Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sexo sem amor, um entretenimento perigoso

© Petrenko Andriy/SHUTTERSTOCK
Compartilhar

Se praticado mal, o sexo é causa de vício e pode levar ao tédio do outro

Quando os jovens perdem a consciência da própria sexualidade e iniciam a praticá-la cedo, correm o risco de transformar o sexo em um perigoso entretenimento com o qual pretendem preencher os momentos de lazer e de solidão com a presença vazia de outros que vivem a mesma condição que eles. Deste modo, iniciam a confundir perigosamente afeto, amor e genitalidade. A genitalidade tem a capacidade de propor com engano aquilo que só a união no amor verdadeiro pode oferecer. Disso deriva que a genitalidade tenha a capacidade de aprisionar para se satisfazer no impulso de modo temporário. É importante reconhecer que o sexo, se mal orientado em sua prática, é causa de vício, porque exige sempre mais e de modo sempre mais inovador.

É assim que, satisfeito este impulso, recomeça-se o ciclo de impulso satisfeito, vazio, frustração, surgimento de um novo impulso, necessidade da própria satisfação, nova experiência etc, de modo tal que uma serpente devora a si mesma pela cauda. Dito em outras palavras: o sexo sem amor, não vendo-se completo, pede sempre mais.

Quem busca no sexo aquilo que é próprio do amor (plenitude, doação, felicidade), encherá a própria vida somente de vazio.

A fratura entre amor e genitalidade levou à dicotomia entre destreza sexual e pobreza amorosa. Neste sentido, muitos se tornam ótimos na cama, mas pobres no momento do amor com compromisso. Quando a novidade e a paixão desaparecem e entra o tédio, aí acredita-se que o amor tenha acabado (quando na verdade nunca existiu). Aqueles que uma vez creram amar-se, terminam por estar cansados um do outro. 

A inversão do processo de encontro no casal ofendeu a experiência do amor verdadeiro. É o amor verdadeiro que deve levar à sexualidade, e não o contrário. O livro do Gêneses mostra que quando ao homem foi apresentada a mulher, ele exclamou: “Esta é carne da minha carne e sangue do meu sangue”, primeiro a amou, e somente depois a conheceu e tiveram um filho. 

Fazendo o contrário, corre-se o risco de olhar a outra pessoa somente através da lente erótica e de considerar que a compreensão sexual seja suficiente para unir-se sacramentalmente com uma pessoa, o que não se deveria fazer.

No caso dos esposos, a prática sexual é um verdadeiro dom de Deus mediante o qual ambos são chamados a doar-se reciprocamente. Por este motivo, a revelação de Deus nos fornece uma justa visão do homem e do seu sentido sobre a Terra, integrando todos os elementos constitutivos da sua vida, incluindo a sua dimensão sexual. Deus é aquele que revela o modo correto de exercitar a sexualidade, para que seja humana e integralmente amorosa.

A genitalidade separada deste plano divino se torna uma faca de dois gumes: pode levar ao tédio da outra pessoa ou à dependência doentia na qual o outro se torna uma necessidade.

O sexo como instrumento de amor (não como instrumentalização), não pode provocar nenhum dos dois efeitos porque não é um fim em si mesmo, mas somente um meio, visto que o fim é cada pessoa naquilo que cada um é por sua própria dignidade. Nós, seres humanos, somos seres sexuados e não simples máquinas geradoras de prazeres eróticos, como se isto se tornasse a razão última da sexualidade.

Deus colocou o prazer no sexo e o quis assim para que o encontro entre o homem e a mulher se realizasse de modo oportuno e fecundo. Desvincular o prazer da doação recíproca, porém, transformou o prazer em um fim em si mesmo, de modo tal a considerar válido recorrer ao exercício da sexualidade somente com o objetivo de alcançar esta realização. Deste modo, cada um vê no outro uma fonte do próprio desejo e não alguém digno de ser amado por aquilo que é.

Em um mundo erotizado, mas ao mesmo tempo carente de amor verdadeiro, somos chamados a lutar para conseguir formar uma geração capaz de retornar a ligar indissoluvelmente a genitalidade e o amor humano. Deste modo, o sexo não será mais fonte de vazio por ser uma fonte de plenitude. 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.