Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 30 Março |
Santos Antônio Daveluy, Pedro Aumaître, Martinho Lucas Huin,...
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

A paz se deve construir aqui

Gerusalemme1 – pt

© DR

Corrado Paolucci - Aleteia Vaticano - publicado em 13/05/14

Entrevista com Frei Pierbattista Pizzaballa, atual custódio da Terra Santa

Precisando de uma ideia para a esmola quaresmal?

Ajude-nos a difundir a fé na internet! Você poderia fazer uma doação para que possamos continuar criando conteúdos gratuitos e edificantes?

Faça aqui uma doação de Quaresma

Frei Pierbattista Pizzaballa, desde maio de 2004, é o custódio da Terra Santa. Nesta entrevista, ele conta um pouco dos preparativos e expectativas para a visita do Papa Francisco à Terra Santa.

Como a comunidade cristã local está se preparando para a chegada do Papa Francisco?

Está se preparando em dois níveis. O primeiro é o mais visível: são os preparativos técnicos, práticos, diplomáticos, as infraestruturas. Tudo isto requer muito trabalho. E sobre isto preciso dizer que a comunidade cristã está ajudando também com a contribuição econômica. Todas as comunidades fizeram uma coleta para ajudar. Outro aspecto, seguramente mais importante, é o da oração nas paróquias, nos grupos paroquiais, nas missas, nas comunidades religiosas. Uma oração não só para o sucesso da visita, mas também a fim de que esta possa trazer frutos na vida da Igreja. 

O Papa, sucessor de Pedro, se encontrará nos lugares onde tudo teve início. Qual é a mensagem para a Igreja universal?

Creio que já o gesto em si de ir a Jerusalém é importante. Jerusalém, onde tudo começou. Não será somente o Papa em Jerusalém, estará também o patriarca de Constantinopla, que é o ponto de referência, o chefe da Igreja oriental. Os dois pulmões da Igreja, o ocidental e o oriental, se unem em Jerusalém, creio que isto seja muito significativo. Jerusalém nos chama às origens, à raíz, à beleza e à pureza do Evangelho e do Cristianismo, que nos séculos a história feriu e dividiu. Todos voltarem a Jerusalém significa olhar com saudade aquela unidade à qual todos devemos nos orientar e sobretudo olhar para Jesus como fonte e origem da nossa fé.

É o segundo Pontífice que o senhor encontra desde que é o custódio. Qual efeito lhe fez o encontro com Bento XVI? E agora, o que espera com Francisco?

Esta é a minha terceira visita papal. Encontrei Bento XVI na Terra Santa e em Cipro, e agora Francisco novamente na Terra Santa. Ou seja, três visita todas muito diferentes. Conhecer os papas de perto nos permite conhecer um aspecto da humildade deles que nem sempre é conhecido. A serenidade, a disponibilidade, a simplicidade do papa emérito Bento XVI me impressionou muito em Jerusalém, mas sobretudo em Cipro. Também sua fragilidade, de um ponto de vista humano, mas vivida sempre com muita serenidade. O Papa Francisco, que já encontrei e que conhecia antes de se tornar papa, sempre me impressionou com sua simplicidade, franqueza e amabilidade. É muito simples e muito acessível, se vê também nos gestos que agora se tornaram de domínio público. É uma pessoa que ninguém poderá colocar esquemas fixos, porque é muito livre e exprime esta liberdade com muita franqueza e penso que isto faz bem a toda a Igreja. 

Por que o Papa Francisco é tão livre? Qual é a origem desta sua grande liberdade?

A liberdade existe dentro. Liberdade que nasce naturalmente de uma serenidade humana sua, depois também do relacionamento com Jesus, com o Senhor, que é forte e funda as suas certezas, a sua fé, as suas relações. Todo o resto se torna secundário quando as suas certezas são fortes. O resto não prevalece sobre sua pessoa.

Fala-se muito do relacionamento diplomático entre o Vaticano e o Oriente Médio. Como a visita poderá contribuir positivamente aos relacionamentos institucionais entre Israel e a Santa Sé? Qual impacto pode ter sobre o processo de paz?

É muito difícil responder a esta pergunta agora. Somente depois da visita se poderá fazer um balanço. Digamos que o Papa Francisco não é um diplomata. Falávamos há pouco de sua liberdade e um diplomata não pode ser sempre livre como o Papa Francisco é em público. O sentido e o caráter da visita é antes de tudo espiritual e pastoral e não diplomático. Acredito que, contudo, a visita do Papa será de encorajamento, antes de tudo pela comunidade cristã, e escutaremos seguramente também os seus convites, diretos a todas as partes na causa, a se encontrarem e se falarem. Não creio que se poderá obter mais do que isto. A paz não pode ser levada unicamente pelo Papa. A paz não pode ser levada por alguém de fora. As pessoas de fora, o Papa em particular, podem ajudar, mas a paz se deve construir aqui.

Recentemente chegaram ameaças à Igreja local, em particular uma carta que foi entregue ao Vicariato Patriarcal de Nazaré. Para o senhor, são episódios isolados, ou é preciso na verdade temer alguma coisa?

Temer não. O medo e o temor não devem absolutamente ter espaço. Não são episódios isolados. Agora, assim como existe a preparação para a visita do Papa, as mídias falam com mais ênfase do ocorrido, mas são episódios que duram já algum tempo. Também em Jerusalém houve episódios dos quais a imprensa não falou, porque intencionalmente não quis dar ibope sobretudo à questão do Monte Sião, do Cenáculo, no quarteirão armênio. Resumindo, problemas existem. Assiste-se a uma certa polarização, seja no âmbito hebraico, israelense, seja no âmbito islâmico. Mas são margens extremistas que não representam o grosso da população. O importante é trabalhar muito o âmbito da educação.

O Papa almoçará com algumas famílias cristãs de Belém. O que nos quer dizer esta cena particular, diria única?

Única, mas não é uma novidade. Em Assis fez a mesma coisa. Era previsto um almoço com os bispos. Ele disse: “os bispos eu não quero ver porque os vejo sempre, quero ver um pouco de gente comum”. E a mesma coisa fez aqui em Belém, colocando-nos em dificuldade, porque fazer uma escolha entre as famílias pobres não é simples. Muitos ficarão de fora. Creio que o sinal seja muito claro, a Igreja deve olhar os pobres do Evangelho. Naturalmente isto não basta, mas é um gesto que é também uma indicação para toda a Igreja, sobretudo para esta Igreja local.

Qual efeito causa nos franciscanos encontrar um Papa que se chama Francisco?

Faz um certo efeito, seguramente. Sobretudo no início, quando soubemos da eleição e do nome que escolheu. Perguntávamo-nos se era verdade ou se teríamos escutado mal. Depois com o tempo entramos um pouco nessa dinâmica que é estimulante. O Papa Francisco, que chama os pobres, franciscanos que têm esta responsabilidade, não de existência, mas de partilha, de solidariedade, de olhar este aspecto da vida do Evangelho que é parte integrante do nosso carisma. É um chamado muito forte a não perder o nosso ponto firme, sobretudo para nós aqui na Terra Santa que temos tantas atividades, de todos os gêneros. Porque existe sempre o risco, para todos, também para nós, de se dispersar. O ponto firme é o amor pelos pobres, que significa amor por Cristo. Esquecer disso significa separar espiritualidade e amor por Cristo e se esquecer dos pobres. 

Tags:
MundoPapa FranciscoTerra SantaVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia