Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 25 Junho |
São Salomão
home iconReligião
line break icon

Divorciados que vão se confessar: eles podem receber absolvição?

© Mincemeat/SHUTTERSTOCK

Angelo Bellon O.P. - publicado em 14/07/14

Algumas pessoas divorciadas podem receber a absolvição, sobretudo se são vítimas do divórcio

Questão

Sou padre, administro uma paróquia e me encontro com alguns problemas quanto ao sacramento da reconciliação. Frequentemente pessoas divorciadas vêm se confessar. Gostaria de saber: quem pode se confessar e quem não pode?

Resposta do sacerdote

Caro Padre,

1. É necessário distinguir entre pessoas simplesmente divorciadas, daquelas divorciadas e casadas novamente, ou que convivem.

As pessoas simplesmente divorciadas podem receber a absolvição, sobretudo se são vítimas do divórcio.

2. Se pediram o divórcio, arrependeram-se, mas julgam que é impossível retomar a vida a dois, podem receber a absolvição e comungar.

3. Se casaram novamente, ou convivem, são tratadas segundo os critérios da carta do cardeal Ratzinger, quando era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, de 14 de setembro de 1994. Esta carta lembra a indissolubilidade do matrimônio, recomenda tratar benignamente estas pessoas, que permanecem filhos da Igreja. Embora, no geral, não possam receber a absolvição e nem comungar.

Eis em síntese o que diz a carta, que é normativa para os crentes e que ilumina também os critérios a se adotar com aqueles que são casados somente no civil, ou que convivem.

I. Os fiéis divorciados e casados novamente se encontram em uma situação que contradiz objetivamente a indissolubilidade do matrimônio.

Por fidelidade ao ensinamento de Jesus, a Igreja é firmemente convicta de que o matrimônio é indissolúvel.

O Concílio Vaticano II ensina: "Esta união íntima, já que é o dom recíproco de duas pessoas, exige, do mesmo modo que o bem dos filhos, a inteira fidelidade dos cônjuges e a indissolubilidade da sua união" (GS 48). A Igreja considera também que ninguém, nem mesmo o Papa, tem o poder de dissolver um matrimônio sacramental ratificado e consumado (Cfr. Can. 1141).

Portanto, a Igreja não pode “reconhecer como válida uma nova união, se era válido o matrimônio precedente” (Carta, 4). Assim é proibido “por qualquer motivo, ou pretexto também pastoral, colocar em ato, a favor dos divorciados que se casam novamente, cerimônias de qualquer gênero” (FC 84). 

II. Os fiéis divorciados e casados novamente permanecem membros do Povo de Deus e, portanto, são chamados a experimentar o amor de Cristo e a aproximação materna da Igreja.

Embora estes fiéis vivam em uma situação que contradiz a mensagem do Evangelho, não são excomungados, nem excluídos da comunhão eclesial. Esses são e permanecem membros da Igreja, porque receberam o batismo e conservam íntegra a cristã. Do Diretório da Pastoral familiar da Conferência Episcopal Italiana: “Quantos vivem em uma situação irregular, enquanto continuam a participar da Igreja, não estão em plena comunhão com ela. Não estão porque a condição de vida deles está em contradição com o Evangelho de Jesus, que propõe e exige dos cristãos um matrimônio celebrado no Senhor, indissolúvel e fiel” (DPF 197).

Segundo o exemplo de Jesus que não excluía ninguém do seu amor, a Igreja deve estar próxima deles e colocar a disposição os seus meios de salvação (FC 84).

Os pastores devem discernir as diversas situações porque alguns destruíram a união matrimonial por culpa grave, outros foram abandonados pelo cônjuge; alguns estão convictos da nulidade do matrimônio anterior, outros se casaram novamente para assegurar a educação dos seus filhos nascidos da primeira união; enfim, existem aqueles que na segunda união redescobriram a fé e já percorreram um longo caminho de penitência (Cfr. FC 84).

A partir deste discernimento, que leva em conta a singularidade das diversas situações, os pastores mostrarão aos fiéis interessados vias concretas de conversão e de participação na vida eclesial. Em cada caso “a

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
CasamentoConfissãoDivórcioFamíliaIgrejaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
CARLO ACUTIS
Francisco Vêneto
Corpo incorrupto: quais foram os tratamentos aplicados ao rosto d...
3
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
4
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
5
Leticia e Juliano Cazarré
Reportagem local
Filha de Juliano Cazarré e Leticia é batizada na Igreja Católica
6
ST JOSEPH,THE WORKER CARPENTER, JESUS,CHILDHOOD OF CHRIST
Philip Kosloski
Esta antiga oração a São José é “conhecida por nunca ter falhado”
7
ŚMIERĆ CÓRKI
Reportagem local
A assustadora sociedade em que a última criança nasceu há 25 anos
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia