Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

A verdade inteira sobre o abuso sexual contra menores

The Real Truth About Child Sex Abuse allthecolor – pt

ALLTHECOLOR CC

Pe. Dwight Longenecker - publicado em 13/07/14

A Igreja está ou não está fazendo o suficiente?

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

Nesta semana, o papa Francisco recebeu em encontro privado seis vítimas de abusos sexuais cometidos por clérigos. Vindas da Irlanda, da Grã-Bretanha e da Alemanha, elas assistiram à missa com o pontífice na capela da Casa Santa Marta, compartilharam o almoço com ele e, em seguida, se reuniram em particular com o papa e lhe contaram as suas dolorosas histórias. O encontro aconteceu depois da segunda reunião de uma comissão especial estabelecida pelo próprio papa e voltada a enfrentar o problema dos abusos sexuais por parte do clero.

O abuso sexual contra menores, cometido por padres católicos, é um crime abominável que o papa Francisco comparou a um "culto sacrílego". Assim como o papa emérito Bento XVI, também Francisco assumiu a luta contra esse flagelo e pediu perdão em nome da Igreja. Expressando os sentimentos da maioria dos católicos, o papa declarou: "Diante de Deus e do seu povo, expresso a minha tristeza pelos pecados e pelos graves crimes de abusos sexuais cometidos por clérigos contra vocês. Eu humildemente peço perdão".

Previsivelmente, os críticos da Igreja católica estão insatisfeitos. Barbara Blaine, presidente da Rede de Sobreviventes Vítimas de Abusos ​​de Padres (SNAP, na sigla em inglês) desprezou a importância do encontro de Francisco com as seis vítimas. O pedido de desculpas feito pelo papa também não foi suficiente para a SNAP. Blaine declarou: "Francisco deve tomar medidas decisivas já" para enfrentar o escândalo mais diretamente. Ela minimizou o apelo do papa por reparações e disse que “frear o abuso e proteger as crianças vem em primeiro lugar. Nenhuma criança na face da terra ficou hoje mais segura por causa desse encontro. Com ou sem a Igreja, as vítimas de abuso podem ser tratadas. Mas só com a ajuda da Igreja é que as crianças podem ser protegidas dos clérigos abusadores. É nisto que o papa deve se concentrar. E é nisto que ele se recusa a agir”.

Se Blaine é especialista neste problema, como afirma ser, ela está mentindo deliberadamente. Ela deve saber dos extensos planos de proteção à criança que a Igreja já está pondo em prática há anos. Além da criação de uma comissão internacional para lidar com o problema, Francisco respondeu com clareza e vigor em vários momentos. Em face dos contínuos ataques anticatólicos realizados pelas Nações Unidas e por outras entidades, o papa Francisco defendeu as ações da Igreja em uma entrevista de março ao diário italiano Corriere della Sera: "A Igreja católica é, possivelmente, a única instituição pública a ter agido com transparência e responsabilidade" nesse tipo de escândalo.

William Oddie, do Catholic Herald, destaca o que a Igreja católica tem feito para resolver o problema e coloca a crise em um contexto social, mostrando que a Igreja católica está longe de ser a única instituição afetada. Citando Francisco e mostrando o que está sendo feito, Oddie ressalta o alto índice de abusos sexuais contra crianças em escolas públicas norte-americanas e cita as notícias vindas da Inglaterra nesta semana, que revelam histórias de proporções chocantes sobre abuso sexual infantil no mundo político e do entretenimento da Grã-Bretanha.

Em todo o planeta, os bispos católicos colocaram em prática programas extensos de proteção aos menores. Nos Estados Unidos, por exemplo, 194 dioceses possuem programas de treinamento para garantir ambientes seguros. Mais de 2 milhões de adultos foram treinados para reconhecer comportamentos de abusadores e reagir adequadamente. Mais de 5 milhões de crianças foram ensinadas a se proteger de abusos. Além dos treinamentos, são verificados os antecedentes de todos os funcionários que entram em contato com crianças nessas dioceses.



Todas as dioceses do país têm códigos de conduta que detalham o que é um comportamento aceitável e recorrem aos serviços de coordenadores de assistência às vítimas. Em 2012, oito milhões de dólares foram gastos pelas dioceses em terapias para as vítimas de abusos sexuais cometidos pelo clero. Além disso, todas as dioceses norte-americanas têm coordenadores de ambiente seguro que garantem a conformidade contínua com a Carta para a Proteção de Crianças e Jovens. A política de tolerância zero para com abusadores está em vigor no país desde 2002. Quando um único ato de abuso sexual cometido por um padre ou por um diácono é comprovado depois do adequado processo canônico, o sacerdote ou diácono abusador é permanentemente afastado do ministério.

Nenhum aspecto de todo este trabalho é reconhecido pela SNAP nem pela imprensa. Em vez disso, como o papa Francisco afirmou, a Igreja católica continua a ser um bode expiatório. Barbara Blaine e a SNAP continuam fingindo que não há nada sendo feito. Os participantes da convenção anual da SNAP testemunham a sua atmosfera de ódio extremo contra a Igreja católica. Poderia haver outra motivação para os seus constantes ataques à Igreja católica? Há ligações bem identificadas entre o financiamento da SNAP e o advogado Jeff Anderson, especializado em processar a Igreja.

O que mais a Igreja católica pode fazer para resolver a crise dos abusos sexuais?

A comissão criada pelo papa deve certificar-se de que o princípio da tolerância zero seja observado em todas as estruturas da Igreja, mas, acima de tudo, as autoridades católicas devem ser mais proativas na hora de informar a todos sobre o que está sendo feito dia após dia, em nível local, para evitar os abusos contra crianças. Aqueles de nós que trabalham nas paróquias e nas escolas dos Estados Unidos podem testemunhar os cursos extensivos de treinamento, certificação, verificação de antecedentes e as políticas de proteção à criança que estão em vigor. Os católicos precisam divulgar que a política de tolerância zero está em pleno funcionamento.

Também devemos denunciar os boatos, as mentiras e a intolerância anticatólica. Os padres católicos não são os únicos agressores. Várias pesquisas revelam que o problema é muito pior em outros setores da sociedade. Temos que admitir os nossos defeitos, repará-los e nos tornar melhores, mas também temos que continuar a divulgar a história completa dos abusos sexuais cometidos por sacerdotes. Estudos objetivos e factuais como “Pedophiles and Priests: Anatomy of a Contemporary Crisis”, de Philip Jenkins, e o “John Jay Report” apontam os fatos reais sobre o assunto. São estudos que expõem a verdade e a contextualizam. Nós precisamos ser mais proativos para proclamar essa verdade.

Em nome de toda a Igreja, é bom que o papa Francisco tenha recebido as vítimas e pedido perdão. É bom que estejamos encarando a terrível verdade sobre alguns homens doentes que atuavam como sacerdotes. É bom que estejamos encarando a verdade sobre os bispos que encobriram esses criminosos.

Mas também é bom proclamarmos a verdade completa sobre os abusos sexuais cometidos contra menores: é bom insistirmos na justiça tanto em favor das vítimas quanto em favor de todos os envolvidos nesta sórdida e dolorosa tragédia.

Tags:
Abusos SexuaisFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia