Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Trabalhadores permanecem presos em mina de carvão na Turquia

Turcos rezam durante funeral de vítimas da explosão em mina de carvão de Soma, que deixou mais de 280 mortos

Compartilhar

O ministro da Energia, Taner Yildiz, deu a entender que os 18 mineiros estariam mortos, ao afirmar que o balanço total da tragédia chegaria a “301 ou 302 falecidos”

O governo turco anunciou nesta sexta-feira que, no máximo, 18 trabalhadores permanecem presos na mina de carvão de Soma (oeste do país), onde pelo menos 284 mineiros morreram em um acidente na terça-feira.

O ministro da Energia, Taner Yildiz, deu a entender que os 18 mineiros estariam mortos, ao afirmar que o balanço total da tragédia chegaria a "301 ou 302 falecidos".

"Não há centenas de pessoas presas na mina, como alguns afirmam", disse o ministro.

Yildiz afirmou ainda que os trabalhos de resgate terminarão após a retirada de todos os corpos.

A empresa privada que explora a mina de Soma negou qualquer negligência.

"Não cometemos nenhuma negligência neste acidente", afirmou Akin Celik, diretor de exploração da Soma Komur Isletmeleri A.S.

Ele também mencionou que o acidente pode ter sido provocado por uma explosão de pó de carvão.

Uma explosão de pó é uma combustão rápida de partículas em suspensão no ar em um local confinado.

Outro diretor da empresa, Ramazan Dogru, rebateu a tese de um curto-circuito em um transformador da mina.

"Não tem nada a ver com um transformador", disse, antes de afirmar que a causa exata da tragédia será conhecida com a disponibilidade de todos os dados.

"Não sabemos como aconteceu o acidente".

O diretor geral da empresa, Alp Gürkan, chamou o acidente de "tragédia incrível", mas destacou que a mina respeita as normas de segurança. A imprensa local o acusa de ter priorizado o lucro em detrimento da segurança dos trabalhadores.

Boletim
Receba Aleteia todo dia