Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 18 Maio |
Bem-aventurada Blandina Merten
home iconAtualidade
line break icon

Sexo sem amor, um entretenimento perigoso

© Petrenko Andriy/SHUTTERSTOCK

Juan Ávila Estrada - publicado em 16/05/14

Se praticado mal, o sexo é causa de vício e pode levar ao tédio do outro

Quando os jovens perdem a consciência da própria sexualidade e iniciam a praticá-la cedo, correm o risco de transformar o sexo em um perigoso entretenimento com o qual pretendem preencher os momentos de lazer e de solidão com a presença vazia de outros que vivem a mesma condição que eles. Deste modo, iniciam a confundir perigosamente afeto, amor e genitalidade. A genitalidade tem a capacidade de propor com engano aquilo que só a união no amor verdadeiro pode oferecer. Disso deriva que a genitalidade tenha a capacidade de aprisionar para se satisfazer no impulso de modo temporário. É importante reconhecer que o sexo, se mal orientado em sua prática, é causa de vício, porque exige sempre mais e de modo sempre mais inovador.

É assim que, satisfeito este impulso, recomeça-se o ciclo de impulso satisfeito, vazio, frustração, surgimento de um novo impulso, necessidade da própria satisfação, nova experiência etc, de modo tal que uma serpente devora a si mesma pela cauda. Dito em outras palavras: osexo sem amor, não vendo-se completo, pede sempre mais.

Quem busca no sexo aquilo que é próprio do amor (plenitude, doação, felicidade), encherá a própria vida somente de vazio.

A fratura entre amor e genitalidade levou à dicotomia entre destreza sexual e pobreza amorosa. Neste sentido, muitos se tornam ótimos na cama, mas pobres no momento do amor com compromisso. Quando a novidade e a paixão desaparecem e entra o tédio, aí acredita-se que o amor tenha acabado (quando na verdade nunca existiu). Aqueles que uma vez creram amar-se, terminam por estar cansados um do outro. 

A inversão do processo de encontro no casal ofendeu a experiência do amor verdadeiro. É o amor verdadeiro que deve levar à sexualidade, e não o contrário. O livro do Gêneses mostra que quando ao homem foi apresentada a mulher, ele exclamou: “Esta é carne da minha carne e sangue do meu sangue”, primeiro a amou, e somente depois a conheceu e tiveram um filho. 

Fazendo o contrário, corre-se o risco de olhar a outra pessoa somente através da lente erótica e de considerar que a compreensão sexual seja suficiente para unir-se sacramentalmente com uma pessoa, o que não se deveria fazer.

No caso dos esposos, a prática sexual é um verdadeiro dom de Deus mediante o qual ambos são chamados a doar-se reciprocamente. Por este motivo, a revelação de Deus nos fornece uma justa visão do homem e do seu sentido sobre a Terra, integrando todos os elementos constitutivos da sua vida, incluindo a sua dimensão sexual. Deus é aquele que revela o modo correto de exercitar a sexualidade, para que seja humana e integralmente amorosa.

A genitalidade separada deste plano divino se torna uma faca de dois gumes: pode levar ao tédio da outra pessoa ou à dependência doentia na qual o outro se torna uma necessidade.

O sexo como instrumento de amor (não como instrumentalização), não pode provocar nenhum dos dois efeitos porque não é um fim em si mesmo, mas somente um meio, visto que o fim é cada pessoa naquilo que cada um é por sua própria dignidade. Nós, seres humanos, somos seres sexuados e não simples máquinas geradoras de prazeres eróticos, como se isto se tornasse a razão última da sexualidade.

Deus colocou o prazer no sexo e o quis assim para que o encontro entre o homem e a mulher se realizasse de modo oportuno e fecundo. Desvincular o prazer da doação recíproca, porém, transformou o prazer em um fim em si mesmo, de modo tal a considerar válido recorrer ao exercício da sexualidade somente com o objetivo de alcançar esta realização. Deste modo, cada um vê no outro uma fonte do próprio desejo e não alguém digno de ser amado por aquilo que é.

Em um mundo erotizado, mas ao mesmo tempo carente de amor verdadeiro, somos chamados a lutar para conseguir formar uma geração capaz de retornar a ligar indissoluvelmente a genitalidade e o amor humano. Deste modo, o sexo não será mais fonte de vazio por ser uma fonte de plenitude. 

Tags:
AmorJuventudeSexualidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
POPE AUDIENCE JUNE 26; 2019
Philip Kosloski
Quanto é o salário de um papa?
3
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados “sinais do céu”?
4
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
5
Soutane de Jean Paul II/attentat
Marzena Wilkanowicz-Devoud
Onde está a batina manchada de sangue de João Paulo II?
6
São Francisco Marto
Reportagem local
A oração favorita do pequeno grande São Francisco Marto, vidente ...
7
AVA MARIA
J-P Mauro
O pai que roubou a cena cantando a Ave-Maria de improviso na Disn...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia