Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 02 Março |
Santa Inês de Boêmia
home iconAtualidade
line break icon

Como a Nigéria está convivendo com os terroristas do Boko Haram?

Albert Gonzalez Farran UNAMID

Harold Fickett - publicado em 27/05/14

Uma entrevista exclusiva com o padre nigeriano John Idio

O sequestro de cerca de 300 meninas na Nigéria pelo grupo terrorista Boko Haram ganhou as manchetes do mundo todo. Nesta entrevista exclusiva, o pe. John Idio, pároco da igreja de Santo Antônio, na localidade nigeriana de Asipa, Ibadan, detalha a opressão e a violência a que os cristãos têm sido submetidos pela organização extremista islâmica. O sacerdote explica a ideologia do Boko Haram e as suas possíveis ligações com membros do governo da Nigéria.

Pe. John, o senhor tem contato direto com pessoas que já sofreram na pele a violência do Boko Haram?

O Boko Haram atacou a estação de ônibus de Nyanya num horário de pico, na manhã do dia 14 de abril. Meu tio é pároco de São Pedro e São Paulo, em Nyanya. Ele me contou como foi aquela sensação terrível durante a explosão das bombas no parque de Nyanya. A explosão fez a igreja tremer, literalmente, apesar de que não houve nenhum dano físico sério. Alguns dos paroquianos que tinham acabado de sair da missa da manhã e que estavam indo para casa ou para o trabalho foram atingidos pela explosão. Houve mais uma bomba em Nyanya no dia 1º de maio, no mesmo local da outra. Meu tio está desnorteado, porque não se sabe onde é que eles vão atacar da próxima vez. Ele quer que o governo ajude e mobilize mais agentes de segurança em Nyanya.

Qual é o tipo de islã que o Boko Haram abraça? Eles são descritos muitas vezes como “militantes islâmicos”, mas em que eles realmente acreditam?

“Boko Haram” é uma frase na língua hauçá, que significa, figurativamente, "a educação ocidental é um pecado". Eles dizem que a interação com o mundo ocidental é proibida. O objetivo, então, é acabar com a "ocidentalização". Para isso, os membros querem estabelecer um Estado islâmico "puro", governado pela sharia. Eles querem a lei islâmica plena entronizada em todos os Estados do norte da Nigéria e, talvez, que a Nigéria toda vire um país islâmico. Antes de morrer, Mohammed Yusuf, que era líder do Boko Haram, reiterou o objetivo do grupo: mudar o sistema de ensino atual e rejeitar a democracia. Esse objetivo do grupo, ao se contrapor à educação ocidental, acaba sendo contraditório com a vida que os membros levam. O fundador, Muhammad Yusuf, era um homem que tinha tido uma educação de alto nível: ele tinha pós-graduação, falava inglês fluente, levou uma vida de luxo e dirigia um Mercedes-Benz. Era um clérigo muçulmano controverso.

O governo nigeriano tem sido incapaz de restabelecer a paz nas áreas em que o Boko Haram vem operando há anos. É falta de recursos? Ou o Boko Haram conta com apoio substancial da população muçulmana da Nigéria, fazendo o governo hesitar?

O governo nigeriano é simplesmente incapaz de impedir o Boko Haram de matar inocentes. E os nigerianos estão perdendo a confiança no governo. A incapacidade do governo de lidar com o Boko Haram não é por falta de recursos. A Nigéria tem um exército forte, com reputação de cumprir as suas missões com eficácia. As perguntas inevitáveis ​​são estas: qual é a causa dessa incapacidade de conter o Boko Haram ou de eliminá-lo de uma vez por todas? Por que o governo, o exército e as agências de segurança estão impotentes? Considerando o quanto os ataques do Boko Haram são eficazes, eu tenho a sensação de que eles têm simpatizantes dentro das agências governamentais e de segurança.

Recentemente, eu li que um alto membro do Boko Haram, Ahmed Grema Mohammed, tem um cargo diretivo nos Serviços de Imigração da Nigéria. Ele foi preso e confessou envolvimento ativo no assassinato de funcionários civis, agentes de segurança e políticos em Damaturu, que falaram contra as atividades do Boko Haram. Mas nós sabemos que, na Nigéria, muita gente é presa por conexão com o Boko Haram, mas não é acusada nem processada. No fim, eles são libertados. Quando funcionários do próprio governo fazem parte do problema do país, é difícil resolvê-lo. Há muitos funcionários do governo, militares, líderes muçulmanos influentes e até ex-presidentes e governadores que apoiam o Boko Haram. Neste sentido, o Boko Haram é uma ferramenta política perigosa.

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
ConflitosMundoTerrorismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
3
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
6
Kathleen N. Hattrup
O homem que beijou a testa do Papa diz que se curou em Lourdes
7
PRAY YOUNG
Arquidiocese de São Paulo
Rezar o terço sem contemplar os mistérios é válido?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia