ou me dizer que não era da minha conta. Mas ele pegou o bilhete, leu tudo com atenção e, ao levantar a cabeça, me disse: “Obrigado“.

A mulher do 7A notou que ele tinha recuado. Se os olhares pudessem matar, eu estaria sepultada!

Quando estávamos saindo do avião, ele me disse novamente: “Obrigado. Mesmo“. Respondi: “De nada! Boa sorte para você“. E seguimos cada um o seu caminho.

Esta situação que eu descrevi é fruto não só da luxúria e da carne, mas também do desejo de poder e de controle. As mulheres não ficam paradas num cantinho do ringue dos predadores. E os homens também são formidáveis nas suas caçadas. O sexo virou um esporte de rua. Se todo mundo faz, então deve estar tudo certo. E não bastou achar que tudo isso é “normal”: o sexo foi transformado em “competição”, para aumentar a diversão. Mas os custos dessa “diversão” estão sendo completamente desconsiderados.

Continua na página 2

Páginas: 1 2