Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A verdadeira história da avó do Papa Francisco

© BERGOGLIO FAMILY / AFP
ARGENTINA, Buenos Aires : From L to R, up: Pope's sister Maria Helena, Pope's mother Regina Sivori, Pope's brother Alberto, Jorge Bergoglio Pope Francis, Pope's brother Oscar, Pope's sister Martha, Pope's stepbrother Enrique Narvaja. Sitting from L to R: Pope's grandfather Juan Bergoglio, Pope's grandmother Rosa and Pope's father Mario.
Compartilhar

A ligação do Papa com sua avó, a mulher que lhe transmitiu a fé

Se existe uma figura que o Papa Francisco não perde ocasião de citar é a sua avó. Rosa Margherita Vassallo tinha umacheia de devoções populares, além de uma grande consciência das próprias raízes italianas. Nascida em 1884 em Valbormida, casou-se em Turim com Giovanni Bergoglio. Dessa união nasceu Mario, pai do Papa. 

Na vigília de Pentecostes do ano passado, o Papa Francisco falou dela: “recebi o primeiro anúncio cristão desta mulher: minha avó! É lindo isso: o primeiro anúncio em casa, com a família!”. 

Foi ela, entre outras coisas, a transmitir-lhe os costumes de Piemonte, quando as refeições eram um momento especial para a família, sobretudo aos domingos, onde os jantares poderiam durar até o amanhecer. Sabemos por meio de uma carta escrita a próprio punho pelo Papa e endereçada ao pároco de Piana Crixia – cidade da província de Savona, onde nasceu Rosa Vassallo em fevereiro de 1884 – em que revelava: “Vovó Rosa deixou em mim uma forte marca humana e religiosa, e dela também aprendi o dialeto piemontês” 

Quem descobriu os detalhes da família do Papa foi Rosa Appendino, que lançou junto com Giancarlo Libert o livro "Vó Rosa". “Rosa – explica a autora em entrevista dada à Revista italiana Credere – foi uma mulher aberta às novidades, uma católica fervorosa. Foi levada para Turim por sua tia Rosa Crema, transferiu-se de Piana Crixia, onde havia nascido, para lá em 1892, quando tinha apenas oito anos. Foi porque sua família era numerosa e via-se a possibilidade de crescer em um ambiente estimulante, como a cidade de Turim”. 

Nos anos 20 do novo século Angelo Bergoglio transferiu-se com a mulher e seus filhos para Turim. Ali abriu uma padaria e mesmo estando bem financeiramente, não estava feliz porque sentia falta de seus irmãos que haviam se transferido para a Argentina alguns anos antes. Em 1929, vendeu a padaria e comprou oito bilhetes só de ida para a Argentina. Desembarcaram, assim, em Buenos Aires num dia de verão.


[Sentados no sofá: a irmã caçula, Maria Elena, mãe Regina Maria e pai Mario. Atrás da esquerda para direita: os irmãos Alberto Horacio, Jorge Mario, Oscar Adrian e a irmã Marta Regina]

Com a mãe Regina Maria fora de casa para trabalhar, o pequeno Jorge passava muitas horas com a avó, absorvendo a espiritualidade dela. Foi ela quem exercitou uma grande influência sobre sua vocação. Na última entrevista concedida à Rádio Nuestra Señora de los Milagros de Caacupé, antes de se tornar Papa, disse: “Foi ela que me ensinou a rezar, transmitiu-me a. Contava-me a vida dos santos. Quando eu tinha um ano e um mês, nasceu meu irmão, e minha mãe não conseguia cuidar dos dois. Assim, minha avó, que vivia perto de casa, vinha me pegar de manhã e me levava para casa de noite”. 

Uma vez Bergoglio disse que tinha absorvido de sua avó também a atitude serena e confiante no se aventurar com um êxito incerto. A avó Rosa reagiu verdadeiramente assim quando o neto contou sua intenção de entrar no seminário: “Se Deus te chama é uma ótima coisa, mas não esqueça que a porta de casa permanecerá sempre aberta e que ninguém vai te repreender se decidir voltar”. 

Quando era ainda cardeal contou numa entrevista concedida para a EWTN: “Uma vez, quando eu era seminarista, minha avó me disse: ‘nunca esqueça que está para se tornar padre e a coisa mais importante para um sacerdote é celebrar a missa’, e me contou de uma mãe que disse ao seu filho que já era padre: ‘celebre a missa, cada missa como se fosse a primeira e a última’”.

São sempre dizeres de fé aqueles de sua avó. Também na homilia do Domingo de Ramos de 2013, o Papa disse de maneira espontânea: “minha avó dizia sempre a nós crianças: o sudário não tem bolsos!”, como quem quer dizer “devemos deixar as coisas acumuladas, pois elas não nos acompanham na última viagem”.

Páginas: 1 2

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.