Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

Pequim retira cidadãos do Vietnã; Hanói tenta conter protestos

<p>Polícia tenta dispersar manifestantes nas proximidades da embaixada da China em Hanói</p>

AFP - publicado em 18/05/14

O atual conflito aprofunda a animosidade histórica entre os países comunistas.

Pequim retirou mais de 3.000 chineses do Vietnã e suspendeu vários programas bilaterais após as manifestações violentas contra a China no país vizinho, que as autoridades vietnamitas tentam conter para manter a confiança dos investidores estrangeiros, indispensáveis para Hanói.

Centenas de homens uniformizados e com roupas civis impediam o acesso à embaixada da China em Hanói e em outros locais que poderiam virar alvos dos manifestantes, que convocaram para este domingo um novo dia de protestos após uma semana de distúrbios.

Grupos de manifestantes denunciaram na internet a detenção de várias pessoas.

A crise entre Pequim e Hanói explodiu depois da instalação de uma plataforma de petróleo no início de maio no Mar da China Meridional, perto das ilhas Paracelso, reivindicadas pelos dois países comunistas.

As autoridades chinesas anunciaram neste domingo em um comunicado a suspensão de vários programas bilaterais com o Vietnã, já que os distúrbios "prejudicam o ambiente e as condições para os intercâmbios e a cooperação entre China e Vietnã".

Ao mesmo tempo, Pequim retirou mais de 3.000 cidadãos chineses, incluindo 16 pessoas "gravemente feridas", segundo a agência oficial chinesa Xinhua.

As manifestações contra a China, as mais violentas no Vietnã em várias décadas, podem abalar a confiança dos investidores estrangeiros no país, o que forçou o governo a tentar acabar com os protestos.

O primeiro-ministro vietnamita, Nguyen Tan Dung, advertiu no sábado que faria o necessário para impedir as "manifestações ilegais que poderiam alterar a ordem e a segurança pública".

"Pedimos aos países que continuem garantindo a atividade econômica no Vietnã de seus investidores e cidadãos", afirmou Dang Minh Khoi, assistente do ministro das Relações Exteriores, que destacou que os "lamentáveis" atos dos últimos dias "não se repetirão".

Pequim acusa Hanói de "conivência" com os manifestantes, que incendiaram várias fábricas chinesas, taiwanesas e sul-coreanas.

Analistas consideram que as autoridades vietnamitas foram surpreendidas pela intensidade da revolta popular contra Pequim, que poderia ocultar um descontentamento latente contra as empresas estrangeiras, que contratam cidadãos de seus países e não trabalhadores locais.

Dois chineses morreram, 140 ficaram feridos e 300 pessoas foram detidas nos distúrbios, segundo um balanço oficial.

Pequim e Hanói reivindicam a soberania das ilhas Paracelso, situadas entre o norte do Vietnã e o norte das Filipinas, que a China administra desde 1974, data de uma batalha naval entre os dois países que terminou com 50 vietnamitas mortos.

As ilhas Paracelso ficam em uma via marítima movimentada. Suas águas são ricas em peixes e, possivelmente, combustíveis.

O atual conflito aprofunda a animosidade histórica entre os países comunistas.

Em 1979, Pequim realizou uma ofensiva contra Hanói depois que o exército vietnamita derrubou o regime do Khmer Vermelho no Camboja, aliado da China. Em 1988, os dois países travaram outra batalha pela soberania das ilhas Spratlys.

A China reivindica quase a totalidade do Mar da China Meridional, onde também enfrenta os interesses das Filipinas, Taiwan, Brunei e Malásia.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
CHILE
Reportagem local
Duas igrejas são incendiadas durante protesto...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia