Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Divorciados que vão se confessar: eles podem receber absolvição?

Divorced couple – pt

© Mincemeat/SHUTTERSTOCK

Angelo Bellon O.P. - publicado em 14/07/14



Igreja reza por eles, os encoraja, é mãe misericordiosa e assim os sustenta na fé e na esperança” (FC 84).

III. Enquanto batizados, os fiéis divorciados e casados novamente são chamados a participar ativamente da vida da Igreja, na medida em que isto seja compatível com a situação objetiva deles. 

Como membros da Igreja, os fiéis divorciados e casados novamente são exortados:

“ – a escutar a Palavra de Deus,
– a frequentar o sacrifício da Missa,
– a perseverar na oração,
– a incrementar as obras de caridade e as iniciativas de comunidade em favor da justiça,
– a educar os filhos na fé cristã,
– a cultivar o espírito e as obras de penitência para implorar assim, dia após dia, a graça de Deus” (FC 84).

Recorda-se que a participação na vida eclesial não pode ser reduzida à questão do receber comunhão, como acontece com frequência. 

IV. Por causa da situação objetiva deles, os fiéis divorciados e casados novamente não podem comungar.

A Igreja reitera “a sua prática, fundada na Sagrada Escritura, de não admitir à comunhão eucarística os divorciados e casados novamente” (FC 84).

Esta norma não é um regulamento puramente disciplinar, que poderia ser mudado pela Igreja, mas deriva de uma situação objetiva que torna impossível em si o acesso à Santa Comunhão.

Para dizer a verdade, não é a Igreja que exclui tais fiéis, mas “não podem ser admitidos, do momento em que o seu estado e condições de vida contradizem objectivamente aquela união de amor entre Cristo e a Igreja, significada e atuada na Eucaristia (FC 84). A Eucaristia, de fato, é o alimento que ajuda os cônjuges a se colocarem e a se imolarem um ao outro, como Cristo amou a Igreja e se imolou por ela. No caso dos divorciados e casados novamente a imolação pelo verdadeiro cônjuge vem claramente contradita. 

Por este motivo primário se acrescenta um segundo, de natureza mais pastoral: “ se se admitissem estas pessoas à Eucaristia, os fiéis seriam induzidos em erro e confusão acerca da doutrina da Igreja sobre a indissolubilidade do matrimônio” (FC 84).

Alguns fazem uma distinção entre a admissão oficial à Santa Comunhão (que não é possível) e autorização em alguns casos da própria consciência a participação na mesa do Senhor. 

Ao contrário, a Carta da Congregação para a Doutrina da Fé ressalta: “O fiel que convive habitualmente more uxorio com uma pessoa que não é a legítima esposa ou o legítimo marido, não pode receber a comunhão eucarística. Caso aquele o considerasse possível, os pastores e os confessores – dada a gravidade da matéria e as exigências do bem espiritual da pessoa e do bem comum da Igreja – têm o grave dever de adverti-lo que tal juízo de consciência está em evidente contraste com a doutrina da Igreja" (n.6).

Aceitando a doutrina e a prática da Igreja, os fiéis divorciados e casados novamente, em seu modo continuam a testemunhar a indissolubilidade do matrimônio e a fidelidade deles à Igreja (Cfr. Carta, 9).

V. “Se os divorciados se casam civilmente, ficam impedidos de exercer certas responsabilidades eclesiais” (CIC 1650). 

A participação dos divorciados e casados novamente à vida da Igreja permanece condicionada à pertença deles, não completa, a ela. É evidente que esses não podem desenvolver na comunidade eclesial aqueles serviços que exigem uma plenitude testemunhal cristã, como são os serviços de liturgias e em particular aqueles de leitor, ministério de catecismo, padrinho para os sacramentos. Na mesma perspectiva, é de se excluir uma participação deles nos conselhos pastorais, onde os membros compartilham plenamente a vida da comunidade cristã, e são de certa forma os representantes e delegados.

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
CasamentoConfissãoDivórcioFamíliaIgrejaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia