Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 30 Novembro |
Santo André
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Os papas que amam os judeus

Pope Benedict XVI in Jerusalem – pt

© ALESSIA GIULIANI / CPP

<span>May 11, 2009: Pope Benedict XVI in Jerusalem.</span>

Miguel Cuartero Samperi - publicado em 27/05/14

Nunca a Igreja, em toda a sua história, esteve tão próxima do povo semita e da religião de Abraão como nas últimas décadas

Já se passaram quase 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial. Mas uma suposta polêmica relação entre papas e nazismo parece ainda existir. Qual foi o real papel dos pontífices no período do nazismo e na luta contra o extermínio do povo judeu?

Pio XI, a sentença do Nazismo

Em março de 1937, o papa Pio XI, Achille Ratti, escreveu a memorável Encíclica Mit Brennender Sorge (“Com viva ansiedade”), endereçada a todos os bispos católicos. O pontífice encorajou os fiéis e, sobretudo, os sacerdotes alemães a permanecerem fiéis a Cristo e à missão concedida a eles, a “servir à verdade, à verdade inteira, desmascarar e refutar o erro, qualquer que seja a sua forma e o seu disfarce”. Esta Encíclica foi um ato de condenação do governo de Hitler, do racismo, da discriminação e das perseguições do regime nazista. Esta corajosa Encíclica foi definida como “a mais dura crítica que a Santa Sé já expressou na confrontação contra um regime político”. A reação de Hitler foi furiosa: a Igreja Católica se opunha frente ao seu programa político.

Pio XII, o silêncio e a ajuda aos judeus

Tornou papa em março de 1939. A acusação que ainda hoje se eleva sobre Pio XII é de não ter se exposto com força e de modo explícito contra Hitler, denunciando as deportações e a política de extermínio. Por trás do silêncio estaria escondida uma cumplicidade criminosa com o líder nazista. Aqueles que acusam o papa Pacelli ignoram diversos documentos, correspondências e todas as estratégias diplomáticas que o papa (político eminente e experiente), colocou em ação naqueles anos difíceis, com a finalidade de proteger a população judaica.

Hoje a Igreja reconheceu oficialmente as virtudes heróicas do papa Pacelli: ele está em processo de beatificação. A figura do Papa Pio XII ganhou um largo consenso também fora do mundo católico, demonstrando o quão real era a sua oposição a Hitler, e o quanto são ideológicas as acusações contra este papa. Não somente estudiosos católicos, mas também autores de origens judaicas como Martin Gilbert, Pichas Lapide, Jeno Levai e David Dalin defenderam o papa, colocando à luz as razões históricas que privam qualquer valor científico das falsas acusações feitas contra Pio XII.

João XXIII e Paulo VI, os papas do Concílio: uma nova estação de diálogo

A partir do Concílio Vaticano II, na Igreja Católica se inaugurou um novo clima de abertura e de diálogo nos diálogos com o povo judeu, graças sobretudo ao impulso dado pelos pontífices italianos que guiaram o Concílio: João XXIII e Paulo VI. O último assinou, em 28 de outubro de 1965, um documento fundamental que representou um momento decisivo no diálogo com as religiões de Abraão: a declaração conciliar “Nostra Aetate”. Os padres conciliares condenaram oficialmente, em nome de toda a Igreja Católica, todas as violências e perseguições contra o povo judeu por motivos de raça e de religião. Foi muito significativo que Paulo VI, seis meses depois de sua eleição, tenha ido a Israel (janeiro de 1964), na primeira de suas nove viagens apostólicas. Foi o primeiro pontífice a visitar a Terra Santa.

João Paulo II, do Mudo das Lamentações a Auschwitz: os judeus, os irmãos mais velhos

Foi o primeiro papa a visitar o campo de concentração de Auschwitz, onde, em 1979, fez homenagem as vítimas do Shoah. Em março de 2000, esteve em Israel para rezar no Mudo das Lamentações, pediu perdão a Deus, em nome de toda a humanidade pelos horrores do Holocausto.

Um outro significativo ato foi a visita de João Paulo II à sinagoga de Roma em 13 de abril de 1986. Um momento histórico, no qual o pontífice se voltou ao rabino Toaff com palavras de profunda estima: “vocês são os nossos irmãos prediletos (…), os nossos irmãos mais velhos”. Foi o primeiro papa a visitar uma Sinagoga.
Bento XVI, contra o repugnante antissemitismo

Em maio de 2006, Bento XVI, em visita a Auschwitz, expressou palavras de profunda dor em relação aos desumanos massacres nazistas: “Tomar a palavra neste lugar de horror, de acúmulo de crimes contra Deus e contra o homem sem igual na história, é quase impossível e é particularmente difícil e oprimente para um cristão, para um Papa que provém da Alemanha”. Bento XVI pediu que os nomes das vítimas não sejam esquecidos jamais e que o massacre nazista nunca seja menosprezado ou negado. Em 2009, a sua cordialidade para com o povo judeu o conduziu a uma visita apostólica a Israel, onde novamente condenou o “repugnante antissemitismo”.

Francisco, uma amizade sincera com a comunidade judaica

Após sua eleição em 2013, a revista Forward, voz oficial da cultura judaica na América, colocou o novo Papa Francisco na lista dos 50 judeus do ano; uma novidade – sendo católico – que testemunha as ótimas relações que existem entre o papa e o povo judeu.

Nos primeiros meses de pontificado, Francisco recebeu em audiência privada a comunidade judaica de Roma. Encontrou também uma delegação de cinquenta judeus norte-americanos representantes da prestigiosa American Jewish Committee. E recentemente, em sua viagem à Terra Santa, encontrou-se não apenas com os católicos, mas com judeus e também os muçulmanos.

Conclusão

Nunca a Igreja, em toda a história, esteve tão próxima do povo semita e da religião de Abraão como nestas décadas.

Testemunha também Albert Einsten em ume entrevista em 1940: “Somente a Igreja se levantou para bloquear a estrada para as campanhas de Hitler para suprimir a verdade. Antes eu não havia tido nenhum interesse particular pela Igreja, mas agora sinto em relação a ela muito carinho e admiração, porque a Igreja sozinha teve a coragem e a obstinação para sustentar a verdade intelectual e a liberdade moral”.

Tags:
Bento XVICristãosIgrejaJoao Paulo IIjudeusPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia