Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que a Terra Santa é custódia franciscana?

© ATS Proterrasancta
Compartilhar

“Somos uma fraternidade de religiosos chamada por Deus de todas as partes do mundo para uma missão especial: cuidar dos lugares da redenção”

Mas por que eles têm esta missão?

O carisma de um santo

A origem está em São Francisco de Assis quando, no início do século XIII, movido pelo amor a Cristo pobre e crucificado, foi ao Oriente Médio para “tocar” aqueles lugares que até hoje constituem um testemunho insubstituível da revelação de Deus e do Seu amor pelo homem. Naquela peregrinação, apesar dos conflitos do local, ele entrou em diálogo em Damietta, no Egito, com o sultão Melek al-Kamel, do qual o governo se estendia até a Terra Santa. Foi um encontro pacífico, que deu início à presença dos franciscanos na Terra Santa, e que marcou também o estilo da presença dos frades menores ao longo do século até hoje.

Pedras vivas

Os frades não somente são os “guardas” das pedras e dos lugares, com a finalidade de preservar o valor. A missão deles é também tornar vivas aquelas pedras, fazer no mundo que elas falem ao coração e à mente de todos aqueles que peregrinam à Terra Santa, para chegar a conceber as “simples pedras” como “pedras amadas” através da fé.

O grande afeto dos papas pela Terra Santa

Em 1947, Pio XII disse aos frades da Terra Santa: “sabemos que também vocês, como já fizeram os vossos predecessores, trabalham diligentemente para que nos lugares santos confiados a vossa custódia se faça o possível para satisfazer o melhor da piedade dos fiéis”.

Os frades são, portanto, guardiões da Terra Santa por vontade e ordem da Igreja universal, um conceito lembrado também por Paulo VI, primeiro Papa peregrino nestes lugares.

Os filhos de Francisco de Assis – segundo as palavras de São João Paulo II – souberam interpretar “de maneira genuinamente evangélica aquele legítimo desejo de cuidar dos lugares onde se encontram as nossas raízes cristãs”.

A preciosa obra da Custódia da Terra Santa foi mencionada também pelo Papa emérito Bento XVI na sua peregrinação em 2009: o Papa agradeceu calorosamente os frades por serem presença durante séculos nestes lugares santos.

Atualmente a Custódia trabalha em Israel, Palestina, Jordânia, Síria, Líbano, Egito e nas ilhas do Cipro e Rodi. Ali trabalham cerca de 300 religiosos.