Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

A figura do pai: os pais não são mulheres com defeito

Young father with his little son playing football on football pitch – pt

Halpoint

Aleteia Vaticano - publicado em 05/07/14

É um erro as mulheres que se fazem de pai e mãe. A mãe só pode fazer o papel de mãe, e o pai só pode se comportar como pai. Não existem os substitutos de um e de outro

A figura paterna – perdoem-me as feministas – tem sido penosa e injustamente desvirtuada.

Se bem que muitos pais e mães não são um exemplo a seguir, também é certo que a sociedade – refiro-me sobretudo às mulheres – obscureceu o masculino, seja por excesso ou por ausência, e lhe roubou o seu papel único e insubstituível na atenção do lar e no cuidado da esposa e dos filhos.

Tanto o machismo como o feminismo são atitudes que pretendem mudar o que é imutável e fazer desses “ismos” um estilo de vida, o que é errado e injusto.

Não somos idênticos

O homem e a mulher, que são diferentes e complementares, podem exercer juntos os seus papéis em todos os âmbitos em que um ser humano pode se desenvolver. Não necessariamente de modo idêntico, mas de maneira análoga e complementar. Isso quer dizer que, como parte dessa complementaridade, temos que reconhecer e reafirmar o espaço que corresponde a cada um.

Qualquer psicólogo ou psiquiatra estará de acordo comigo sobre a importância do sentido de pertença no processo educativo e formativo de qualquer ser humano. Por isso, não podemos tirar o feminino das mulheres e nem o masculino dos homens. Pretender que as mulheres atuem como homens e que os homens atuem como mulheres é um atentado a esse sentido de pertencer a si mesmo, e que corresponde a cada pessoa em seu ser.

O modo de ser específico do homem contribui muitíssimo para a mulher e os filhos. O mal entendido feminismo, em lugar de polir as asperezas da sociedade ali onde a mulher é vítima de abusos, abandono ou desprezo, na maioria dos casos banalizou a figura feminina, atacou a masculina e caiu naquilo que havia criticado, ou seja, no equivocado comportamento machista.

É um erro as mulheres que se fazem de pai e mãe. A  mãe só pode fazer o papel de mãe, e o pai só pode se comportar como pai. Não existem os substitutos de um e de outro. Quando o pai falece ou tem de ausentar-se, os filhos, especialmente os meninos, devem se relacionar com algum referente masculino: irmão mais velho, avô, tio, professor.

O papai não é uma mulher com defeito

Não podemos permitir a retirada do pai na tarefa de educar e cuidar da família.

Muitas vezes, nós mulheres nos queixamos de que o marido não nos ajuda na casa como gostaríamos, e esse é ponto de partida do problema, já que não podemos pretender que nosso esposo colabore como se fosse mulher, com as características femininas, projetando o nosso marido como uma mulher com defeito, comprometendo a imagem de bom pai na frente dos filhos.

Devemos permitir que o marido compartilhe as tarefas da casa e da educação dos filhos de acordo com o seu estilo próprio masculino, que é onde todos saem ganhando. A mulher descansa quando “deixa” que seu marido se empenhe nas coisas da casa sem lhe censurar, criticar ou corrigir constantemente. Se há que fazer uma observação, faz-se a sós com ele, para contribuir com o crescimento do esposo e o funcionamento do lar.

Se os filhos meninos veem que seu pai é reprovado constantemente e veem a sua mãe como a rainha da verdade absoluta, eles podem acabar identificando-se mais com a figura materna do que com a paterna, querendo parecer-se mais com ela do que com ele. Já as filhas mulheres poderiam viver pensando que não existe homem que se ajuste à sua perfeição e que elas estão acima do mundo todo… vamos ver quem as aguenta.

Nem é preciso dizer que as mães não podem converter os filhos em um depósito de lamentações, fazendo comentários negativos sobre o pai deles, já que isso desperta nos filhos ressentimentos, facilidade para o julgamento crítico agudo, culpa, assumir responsabilidades que não correspondem a eles e sobretudo pensar que o papai não é bom.

As mulheres não devem expor pessoalmente os defeitos de seus maridos na frente de ninguém, e nem permitir que outros façam isso.

O marido conta com a inteligência e a criatividade de sua esposa quando vê que as coisas funcionam, e é bom que ele contribua com seu jeito de ser para o crescimento e o fortalecimento de sua família.

É um erro pensar que nós, mulheres, fazemos todas as coisas melhor do que eles. Se bem que a mulher seja o eixo da família e da sociedade, ela tem de estar assentada em uma base firme para que tudo possa funcionar adequadamente. Ver o marido como essa base fará que os filhos tenham fundamentos sólidos para se desenvolver adequadamente na vida, e poderão por sua vez ser referentes para as gerações futuras.

O pai é fundamental para que os filhos enfrentem frustrações, para que os filhos aprendam o valor do estudo, do sacrifício e a exigência. O pai, com o seu exemplo, ajuda a que seus filhos entendam que as frustrações os ajudam a crescer e se superar; a ser realistas e a ser conscientes de que, mesmo não podendo conseguir tudo que queira do jeito que espera, é possível ser feliz com o que se tem e desfrutar muito do esforço pessoal.

Em casa a mamãe é a rainha e o papai é o rei. Triste final para uma história de amor seria ver o rei destronado. A sociedade pede que sejamos cada vez mais autênticos. O mundo precisa de verdadeiros pais que faça o que por lei natural e legítimo direito lher corresponde: construir uma família.

(Revista Vive)

Tags:
EducaçãoFamíliaFilhosMaternidadePaternidadeValores
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia