Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O Papa Francisco e a palavra “descarte”

Poverty (poor woman) – pt

gcelebi

Manuel Bru - publicado em 18/06/14

A economia é movida pelo desejo de ter mais e se alimenta de uma cultura do descarte

A palavra “descarte” já se tornou um termo indispensável, tanto na mensagem pastoral da Igreja como na análise da realidade social. Também as palavras “periferia” e “proximidade” não são novas nem estranhas, mas o Papa Francisco lhes conferiu um forte significado moral.

O “descarte” como expressão da injustiça social aparece em incontáveis documentos do Papa Francisco, como em sua exortação apostólica “Evangelii Gaudium”. Mas onde ele o explicou de maneira mais clara foi em sua entrevista ao jornalista Henrique Cymerman, na qual nos conta qual é a origem do descarte e quais são os grupos humanos mais “descartados”.

Quem são os principais descartados, segundo o Papa? São as crianças, começando pelo fato de descartar seu nascimento; os idosos, porque já não são produtivos; e também os jovens e sua situação de desemprego, que chega a 50% em alguns países.

Mas por quê? Por que o descarte? Para o Papa, o descarte serve “para manter um sistema econômico que já não se sustenta, um sistema que, para sobreviver, precisa fazer guerra, como sempre fizeram os grandes impérios. Mas como não se pode fazer a terceira guerra mundial, então fazem guerras por áreas”.

E o que isso significa? Que fabricam e vendem armas, para o balanço das economias idolátricas. É que, diz o Papa, “no centro de todo sistema econômico deve estar o homem, e todo o resto deve estar ao serviço deste homem. Mas nós colocamos o dinheiro no centro, o deus dinheiro. Caímos em um pecado de idolatria, a idolatria do dinheiro. A economia se move pelo desejo de ter mais e, paradoxalmente, alimenta-se de uma cultura do descarte”.

A opinião do Papa é forte. São João Paulo II já havia dito que o capitalismo é, como sistema econômico, tão prejudicial quanto o comunismo. Mas ninguém o ouviu.

Agora, o Papa Francisco diz algo a mais: que o sistema já não se sustenta; que o sistema econômico explora, por inumano, porque só serve para o bem-estar de poucos e para o descarte de muitos.

Esperemos que os grandes adalides do sistema – incluindo os cristãos – tomem nota disso. Pelo menos agora terão de tomar cuidado na hora de prodigar o bem do sistema e de tirar proveito dele refugiando-se na margem dos “não descartados”.

Tags:
Cultura do descartePapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia