Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 27 Julho |
São Galactório
home iconEstilo de vida
line break icon

4 coisas que é melhor não dizer a quem está sofrendo

Vladimir Volodin / Shutterstock

Brian Brown - publicado em 20/05/14

Seu instinto de ajudar, provavelmente, está errado

Se você é como a maioria das pessoas, vai ser difícil saber o que fazer quando um amigo seu estiver sofrendo. E, para o seu amigo, provavelmente, vai ser difícil saber o que fazer com o sofrimento.

Este sofrimento pode ser a morte de um parente ou de um amigo, a perda do emprego, o fim do namoro ou apenas a sensação de que o universo esqueceu o calcanhar enfiado na sua cara já faz um bom tempo.

Muitas vezes, você apela para os clichês de sempre e os repete para si mesmo, tentando se animar ou convencer o universo a deixá-lo em paz. E os repete para os amigos, tentando fazer o mesmo por eles. Às vezes, os clichês são coisas em que poderíamos mesmo pensar, mas, muitas outras vezes, são apenas dispositivos para tentarmos fugir do que está acontecendo.

Acabei de ler um novo livro, “Invitation to Tears” [Convite às Lágrimas], de Jonalyn Fincher e Aubrie Hills. Jonalyn e Aubrie dão uma olhada agradável e diferente para a dor. Eles sugerem que aprender a experimentá-la é valioso: é um valor que a nossa cultura tem negligenciado e que nós fomos desaprendendo.

Acontece que lidar com o sofrimento e ajudar um amigo a fazer o mesmo, de acordo com os autores, implica evitar dizer coisas como estas:

1) Platitudes

"Pelo menos ela não está mais sofrendo"… "Ele está com Jesus"… "Tudo isso acontece por uma razão"…

"NÃO é por isso que eu estou chorando!", retrucou Jonalyn, após a morte da sogra. Essas platitudes podem ser particularmente ruins dentro da Igreja, um lugar para onde, supõe-se, as pessoas trazem os seus sofrimentos mais profundos em busca de esperança.

Dentro das muralhas de consolação da Igreja, nós fomos nos despojando, infelizmente, da linguagem da perda. O que Davi e os salmistas falavam fluentemente, nós desaprendemos. Não sabemos mais como nos sentar do lado de alguém que sofre sem tentar “arrumar” as coisas de forma boba.

Os autores nos sugerem reaprender a linguagem do sofrimento e, numa sacada sensacional, incluem listas inteiras de poemas, livros e filmes que giram em torno da tristeza e do luto; coisas que podem nos ajudar a reaprender essa linguagem.

2) “Considere tudo como um tipo de alegria”

Os cristãos ouvem muito isso. Certamente, algumas pessoas simplesmente precisam parar de reclamar e se lembrar de que nós é que fazemos parte da história de Deus, e não o contrário. Mas, diante da dor real, isso pode se tornar um mecanismo para fugirmos da culpa, especialmente quando dizemos isso para nós mesmos.

A vida é dura e é preciso encarar isso para enfrentar a dor. Os autores sugerem que ceder à dor é, de certa forma, saudável e importante.

Estar de luto significa fazer menos coisas exteriormente, para ter tempo de desabafar, escrever, fazer longas caminhadas, chorar, olhar para o espaço e pensar. Adotar, enfim, a prática nada ocidental de fazer menos para aprender mais. Não é à toa que não temos tempo para isso, em nossas sociedades aceleradas. O luto não é seguro nem eficiente para a nossa mentalidade focada em fazer coisas. Mas pode nos tornar mais humanos.

3) “Será que não é hora de você dar uma virada na vida?”

De vez em quando, alguém de fato precisa ouvir isso. Mas os autores do livro contrastam essa possibilidade com a tradição judaica da shivá, em que toda a comunidade se une em torno da pessoa que sofre para guiá-la no seu sofrimento. A comunidade age como um capitão, traçando um curso para o luto. Os autores sugerem que, para as pessoas que buscam conforto em meio à dor, alguém deve orientá-las com base na sua própria experiência de sofrimento, em vez de sugerir, justamente nessa hora, que ela “dê uma virada na vida”.

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
DepressãoSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia