Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 23 Abril |
Bem-aventurada Maria Gabriela Saghéddu
home iconAtualidade
line break icon

Jihadistas se aproximam de Bagdá, e EUA analisam ‘todas as opções’

<p>Forças curdas nos arredores de Kirkuk</p>

Agências de Notícias - publicado em 13/06/14

As tropas iraquianas, formadas pelos Estados Unidos a partir do zero após a dissolução do Exército de Saddam Hussein, não conseguiram se tornar uma verdadeira força

Os jihadistas avançavam nesta quinta-feira em direção a Bagdá, depois de tomarem nesta semana o controle da segunda maior cidade do Iraque – Mossul – e de outras zonas no norte do país, frente a um Exército em derrocada.

Temendo um ataque contra Kirkuk, as forças curdas aproveitaram a situação para assumir o controle dessa cidade rica em petróleo, reivindicada pela região autônoma do Curdistão.

Na terça-feira, os jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) se apoderaram no norte do país de Mossul, segunda cidade do Iraque, de sua província, Nínive, e de partes de duas províncias próximas, Kirkuk e Saladino, de maioria sunita.

Diante da impotência do Exército nacional, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama afirmou nesta quinta-feira que sua equipe está estudando todas as opções frente à onda de violência no Iraque e ao avanço de combatentes jihadistas em direção à capital.

"O Iraque vai precisar de mais ajuda dos Estados Unidos e da comunidade internacional. Nossa equipe de segurança nacional estuda todas as opções. Não descarto nada", afirmou.

Com a Casa Branca reafirmando que o envio de tropas ao Iraque está descartado, uma autoridade americana falou de possíveis ataques aéreos.

A porta-voz do departamento americano de Estado Jen Psaki informou que cidadãos americanos contratados pelo governo do Iraque com base no programa de Vendas Militares ao Estrangeiro (FMS) estão sendo deslocados por suas companhias por preocupação com a segurança na área".

Um funcionário da Defesa precisou que "algumas centenas" de americanos contratados estão sendo retirados da base aérea de Balad para Bagdá.

Enquanto isso, o Conselho de Segurança da ONU realiza a portas fechadas uma reunião sobre esta ofensiva do EIIL, um grupo que também atua na Síria e que ambiciona a criação de um Estado islâmico na região entre os dois países.

Em Londres, o ministro iraquiano das Relações Exteriores, Hoshyar Zebari, admitiu que as forças de segurança "afundaram" em Mossul. Mas que o governo "está tentando (…) expulsar esses terroristas das principais cidades", declarou.

O Exército iraquiano efetuou ataques aéreos contra posições controladas pelos jihadistas no centro da cidade de Tikrit, capital de Saladino, tomada na quarta-feira pelos insurgentes.

Em uma gravação, um dos líderes do EIIL, Abu Mohammed al-Adnani, pediu que os insurgentes "sigam para Bagdá".

Os rebeldes já se apoderaram da cidade de Dhuluiya, 90 km ao norte de Bagdá, de acordo com um coronel da polícia e vários habitantes contactados por telefone pela AFP.

‘População abandonada’

Em Bagdá, o clima é de apreensão. "A população se sente abandonada, sem proteção", declarou Abu Alaa, de 54 anos.

Além dos seguidos avanços, o EIIL reivindicou no Twitter os atentados contra xiitas que deixaram mais de 30 mortos em Bagdá e anunciou uma nova onda de ataques.

Nesta noite, os rebeldes assumiram o controle das localidades de Jalawla e Saadiyah, localizadas em Diyala, a nordeste de capital, de acordo com fontes oficiais, que acrescentaram que as forças de segurança abandonaram suas posições diante do avanço de homens armados.

Ilustrando a crise política que paralisa o país há cinco meses, o Parlamento iraquiano não conseguiu realizar a sessão desta quinta por falta de quórum. Os parlamentares ainda devem se reunir a pedido do governo do xiita Nuri al-Maliki para examinar a possível instauração de um estado de emergência.

Além dos territórios do norte, o EIIL, considerado um dos grupos "mais perigosos do mundo" por Washington, controla regiões da província de Al-Anbar desde janeiro.

Em Mossul, os jihadistas continuam a manter em cativeiro cerca de 50 cidadãos turcos sequestrados no consulado, além de outros 31 motoristas turcos.

  • 1
  • 2
Tags:
ConflitosGuerraMundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
ROBERTO CARLOS
Ricardo Sanches
A música que Roberto Carlos cantou no próprio aniversário de 80 a...
2
Imagem de Nossa Senhora na Síria
Reportagem local
Freiras na Síria redescobrem oração de 700 anos contra epidemias
3
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
4
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma gestação rara
5
Broken Mary
Reportagem local
Nasce (e cresce) nos EUA a inspiradora devoção a “Nossa Senhora D...
6
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
7
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia